Banner Portal
Paraolimpíada ou paralimpíada no jornal Folha de S. Paulo
PDF

Palavras-chave

Paralimpíada
Gramática
Dicionário
História das ideias linguísticas

Como Citar

LIMA, Clevisvaldo Pinheiro. Paraolimpíada ou paralimpíada no jornal Folha de S. Paulo: uma questão de disputa ortográfica?. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 23, n. 46, p. 100–129, 2020. DOI: 10.20396/lil.v23i46.8658599. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8658599. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Em novembro de 2011, no lançamento das logomarcas oficiais dos jogos olímpicos e paraolímpicos ou paralímpicos do RIO 2016, o presidente do então Comitê Paraolímpico Brasileiro anunciou que o comitê brasileiro passaria a ser chamado de comitê paralímpico, bem como as paraolimpíadas passariam a ser nomeadas paralimpíadas. Embora tal decisão tenha sido acatada por diferentes meios de comunicação da imprensa brasileira, o Jornal Folha de São Paulo e sua plataforma online UOL, amparados em um discurso gramatical por meio de seu então colunista Pasquale Cipro Neto, decidiram pela não supressão do “o” desses termos e continuaram a enunciar em suas matérias paraolimpíada e paraolímpico. Nesse sentido, este trabalho visa compreender, pela história das ideias linguísticas, e utilizando como aporte teórico metodológico a análise de discurso materialista, de que ordem é essa disputa, entre a exigência de uma alteração ortográfica e sua não adesão pela Folha e pelo UOL.

https://doi.org/10.20396/lil.v23i46.8658599
PDF

Referências

AUROUX, Sylvain (2014). A revolução tecnológica da gramatização. Tradução: Eni Pucinelli Orlandi. 3ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

BAILEY, Steve (2007). Athlete Fisrt: A History of the Paralympic Movement. England: Wiley.

BALDINI, Lauro Jose Siqueira (2010). 50 palavras em 5. In: MARIANI, Bethania; MEDEIROS, Vanise (org.). Ideias linguísticas: formulação e circulação no período JK. Rio de Janeiro, Faperj-Campinas, Editora RG.

BRITTAIN, Ian (2010). The Paralympic Games Explained. New York, NY: Routledge.

CORREIA, Margarita; LEMOS, Lucia San Payo (2005). Inovação lexical em português. Lisboa: Colibri.

COSTA, Greciely Cristina da (2014). Sentidos de milícia: Entre a lei e o crime. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

FRADIN, Bernhard. Blending (2015). IN: Muller, Peter O; Ohnheiser, Ingeborg; Olsen, Susan; Rainer, Franz. Word-Formation: An International Handbook of the languages of Europe. Berlin/Boston: Walter de Gruyter.

GUIMARÃES, Eduardo; ORLANDI, Eni, Puccinelli (1996). Língua e cidadania: o português no Brasil. Campinas, SP: Pontes.

INTERNATIONAL PARALYMPIC COMMITTEE (IPC) (2019). History and use of the term ‘Paralympic’. Disponível em: https://m.paralympic.org/sites/default/files/document/121210151549984_2012_02+History+and+Use+of+Term+Paralympic.pdf. Acesso em: 10 de abril de 2019.

Lopes, Maraisa (2012). Folha: do Manual ao Jornal ou do Jornalístico ao Pedagógico. Campinas, SP : [s.n.].

MARIANI, Bethania; SOUZA, Tânia C.C de (1996). Reformas Ortográficas ou Acordos Políticos? In: GUIMARÃES, Eduardo; ORLANDI, Eni, Puccinelli. Língua e cidadania: o português no Brasil. Campinas, SP: Pontes.

MARIANI, Bethania (2004). Colonização Linguística. Campinas, SP: Pontes.

MARIANI, Bethania (2011). A redação do Código Civil: Polêmica linguística, jurídica ou política? In: LAGARES, Xoán Carlos; Bagno, Marcos (Orgs.). Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola Editorial.

MAZIÈRE, Francine (2019). Entrevista com Francine Mazière. In: OLIVEIRA, Guilherme Adorno de; NOGUEIRA, Luciana. Encontros na análise de discurso: efeitos de sentido entre continentes. Campinas, SP: editora da Unicamp.

MEDEIROS, Vanise (2010). Jornal, arquivo e instrumento linguístico. In: MARIANI, Bethania; MEDEIROS, Vanise (org.). Ideias linguísticas: formulação e circulação no período JK. Rio de Janeiro, Faperj-Campinas, Editora RG.

MIRANDA, Tatiane Jacusiel (2013). Você conhece os Jogos Paralímpicos? Brasília, DF: Ellite Gráfica; Academia Paralímpica Brasileira; Comitê Paralímpico Brasileiro.

NUNES, José Horta (2006). Dicionários no Brasil: análise e história. Campinas, SP: Pontes Editores: Fapesp – São José do Rio Preto, SP: Faperp.

ORLANDI, Eni P (2000). O estado, a gramática, a autoria: língua e conhecimento linguístico. In: Línguas e instrumentos linguísticos, Campinas, SP: Pontes.

ORLANDI, Eni P (2009). Língua Brasileira e outras histórias: Discurso sobre a língua e o ensino no Brasil. Campinas: Editora RG.

ORLANDI, Eni P (2012). Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. 4ª Edição, Pontes Editores. Campinas, SP.

PECHEUX, Michel (2014). Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio; tradução: Eni Pucchinelli Orlandi et al. 5ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

PECHEUX, Michel (2015). Papel da memória. IN: ACHARD, Pierre [et l.] Papel da memória. 4. ed. Campinas, SP: Pontes Editores.

PFEIFFER, Claudia Castellanos (2001). Escola e divulgação científica. In: GUIMARÃES, Eduardo. Produção e circulação do conhecimento: Estado, Mídia, Sociedade. Campinas, SP: Pontes Editores.

PFEIFFER, Claudia Castellanos (2007). A linguística nas associações: um recorte discursivo de sua institucionalização. Uma questão de política linguística. In: ORLANDI, Eni. P (Org.) Política linguística no Brasil. Campinas, SP: Pontes Editores.

PETRI, Verli; SCHERER, Amanda E (2016). O funcionamento do político na produção de sentidos: o dicionário como trajeto de leitura... In: GRIGOLETTO, Evandra; DE NARDI, Fabiele Stockmans (Org.) A analise do discurso e sua história: Avanços e perspectivas. Campinas, SP: Pontes Editores.

ROJO, José Antônio Díaz. (2003). Paralímpico. Disponível em: http://www.ucm.es/info/especulo/cajetin/paralimp.html. Acesso em: 03.12.2019.

SILVA, Telma Domingues da (2001). Os manuais de Imprensa no Brasil: Da Redação à Circulação Pública. In: ORLANDI, Eni P (org). História das Ideias Linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas, SP: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora.

SILVA, Mariza Vieira da (1996). O dicionário e o processo de identificação do sujeito-analfabeto. In: GUIMARÃES, Eduardo; ORLANDI, Eni, Puccinelli. Língua e cidadania: o português no Brasil. Campinas, SP: Pontes.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.