Estratégias de transcategorização de referentes em narrativas orais amazônicas

um estudo das implicações sociocognitivas para o processo de construção da atividade discursiva

  • Heliud Luis Maia Moura Universidade Federal do Oeste do Pará
Palavras-chave: Referenciação, Transcategorização, Narrativas amazônicas

Resumo

Objetiva-se, neste artigo, divulgar os resultados de uma investigação realizada com dez alunos do nono ano de uma escola de uma periferia do Rio de Janeiro. Filiados ao paradigma quali-quantitativo, perguntamos como os sujeitos de pesquisa entenderiam a argumentatividade presente em exemplares de três gêneros textuais: a notícia, a propaganda e a tirinha. Pautados na abordagem sociocognitivo-discursiva da Linguística Textual, propusemos atividades que possibilitassem uma análise linguístico-discursiva de exemplares dos gêneros propostos. Os resultados sugerem que a maior parte dos sujeitos consegue identificar a tese, quando presente nos textos, embora não consiga argumentar seu achado a partir das marcas linguísticas desses textos. Apesar de contar com poucos participantes, o estudo aponta para uma necessária metodologia que observe os gêneros em seu funcionamento, e que associe as escolhas linguísticas a esses objetivos, a fim de que os alunos de periferia possam acessar os diversos fatos sociais de forma includente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heliud Luis Maia Moura, Universidade Federal do Oeste do Pará

Doutor em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas, é docente da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA).

Referências

ARISTÓTELES. Categorias de Aristóteles. São Paulo: Abril Cultural, 2002.

BEZERRA, P. Prefácio de As raízes históricas do conto maravilhoso. In: PROPP. V. As raízes históricas do conto maravilhoso. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

CASCUDO, L. C. Geografia dos mitos brasileiros. São Paulo: Global, 2001.

FAUCONNIER, G.; TURNER, M. The way we think. Conceptual blending and the mind’s hidden complexities. New York: Basic Books, 2002.

FERREIRA, H. A. B. D. Dicionário Aurélio de língua portuguesa. Curitiba: Editora Positivo, 2010.

FUENTES, M. O conto maravilhoso. Disponível em: <https://pt.slideshare.net/MarilzaFuentes/o-conto-maravilhoso>. Acesso em: 13 de dezembro de 2019.

KANT, I. Coleção pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 2000.

KOCH, I.G.V. Introdução à linguística textual. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

KOCH, I. G. V.; CUNHA-LIMA, M. L. Do cognitivismo ao sociocognitivismo. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à linguística. v. 3: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, 2005.

MARCUSCHI, L. A. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MONDADA, L. A referência como trabalho interativo: a construção da visibilidade do detalhe anatômico durante uma operação cirúrgica. In: KOCH, I. G. V.; MORATO, E. M.; BENTES, A. C (orgs). Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto, 2005.

MORAES, R. O meu dicionário de cousas da Amazônia. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2013.

MOURA, H. L. M. Processos de recategorização de personagens afiliados ao universo lendário amazônico. Revista Estudos Linguísticos, 45 (3): p. 1147-1159, São Paulo, 2016.

MOURA, H. L. M. Atividades de referenciação em narrativas afiliadas ao universo do lendário da Amazônia: implicações sociocognitivas e culturais. Tese. (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 2013

PROPP, V. As raízes históricas do conto maravilhoso. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

TOMASELLO, M. Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Publicado
2020-04-30
Como Citar
Moura, H. L. M. (2020). Estratégias de transcategorização de referentes em narrativas orais amazônicas. Línguas E Instrumentos Línguísticos, 23(45), 220-255. https://doi.org/10.20396/lil.v23i45.8659391
Seção
Artigo