Língua(gem) e gênero neutro

uma perspectiva discursiva no português brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i47.8660785

Palavras-chave:

Linguagem neutra, Discurso, Português brasileiro

Resumo

O presente trabalho aborda o uso e a tentativa de implementação do gênero neutro na língua(gem) do português brasileiro e uma parte do histórico de tentativas que já se buscou para implementar uma língua(gem) que fosse mais inclusiva, do ponto de vista do gênero, com o -@; -X e o -E. Analisaremos esses gestos discursivos e como eles operam na língua. Como aporte teórico, nos filiamos à escola Materialista de Discurso, cujo expoente maior é Michel Pêcheux, na França, e Eni Orlandi, no Brasil. Ao fim, podemos concluir que os gestos de tentativa dos sujeitos de quererem uma língua portuguesa brasileira menos gentrificada, ou menos binária, têm um efeito político de significar sujeitos que se sentem excluídos da linguagem, no entanto, como a língua é um sistema fechado, precisa de  ser atravessada por uma historicidade para fazer sentido e entrar no curso da língua(gem).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonathan Ribeiro Farias de Moura, Escola de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz

Doutor em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor-pesquisador de Língua Portuguesa da Escola de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-EPSJV).

 

.

Referências

AUROUX, S. ([1992] 2014) A Revolução Tecnológica da Gramatização. Campinas, SP. Ed. UNICAMP. 3ª ed.

AUTHIER-REVUZ, J. ([1984]1990) Heterogeneidade(s) enunciativa(s). In: Cadernos de estudos lingüísticos, Campinas, UNICAMP – IEL, n. 19, jul./dez.

BORBA, R. (2014) “A linguagem importa? sobre performance, performatividade e peregrinações conceituais.” In: Cadernos Pagu (UNICAMP. Impresso), v. 43, p. 441-474.

BUTLER, J. ([1990] 2015) Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. Editora Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, RJ. 9ª edição.

CAÊ, G. (2020) Manual para o uso da Linguagem neutra em Língua Portuguesa. Disponível em : <https://drive.google.com/file/d/16BQ59w4ePbUqMAzrFwUiCsz3r9zJw9XL/view> Consultado em 25/07/2020

CÂMARA JÚNIOR, M. (2007) Estrutura da língua Portuguesa. Ed. Vozes. Petrópolis, RJ. 40ª edição.

CARVALHO, D.; BRITO, D. FARIAS, J. G. (2020) “Individuação, aspecto nominal e a função de gênero nas línguas naturais.” In: CARVALHO, D. & BRITO, D. Gênero e Língua(gem): Formas e Uso. Salvador-BA. EDUFBA.

DE MELLO, M. P.; ASSUMPÇÃO, J. G. ; HACKEL, C. “Genes Envolvidos na Determinação e Diferenciação do Sexo.” In: Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 49, n.1, p. 14-25, 2005.

ERIBON, D. ([1999] 2008) Reflexões sobre a questão gay. Rio de Janeiro, RJ. Ed. Companhia de Freud.

LIMA, P. E. “Estratégias discursivas como elemento performativo de gênero e sexualidade.” In: CARVALHO, D. & BRITO, D. Gênero e Língua(gem): Formas e Uso. Salvador-BA. EDUFBA.

MOURA, J. R. F. (2018) Da sombra às cores: Análise discursiva do dicionário LGBTs Aurélia. Tese (Doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em Linguística) Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MOURA, J. R. F. (2018b). “Da Morfologia ao Discurso: o caso do sufixo –ismo para denominar práticas homossexuais.” In: Revista Ribanceira, v.01, n 15. p. 99-111. Belém: UEPA.

MOURA, J. R. F. & SOUZA, T.C.C . (2017) “Memória e processos Lexicais em Mídia Popular.” In: V Simpósio Mundial de estudos da Língua Portuguesa, 2015, Lecce. De volta ao futuro da língua portuguesa. Lecce: Scietifica Elettronica. v. I. p. 537-550.

ORLANDI, E. P. (1996) Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Ed Vozes. Petrópolis, RJ.

ORLANDI, E. P. (1999) Do Sujeito na História e no Simbólico. IN: Escritos- Contextos Epistemológicos da Análise de Discurso. Número 4.

ORLANDI, E. P. (2014) Ser diferente é ser diferente: a quem interessam as minorias?. In: Eni de Lourdes Puccinelli Orlandi. (Org.). Linguagem, Sociedade, Políticas. 1ed.Campinas: RG v. 1, p. 29-38.

ORLANDI, E. P. & SOUZA T.C.C. (1988) “A Língua Imaginária e a Língua Fluida: Dois métodos de trabalho com a linguagem.” IN: Política Linguística na América Latina. Campinas, SP.

PÊCHEUX, M. ([1975] 2009) Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, SP. Ed: Unicamp. 4ª edição.

PÊCHEUX, M. ([1983] 2012) O Discurso: Estrutura ou Acontecimento. Campinas, SP. Ed: Pontes. 6ª edição.

SCHWINDT, L. C. (2020) “Predizibilidade da marcação de gênero em substantivos no português brasileiro.” In: CARVALHO, D. & BRITO, D. Gênero e Língua(gem): Formas e Uso. Salvador-BA. EDUFBA.

ZOPPI-FONTANA, M. (2017) “Uma Língua de Estado não sexista: descolonizando a língua oficial da dominação sexual.” In: V Simpósio Mundial de estudos da Língua Portuguesa, 2015, Lecce. De volta ao futuro da língua portuguesa. Lecce: Scietifica Elettronica. v. I. p. 505-522.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

MOURA, J. R. F. de. Língua(gem) e gênero neutro: uma perspectiva discursiva no português brasileiro. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 47, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i47.8660785. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8660785. Acesso em: 22 out. 2021.

Edição

Seção

Artigo