Expressão da terceira pessoa na língua parkatêjê

Autores

  • Nandra Ribeiro Silva Federal University of Pará
  • Ana Vilacy Moreira Galucio Universidade Federal do Pará https://orcid.org/0000-0003-0168-1904
  • Marilia de Nazaré Oliveira Ferreira Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v42i42.8661577

Palavras-chave:

Pronomes, Parkatêjê, Macro-Jê

Resumo

Este artigo apresenta uma descrição detalhada das formas distintas de expressão do referente pronominal de terceira pessoa dos verbos em Parkatêjê, uma língua Jê pertencente ao Complexo Dialeto Timbira, falada na região sudeste do estado do Pará (Brasil). A motivação para investigar este tópico específico deve-se ao fato de ele não ter sido tratado em detalhes nos estudos anteriores sobre a língua (FERREIRA, 2003; ARAÚJO 1989). Com base em critérios morfossintáticos, fonotáticos e histórico-comparativos, descrevemos as diversas formas de expressar a terceira pessoa com verbos em Parkatêjê e propomos uma lista revisada de pronomes pessoais de Parkatêjê, que inclui as formas para terceira pessoa do singular e do plural. Além disso, comparamos o padrão de expressão da terceira pessoa verbal de Parkatêjê com os padrões encontrados em outras línguas Jê do Norte, como Mẽbẽngokrê, Krahô, Pykobjê e Apãniekrá.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nandra Ribeiro Silva, Federal University of Pará

Mestrado em Letras: Lingüística e Teoria Literária pela Universidade Federal do Pará. Pesquisa e desenvolvimento no Museu Paraense Emílio Goeldi; Docente da Faculdades Integradas de Goiás; Docente da Secretaria da Educação do Pará; Docente da Força Aérea Brasileira.

Ana Vilacy Moreira Galucio, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Lingüística pela University of Chicago. Pesquisadora do Museu Paraense Emílio Goeldi; Docente da Universidade Federal do Pará.

Marilia de Nazaré Oliveira Ferreira, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade Federal do Pará.

Referências

AMADO, R. (2004). Aspectos morfofonológicos do Pykobjê-Gavião. Tese (Doutorado em Semiótica e Linguística Geral) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

ARAÚJO, L. (1977). Estruturas Subjacentes de alguns tipos de frases declarativas afirmativas do dialeto gavião-jê. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. __________. (1987). Aspectos da Língua Gavião-Jê. Rio de Janeiro. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras.

BHAT. D.N.S. (2004). Pronouns. Oxford University Press.

CASTRO ALVES, F. (2004). O timbira falado pelo Canela Apãniekrá: uma contribuição aos estudos da morfossintaxe de uma língua Jê. Tese de Doutorado. Campinas: Unicamp.

COMRIE, B. (1989). Language universals and linguistic typology: Syntax and morphology. 2nd ed. Chicago: University of Chicago Press. ____________. (2013). “Alignment of Case Marking of Full Noun Phrases”. In: Dryer, Matthew S. & Haspelmath, Martin (eds.) The World Atlas of Language Structures Online. Leipzig: Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology. Available online at: http://wals.info/chapter/98. Accessed on: 2019-01-22.

DIXON, R. M. W. (1994). Ergativity. Cambridge: Cambridge University Press.

FERREIRA, M. (2003). Estudo morfossintático da língua Parkatêjê. Tese de Doutoramento. UNICAMP: Campinas.

HASPELMATH, M. (2013). “Argument indexing: A conceptual framework for the syntax of bound person forms”. In: Bakker, Dik & Haspelmath, Martin (Eds.) Languages across boundaries: Studies in memory of Anna Siewierska. Berlin: De Gruyter Mouton, p.197-226 __________________. (2014). “The challenge of making language description and comparison mutually beneficial’. In: Linguistic Typology, 20(2), p.299-301.

HOCK, H. (1991). Principles of historical linguistics. Second, corrected and augmented edition. Berlin: Mouton de Gruyter.

NEVES, C. L. (2012). Alternância de códigos em narrativas orais do povo Parkatêjê: aspectos linguísticos do contato com o português. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal do Pará, Belém.

OLIVEIRA, C. O. (2003). "Lexical categories and descriptives in Apinajé”. IJAL, v.69, n.3, p.243-274. Chicago: The University of Chicago,

POPJES, J; POPJES, J. (1986). “Canela-Krahô”. In: DERBYSHIRE,

D. & PULLUM, G. (Eds.). Handbook of Amazonian Languages. Vol.l. Berlin: Mouton de Gruyter.

RIBEIRO-SILVA, N. (2016). Pronomes em Parkatêjê: a expressão da terceira pessoa. Dissertação de Mestrado. Belém: UFPA.

SALANOVA, A. P. (2011). “A flexão de terceira pessoa nas línguas Jê”. Revista Liames, v.11, p.75-114, Primavera.

SILVA, M. A. R. (2001). Pronouns, ordem e ergatividade em Mebengokre (Kayapó). Dissertação de mestrado. Campinas: IEL/UNICAMP.

SCHACHTER, P.; SHOPEN, T. (2007). “Parts-of-speech systems”.

In: SHOPEN, T. (ed). Language Typology and Syntactic Description. Vol.1, p.1-60, 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press. ____________. (2007). Language typology and syntactic description. 3 volumes, 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press.

SIEWIERSKA, A. (2013). “Alignment of Verbal Person Marking”.

In: DRYER, Matthew S. & HASPELMATH, Martin (Eds.). The World Atlas of Language Structures Online. Leipzig: Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology. Available online at: http://wals.info/chapter/100. Accessed on: 2019-01-22.

SOUZA, S. M. de. (1989). O sistema de referência pessoal da língua Krahô. Dissertação (Mestrado em Semiótica e linguística geral) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiás.

Downloads

Publicado

2020-11-06

Como Citar

SILVA, N. R.; GALUCIO, A. V. M.; FERREIRA, M. de N. O. . Expressão da terceira pessoa na língua parkatêjê. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 42, n. 42, 2020. DOI: 10.20396/lil.v42i42.8661577. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661577. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigo