O efeito imaginário da língua inglesa nas propagandas de escolas de idiomas

Autores

  • Estela Seraglio Furrer Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Ana Luiza Artiaga Rodrigues da Motta Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i47.8663661

Palavras-chave:

Discurso, Propaganda de língua inglesa, Mundialização

Resumo

Este texto se propõe a analisar discursivamente o efeito imaginário da Língua Inglesa nas propagandas de escolas de idiomas franqueadas no Brasil, nos espaços da globalização. Essas propagandas buscam produzir no aprendiz os efeitos da importância do domínio da Língua Inglesa para se inserir no mercado de trabalho e, consequentemente, se tornar um sujeito da mundialização. Para as análises, mobilizamos os dispositivos teórico-metodológicos da Análise de Discurso de linha francesa com base em Pêcheux (2014a; 2014b; 2014c) e Orlandi (1987; 2012a; 2012b; 2015), tais como: interpretação, formações imaginárias, formação discursiva, condições de produção e memória discursiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Estela Seraglio Furrer, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutoranda em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Professora de Língua Inglesa da educação básica- SEDUC-MT.

Ana Luiza Artiaga Rodrigues da Motta, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Univesidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).

Referências

ALTHUSSER, L. (1970). Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Editora Presença, Lisboa. Disponível em: https://politica210.files.wordpress.com/2014/11/althusser-louis-ideologia-e-aparelhos-ideolc3b3gicos-do-estado.pdf. Acesso em: mar. 2019.

ASSIS- PETERSSON, A. A.; COX, M. I. P. (2007). “O inglês em tempos de globalização: para além do bem e mal”. In: Calidoscópio, vol.05, n.1, p.5-14, jan/abr. Unisinos. Disponível em: file:///C:/Users/estel/Downloads/5616-17528-1-SM.pdf. Acesso em: jun. 2019.

BRUNEL, S. (2007). “Quést-ce que la mondialisation”? In: 10 questions sur la mondialisation, Spécial Sciences Humaines, nº 180, Mars. Paris. Disponível em: https://www.scienceshumaines.com/qu-est-ce-que-la-mondialisation_fr_15307.html. Acesso em: nov. 2019.

DAVALLON, J. (2015). “A imagem, uma arte de memória”? In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Trad.: José Horta Nunes. 4. Ed, p. 21-30. Campinas, SP: Pontes.

GUIMARÃES, E. (2003). “Enunciação e política de línguas no Brasil”. In: Letras. Espaços de Circulação da Linguagem. nº. 27, p. 47-53. dez. UFSM. Disponível em: file:///C:/Users/estel/Downloads/11897-51763-1-SM.pdf. Acesso em: out. 2020.

LAGAZZI, S. (2010). “Linha de passe: a materialidade significante em análise”. In: RUA [online]. nº 16. Vol. 2. Unicamp. Disponível em:

http://taurus.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/118882/1/ppec_8638825-9021-1-SM.pdf. Acesso em: abr. 2020.

MOTTA, A. L. A. R. da. (2019). “Sujeito, espaço e lixo, no dizer da mundialização”. In: Traços de Linguagem. V.3, n.1, p. 109–124. Unemat. Disponível em:

https://periodicos.unemat.br/index.php/tracos/article/viewFile/4137/3306. Acesso em: nov. 2019.

MOTTA, A. L. A. R. da. (2016). “A ambiência no discurso ecológico no poder local”. In: NUNES, Silvia Regina. [et al.] . (Org.). Sujeito e memória: lugares constitutivos. Campinas, SP: Pontes.

ORLANDI, E. P. (1987). A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 2 ed. Campinas, SP: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2011). “Língua, comunidade e relações sociais no espaço digital”. In: DIAS, Cristiane (Org.). E-urbano: sentidos do espaço urbano/digital. Unicamp. Disponível em: https://www.labeurb.unicamp.br/livroEurbano/pdf/eurbano1.pdf . Acesso em: nov. de 2019.

ORLANDI, E. P. (2012). Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 6. ed. Campinas, SP: Pontes Editores.

ORLANDI, E. P. (2015). Análise de discurso: princípios e procedimentos. 12. ed. Campinas, SP: Pontes Editores.

ORLANDI, E. P. (2015). “Espaços Linguísticos e seus desafios: convergências e divergências”. In: RUA – Revista do NUDECRI, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 6–18. DOI: 10.20396/rua.v18i2.8638282. Unicamp. Disponível em:

https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/863. Acesso em: jun. 2019.

PÊCHEUX, M. (2012). O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad.: Eni P. Orlandi. 6. ed. Campinas, SP: Pontes.

PÊCHEUX, M.. (2014a). “Ler o arquivo hoje”. In: ORLANDI, Eni. [et al.]. (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso. 4. ed. Campinas, SP. UNICAMP.

PÊCHEUX, M. (2014b). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad.: Eni Puccinelli Orlandi. [et al.]. 5. ed. Campinas, SP: UNICAMP.

PÊCHEUX, M. . (2014c). “Análise Automática do Discurso (AAD-69)”. In: GADET, Françoise; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad.: Bethânia S. Mariani. [et al.]. 5. ed. Campinas: Ed. Unicamp, p. 59-158.

PÊCHEUX, M. (2015). Análise de discurso. Michel Pêcheux. Textos selecionados por Eni P. Orlandi. Campinas, SP: Pontes.

PÊCHEUX, M.; HENRY, P. (2014). “Os fundamentos teóricos da análise automática do discurso” de Michel Pêcheux (1969)”. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad.: Bethânia S. Mariani [et al.]. 5. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2014c, p. 11-38.

PEREIRA, R. C. (2011). “Processos de identificação e alteridade pela propaganda brasileira”. In: Fragmentum, N. 29, parte II. Laboratório Corpus: UFSM, Abr./Jun. Disponível em: file:///C:/Users/estel/Downloads/11180-49341-1-PB.pdf. Acesso em: nov. 2019.

RAJAGOPALAN, K. (2004). “Línguas Nacionais como Bandeiras Patrióticas, ou a Linguística que nos deixou nas mãos: observando mais de perto o chauvinismo linguístico no Brasil”. Trad.: Fábio Lopes da Silva. In: SILVA, F. L. e RAJAGOPALAN, K. (Org.). A linguística que nos faz falhar: investigação crítica. São Paulo, SP: Parábola Editorial.

SOUZA, T. C. (2001). “A análise do não verbal e os usos da imagem nos meios de comunicação”. In: RUA – Revista do NUDECRI, Campinas, SP. N.07, março. Unicamp.

SOUZA, T. C. (2012). “O papel da imagem na constituição da memória”. In: SILVA, Telma Domingues da. [et al.]. (Org.). Imagens na comunicação e discurso. São Paulo: Annablume, Belo Horizonte: Fapemig.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

FURRER, E. S.; MOTTA, A. L. A. R. da. O efeito imaginário da língua inglesa nas propagandas de escolas de idiomas. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 47, p. 59–90, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i47.8663661. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8663661. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigo