Banner Portal
Quando as línguas não fazem fronteira
PDF

Palavras-chave

Fronteira
Subjetividades
Línguas

Como Citar

CELADA, María Teresa. Quando as línguas não fazem fronteira. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 48, p. 151–176, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i48.8666232. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8666232. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

A partir de inquietações produzidas pela existência do que considero que é uma fronteira entre Brasil e América Latina, focalizarei como são significados os vários aspectos do funcionamento da fronteira nos dizeres de sujeitos que habitam e transitam a divisa geográfica e política traçada entre Brasil e os países de Uruguai, Argentina, Paraguai e Bolívia. Um aspecto crucial, embora não exclusivo, consistirá em observar a constituição de subjetividades específicas e qual tipo de relação essas travam com as línguas.

https://doi.org/10.20396/lil.v24i48.8666232
PDF

Referências

BHABHA, H. K. O local da cultura. Trad.: Myriam Ávila, Eliana L. de Lima Reis e Gláucia R. Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, (2ª reimpr.). 2003.

CAMBLONG, A. M. “Habitar la frontera” In: deSignis, n. 13, enero-junio, p.125-133, 2009.

CELADA, M. T. O espanhol para o brasileiro. Uma língua singularmente estrangeira. Tese. Doutorado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2002.

CELADA, M. T. Fronteras discursivas. Desencuentro de sentidos y alteridad. In: Páginas de guarda, 6, primaveira, p. 40-56, 2008.

CELADA, M. T.; PAYER, M. O. “Sobre sujeitos, língua(s), ensino. Notas para uma agenda”. In: Subjetivação e processos de identificação. Sujeitos e línguas em práticas discursivas – inflexões no ensino. Campinas: Pontes, p.17- 41, 2016.

CELADA, M. T.; PAYER . “Entremeio I”, “Entremeio II”, “Entremeio III”. In: Vídeoverbete en ENCIDIS (Enciclopédia Virtual de Análise do Discurso). Niterói: Laboratório de Arquivos do Sujeito – UFF, 2017.

COURTINE, J-J. ([1980] 2009) Análise do discurso político. O discurso comunista endereçado aos cristãos. Trad.: Carlos Piovezani, Vanice Sargentini et alii. São Carlos: EdUFSCar.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. Trad.: José Vázquez. Valencia: Pre-textos, 1980.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad.: Luiz F. Baeta Neves. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 7ª ed., (3ª reimpr.)., 2008.

Dicionário compartilhado de Língua de Fronteira. Programa das Escolas Interculturais de Fronteira – PEI, coordenado pelo grupo PET-Letras das UFSM. Itaqui: Edição Otávio Silveira, 2014.

Dicionário compartilhado de Língua de Fronteira. Programa das Escolas Interculturais de Fronteira – PEI, coordenado pelo grupo PET-Letras das UFSM. Itaqui: Edição Vicente Solés, 2014.

FERNANDES, T. “Portuñol”. Distribuição: Lança Filmes. Produção: Vulcana Cinema, coprodução: Epifania Filmes, Globo Filmes e GloboNews. 70 minutos, 2020.

GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento. Campinas: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, E. (s/d). Relações de línguas. Enciclopédia das línguas do Brasil. Disponível em:

https://www.labeurb.unicamp.br/elb2/pages/artigos/lerArtigo.lab?id=1. Acesso em: 23 de junho de 2021.

LACAN, J. ([1973] 2008). O seminário, libro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Trad.: M.D. Magno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

ORLANDI, E. “Entremeio e discurso.” In: Interpretação. Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Rio de Janeiro: Vozes, p.23-35, 1996.

ORLANDI, E. Do sujeito na História e no Simbólico. In: ORLANDI, E. Discurso e texto. Formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, p. 99-108, 2001.

PÊCHEUX, M. Remontémonos de Foucault a Spinoza. Trad. por Miguel Rodríguez. In: MONTEFORTE TOLEDO, M. El discurso político. México: UNAM/Nueva imagen, p.181-199, 1980.

PÊCHEUX, M. “Delimitações, Inversões, Deslocamentos.” In: Cadernos de Estudos Linguísticos, n.19. Campinas: Unicamp. p. 7-24, 1990.

PÊCHEUX, M. O discurso. Estrutura ou acontecimento. Trad.: Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes, 1992.

PETRI, V. “Fronteiras moventes, sentidos deslizantes.” In: ORLANDI, E.P., MASSMAN, D. e DOMINGUES, A.S. Linguagens, instituições e práticas sociais. Pouso Alegre: Univas, p.172-188, 2018.

PRADO, M.L. O Brasil e a distante América do sul. Revista de História 145, 127-149, 2001.

RODRIGUES, F.C. Língua viva, letra morta. Obrigatoriedade e ensino de espanhol no arquivo jurídico e legislativo brasileiro. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 2012.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. Discurso e cidade: a linguagem e a construção da “evidência do mundo”. In: RODRIGUES, E.A., SANTOS, G.L. de (Orgs.). Análise do discurso no Brasil: Pensando o impensado sempre. Uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas, RG Editora, p.243-258, 2011.

SCHWARTZ, J. Abaixo Tordesilhas! Estudos Avançados, São Paulo, n. 7 (17), 185-200, 1993.

STURZA, E. R. “No Tempo e no Espaço: Mapeando as Línguas de Fronteira” In: Congresso Internacional de Professores de Línguas Oficiais do MERCOSUL; I Encontro Internacional de Associações de Professores de Línguas Oficiais do MERCOSUL Línguas, sistemas escolares e integração regional. Foz do Iguaçu, p.1-7, 2010.

TATIÁN, D. “La invención y la herencia. Notas liminares para una universidad abierta.” In: Caracol, n. 16, p.66-84, julho-dezembro, 2018.

ZOPPI-FONTANA, M.; CELADA, M.T. “Sujetos desplazados, lenguas en movimiento: identificación y resistencia en procesos de integración regional.” In: Signo & Seña, núm. 20, p. 159-180, 2009.

Documentário

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Línguas e Instrumentos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.