Banner Portal
A cidade, os imigrantes e o silêncio
PDF

Palavras-chave

Discurso
Cidade
Silêncio
Imigrantes
Fronteiras

Como Citar

RENZO, Ana Maria Di. A cidade, os imigrantes e o silêncio. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. esp, p. 274–290, 2022. DOI: 10.20396/lil.v25iesp.8671413. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8671413. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

Este artigo versará sobre, em uma primeira consideração, a relação da cidade de Cuiabá/MT com os imigrantes, especialmente, haitianos e venezuelanos decorrente de catástrofes ambientais- o terremoto, e sócio-políticas-econômicas- crise política. Para tanto, tomarei o conceito de cidade e de silêncio tal como nos ensinou Orlandi em várias de suas obras, em especial, no livro “As formas do silêncio”, de 1992, vencedor do prêmio Jabuti. Ressalta-se que esta obra é parte de um volumoso trabalho da autora na consolidação da Análise de Discurso de linha materialista que se sustenta no entremeio de três grandes regiões do sentido: a linguística, a psicanálise e o materialismo histórico.  Ao trazer à luz esta relação, o fazemos também considerando os estudos de Payer (1992) e do NEPO-Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó”, da Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP. A complexidade e heterogeneidade desses processos envolvem reflexões muito mais profundas sobre as migrações venezuelanas no Sul global, em especial, na fronteira norte, em particular, em estados como o de Mato Grosso, após a travessia para Roraima. Pretendemos dar visibilidade à forma como nos espaços citadinos de Cuiabá os imigrantes são significados e como esse processo passa a constituir a relação com o estrangeiro, o apatriado, o refugiado, enfim, na imensa gama de adjetivação que passam a qualificar essa convivência

https://doi.org/10.20396/lil.v25iesp.8671413
PDF

Referências

ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Venezuela situation. Responding to the needs of the people displaced from Venezuela. Supplementary Appeal, jan-dez.,2018.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. 1ª ed. São Paulo. Boitempo. 2018.

ASSEMBLEIA GERAL DA ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: https://www.un.org/en/universal declaration humanrights/rights/. Acesso em 10 nov. 2018.

BAUMAN, Z. Globalização: consequências humanas, (trad. Marcus Penchel, p.69) Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999. p.65. In: A globalização e o estado-nação: rumo a pôs-modernidade e ao estado cosmopolita? Revista de Direito, UFPR, v. 41, n. 0.2004: Hartmann, Érica de Oliveira e Borge,e Guilherme Roman.

BOECHAT, Cassio. de A. Mobilidade do trabalho no Brasil: A recepção da obra de Jean-Paul de Gaudemar e uma perspectiva crítica para os estudos migratórios. In: Anais do XVI Simpurb, Vitória: UFES, 2019, pp. 1197-1216.

CASTLES, Stefphen. Comprendiendo la migración global. Revista de Relaciones Internacionales, Madri, n. 14, p. 141-169, 2010.IN: Espaço Aberto, PPGG - UFRJ, Rio de Janeiro, V. 10, N.1, p. 51-67, 2020.

Celada. María Teresa; Payer, Maria Onice. “Sobre sujeitos, língua (s), ensino. Notas para uma agenda”. In: Celada. María Teresa; Payer, Maria Onice (Orgs.) Subjetivação e processos de identificação - Sujeitos e línguas em práticas discursivas - inflexões no ensino. Campinas, SP: Pontes, 2016, 17-41.

Rancière, Jaques. O desentendimento. Política e filosofia. Trad. Ângela Leite Lopes. 1996.

Niñoi, Edgar Andrés Londoño. Migração, Cidades e Fronteiras: a Migração Venezuelana nas Cidades Fronteiriças do Brasil e da Colômbia. In: Espaço Aberto, PPGG - UFRJ, Rio de Janeiro, V. 10, N.1, p. 51-67, 2020.

ORLANDI, Eni. (Org.). Cidade Atravessada: os sentidos públicos no espaço urbano. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni. As Formas do silêncio. (Prêmio Jabuti 1993). 6a. ed. Campinas-SP: Editora da Unicamp. 2007.

PAYER, Maria Onice. Memória da Língua. Imigração e nacionalidade. São Paulo, Ed. Escuta, 2006.

PAYER, Maria Onice Processos de identificação e memória da imigração em mídia jornalística. Anais do SILEL. Volume 1. Uberlândia: EDUFU, 2009.

Pêcheux, Michael. O Discurso. Estrutura ou Acontecimento? Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Ed. Pontes.1990.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática,1993. 269. 2018 .

CLAUD, Raffestin: Territorio, frontera, poder Barcelona: Icaria editorial, 2018, 304 p.

RODRIGUES, Franciele. Migração transfronteiriça na Venezuela. Estudos Avançados, São Paulo, n. 57, p.197-207, 2006.

RIZENTAL, Sabrina Sant’anna. Refugiados: Tensões Em Um Imaginário De Acolhimento. Niterói, RJ. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense. 2017.

RORAIMA (estado). Procuradoria Geral do Estado. Ação Civil Originária de 12 de abril de 2018. Acessado em: www.stf.br/portal/processo, ver 5437155. Acessado em: setembro de 2022. UNHCH, 2018c.

SPINDLER, William. Response stepped up in Brazil as Venezuelan arrivals grow. UNHCR. 06/04/2018. Disponível em: http://www.unhcr.org/news/briefing/2018/4/5ac72f194/response-stepped-brazil-venezuelan-arrivals-grow.html#[1], Acessado em: setembro 2022.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.