A cidade, os imigrantes e o silêncio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v26inesp.8671413

Palavras-chave:

Discurso, Cidade, Silêncio, Imigrantes, Fronteiras

Resumo

Este artigo versará sobre, em uma primeira consideração, a relação da cidade de Cuiabá/MT com os imigrantes, especialmente, haitianos e venezuelanos decorrente de catástrofes ambientais- o terremoto, e sócio-políticas-econômicas- crise política. Para tanto, tomarei o conceito de cidade e de silêncio tal como nos ensinou Orlandi em várias de suas obras, em especial, no livro “As formas do silêncio”, de 1992, vencedor do prêmio Jabuti. Ressalta-se que esta obra é parte de um volumoso trabalho da autora na consolidação da Análise de Discurso de linha materialista que se sustenta no entremeio de três grandes regiões do sentido: a linguística, a psicanálise e o materialismo histórico.  Ao trazer à luz esta relação, o fazemos também considerando os estudos de Payer (1992) e do NEPO-Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó”, da Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP. A complexidade e heterogeneidade desses processos envolvem reflexões muito mais profundas sobre as migrações venezuelanas no Sul global, em especial, na fronteira norte, em particular, em estados como o de Mato Grosso, após a travessia para Roraima. Pretendemos dar visibilidade à forma como nos espaços citadinos de Cuiabá os imigrantes são significados e como esse processo passa a constituir a relação com o estrangeiro, o apatriado, o refugiado, enfim, na imensa gama de adjetivação que passam a qualificar essa convivência

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Di Renzo, UNEMAT

Possui graduação em Letras pela Universidade Paranaense (1985), mestrado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2000), doutorado em Lingüística na Universidade Estadual de Campinas (2005), com a participação no doutorado sanduíche em Lyon-França na ÈCOLE NORMALE SUPÉRIEURE LETTRES & SCIENCIES HUMAINES (2003). Atualmente exerce as funções de professora colaboradora no Programa de Mestrado e Doutorado acadêmicos em Linguística e no Profletras, campus Universitário de Cáceres/MT da UNEMAT; de vice-presidente do Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso-CEE/MT e presidente da Câmara de Educação Profissional e Ensino Superior do CEE/MT e Diretora Acadêmica da União das Faculdades Católicas de Mato Grosso-UNIFACC.

Referências

ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Venezuela situation. Responding to the needs of the people displaced from Venezuela. Supplementary Appeal, jan-dez.,2018.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. 1ª ed. São Paulo. Boitempo. 2018.

ASSEMBLEIA GERAL DA ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: < https://www.un.org/en/universal declaration humanrights/rights/>. Acesso em 10 nov. 2018.

BAUMAN, Z. Globalização: consequências humanas, (trad. Marcus Penchel, p.69) Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999. p.65. In: A globalização e o estado-nação: rumo a pôs-modernidade e ao estado cosmopolita? Revista de Direito, UFPR, v. 41, n. 0.2004: Hartmann, Érica de Oliveira e Borge,e Guilherme Roman.

BOECHAT, Cassio. de A. Mobilidade do trabalho no Brasil: A recepção da obra de Jean-Paul de Gaudemar e uma perspectiva crítica para os estudos migratórios. In: Anais do XVI Simpurb, Vitória: UFES, 2019, pp. 1197-1216.

CASTLES, Stefphen. Comprendiendo la migración global. Revista de Relaciones Internacionales, Madri, n. 14, p. 141-169, 2010.IN: Espaço Aberto, PPGG - UFRJ, Rio de Janeiro, V. 10, N.1, p. 51-67, 2020.

Celada. María Teresa; Payer, Maria Onice. “Sobre sujeitos, língua (s), ensino. Notas para uma agenda”. In: Celada. María Teresa; Payer, Maria Onice (orgs.) Subjetivação e processos de identificação - Sujeitos e línguas em práticas discursivas - inflexões no ensino. Campinas, SP: Pontes, 2016, 17-41.

Rancière, Jaques. O desentendimento. Política e filosofia. Trad. Ângela Leite Lopes. 1996.

Niñoi, Edgar Andrés Londoño. Migração, Cidades e Fronteiras: a Migração Venezuelana nas Cidades Fronteiriças do Brasil e da Colômbia. In: Espaço Aberto, PPGG - UFRJ, Rio de Janeiro, V. 10, N.1, p. 51-67, 2020.

ORLANDI, Eni. (Org.). Cidade Atravessada: os sentidos públicos no espaço urbano. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni. As Formas do silêncio. (Prêmio Jabuti 1993). 6a. ed. Campinas-SP: Editora da Unicamp. 2007.

PAYER, Maria Onice. Memória da Língua. Imigração e nacionalidade. São Paulo, Ed. Escuta, 2006.

PAYER, Maria Onice Processos de identificação e memória da imigração em mídia jornalística. Anais do SILEL. Volume 1. Uberlândia: EDUFU, 2009.

Pêcheux, Michael. O Discurso. Estrutura ou Acontecimento? Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Ed. Pontes.1990.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática,1993. 269. 2018 .

CLAUD, Raffestin: Territorio, frontera, poder Barcelona: Icaria editorial, 2018, 304 p.

RODRIGUES, Franciele. Migração transfronteiriça na Venezuela. Estudos Avançados, São Paulo, n. 57, p.197-207, 2006.

RIZENTAL, Sabrina Sant’anna. Refugiados: Tensões Em Um Imaginário De Acolhimento. Niterói, RJ. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense. 2017.

RORAIMA (estado). Procuradoria Geral do Estado. Ação Civil Originária de 12 de abril de 2018. Acessado em www.stf.br/portal/processo, ver 5437155, acessado em setembro de 2022. UNHCH, 2018c.

SPINDLER, William. Response stepped up in Brazil as Venezuelan arrivals grow. UNHCR. 06/04/2018. Disponível em: <http://www.unhcr.org/news/briefing/2018/4/5ac72f194/response-stepped-brazil-venezuelan-arrivals-grow.html#[1]>, acessado em setembro 2022.

Downloads

Publicado

2022-11-23

Como Citar

RENZO, A. M. D. A cidade, os imigrantes e o silêncio. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. n.esp, p. 274–290, 2022. DOI: 10.20396/lil.v26inesp.8671413. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8671413. Acesso em: 30 nov. 2022.