Da trama ao ato: por uma dramaturgia do ator

Juliana Nascimento, Hebe Alves da Silva

Resumo


Este trabalho propõe uma abordagem crítica da noção de dramaturgia do ator, sua origem na teatrologia ocidental, seus signi- cados e usos correntes, tendo como ponto de partida as reexões de Eugenio Barba. Para tanto, propõe-se inicialmente uma reexão sobre a noção de dramaturgia e sobre as modicações de sentido e de utilização que o termo sofreu a partir do século XX, em sua interação com as transformações desencadeadas pelos encenadores.


Palavras-chave


Dramaturgia. Dramaturgia do ator. Ator criador.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Hebe. Desafos do encenador: entre atores de personagens. In: MENDES, Cleise (org.). Dramaturgia, ainda: reconfgurações e rasuras. Salvador: EDUFBA, 2011. p.109-121.

BARBA, E.; SAVARESE, N. A Arte Secreta do Ator – Dicionário de Antropologia Teatral. Campinas: Ed. Hucitec e Ed. Da Unicamp, 1995.

BARBA, E. A canoa de papel: tratado de antropologia teatral. Brasília: Teatro caleidoscópio, 2009.

BARBA, E. Queimar a Casa – Origens de um diretor. São Paulo: Perspectiva, 2010.

BONFITTO, Matteo. O ator compositor – as ações físicas como eixo: de Stanislavski a Barba. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BONFITTO, Matteo. Tecendo os sentidos: a dramaturgia como textura. Pitágoras 500, Revistas de Estudos teatrais, Departamento de Artes Cênicas, Instituto de Artes (UNICAMP), Campinas, vol.1, outubro, 2011. Disponível em: http://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/pit500/article/view/17 Acesso em: 27/11/2013.

BRECHT, Bertolt. A nova técnica da arte de representar. In: Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

BURNIER, L. O. A arte de ator – da técnica à representação. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2001.

CONCÍLIO, Vicente. “Sete vezes Sr. Schimitt”: o modelo de ação e o jogo da encenação com a peça didática de Betold Brecht. Urdimento, Revista de Estudos em Artes Cênicas, Programa de Pós-Graduação em Teatro, UDESC, Florianópolis, nͦ 17, setembro de 2011. Disponível em: http://www.ceart.udesc.br/ppgt/urdimento/2011/index_17.html Acesso em: 20/10/2013.

GROTOWSKI, Jerzy. Sobre o método das ações físicas - Palestra. In: Festival de Teatro de Santo Arcangelo, 1988, Itália. Disponível em: www.grupotempo.com.br/tex_grot.html Acesso em: 15.11.2012.

GROTOWSKI, Jerzy. O teatro laboratório de Jerzy Grotowski (1959 – 1969). Textos e materiais de Jerzy Grotowski e Ludwik Flaszen com um escrito de Eugenio Barba. Curadoria de Ludwik Flaszen e Carla Pollastrelli, com a colaboração de Renata Molinari. São Paulo: Perspectiva; Pontedera, IT: Fodazione Pontedera de Teatro, 2007.

LIMA, Wlad. Dramaturgia Pessoal do Ator. Belém: Grupo Cuíra, 2005.

MARINIS, de Marco. A direção e sua superação no teatro do século XX. Conferência: A Formação do Diretor e a Ruptura dos Limites do Teatro Contemporâneo, ECUM – Encontro Mundial de Artes Cênicas, centro de Cultura Nansen Araújo, Sesiminas, 25 de maio a 08 de junho de 1998, Belo Horizonte. Disponível em: http://ecum10anos.com.br/wp-content/uploads/2012/10/Marco-de-Marinis.pdf Acesso em: 28/11/2013.

STANISLAVSKI, C. A criação de um papel. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1972.

UBERSFELD, Anne. Para ler teatro. São Paulo: Perspectiva, 2005.




DOI: https://doi.org/10.20396/pita.v5i1.8641809

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Pitágoras 500

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Pitágoras 500, Campinas, SP - ISSN 2237-387X.