Da trama ao ato: por uma dramaturgia do ator

  • Juliana Nascimento Instituto de Arte e Cultura do Ceará
  • Hebe Alves da Silva Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Dramaturgia. Dramaturgia do ator. Ator criador.

Resumo

Este trabalho propõe uma abordagem crítica da noção de dramaturgia do ator, sua origem na teatrologia ocidental, seus signi- cados e usos correntes, tendo como ponto de partida as reexões de Eugenio Barba. Para tanto, propõe-se inicialmente uma reexão sobre a noção de dramaturgia e sobre as modicações de sentido e de utilização que o termo sofreu a partir do século XX, em sua interação com as transformações desencadeadas pelos encenadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Nascimento, Instituto de Arte e Cultura do Ceará

Coordenadora do Laboratório de Pesquisa Teatral da Escola Porto Iracema das Artes, do Instituto de Arte e Cultura do Ceará (IACC)

Hebe Alves da Silva, Universidade Federal da Bahia
Professora Adjunta da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFBA. Chefe do Departamento de Fundamentos da Escola de Teatro da UFBA (2015-2016).

Referências

ALVES, Hebe. Desafos do encenador: entre atores de personagens. In: MENDES, Cleise (org.). Dramaturgia, ainda: reconfgurações e rasuras. Salvador: EDUFBA, 2011. p.109-121.

BARBA, E.; SAVARESE, N. A Arte Secreta do Ator – Dicionário de Antropologia Teatral. Campinas: Ed. Hucitec e Ed. Da Unicamp, 1995.

BARBA, E. A canoa de papel: tratado de antropologia teatral. Brasília: Teatro caleidoscópio, 2009.

BARBA, E. Queimar a Casa – Origens de um diretor. São Paulo: Perspectiva, 2010.

BONFITTO, Matteo. O ator compositor – as ações físicas como eixo: de Stanislavski a Barba. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BONFITTO, Matteo. Tecendo os sentidos: a dramaturgia como textura. Pitágoras 500, Revistas de Estudos teatrais, Departamento de Artes Cênicas, Instituto de Artes (UNICAMP), Campinas, vol.1, outubro, 2011. Disponível em: http://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/pit500/article/view/17 Acesso em: 27/11/2013.

BRECHT, Bertolt. A nova técnica da arte de representar. In: Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

BURNIER, L. O. A arte de ator – da técnica à representação. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2001.

CONCÍLIO, Vicente. “Sete vezes Sr. Schimitt”: o modelo de ação e o jogo da encenação com a peça didática de Betold Brecht. Urdimento, Revista de Estudos em Artes Cênicas, Programa de Pós-Graduação em Teatro, UDESC, Florianópolis, nͦ 17, setembro de 2011. Disponível em: http://www.ceart.udesc.br/ppgt/urdimento/2011/index_17.html Acesso em: 20/10/2013.

GROTOWSKI, Jerzy. Sobre o método das ações físicas - Palestra. In: Festival de Teatro de Santo Arcangelo, 1988, Itália. Disponível em: www.grupotempo.com.br/tex_grot.html Acesso em: 15.11.2012.

GROTOWSKI, Jerzy. O teatro laboratório de Jerzy Grotowski (1959 – 1969). Textos e materiais de Jerzy Grotowski e Ludwik Flaszen com um escrito de Eugenio Barba. Curadoria de Ludwik Flaszen e Carla Pollastrelli, com a colaboração de Renata Molinari. São Paulo: Perspectiva; Pontedera, IT: Fodazione Pontedera de Teatro, 2007.

LIMA, Wlad. Dramaturgia Pessoal do Ator. Belém: Grupo Cuíra, 2005.

MARINIS, de Marco. A direção e sua superação no teatro do século XX. Conferência: A Formação do Diretor e a Ruptura dos Limites do Teatro Contemporâneo, ECUM – Encontro Mundial de Artes Cênicas, centro de Cultura Nansen Araújo, Sesiminas, 25 de maio a 08 de junho de 1998, Belo Horizonte. Disponível em: http://ecum10anos.com.br/wp-content/uploads/2012/10/Marco-de-Marinis.pdf Acesso em: 28/11/2013.

STANISLAVSKI, C. A criação de um papel. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1972.

UBERSFELD, Anne. Para ler teatro. São Paulo: Perspectiva, 2005.

Publicado
2015-12-31
Como Citar
Nascimento, J., & Silva, H. A. da. (2015). Da trama ao ato: por uma dramaturgia do ator. Pitágoras 500, 5(1), 111-134. https://doi.org/10.20396/pita.v5i1.8641809
Seção
Dossiê Dramaturgias Diversas