As estruturas do racismo no campo teatral

contribuições para pensar a branquitude e a naturalização do perfil branco na construção de personagens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/pita.v10i1.8658730

Palavras-chave:

Racismo estrutural, Branquitude, Teatro negro

Resumo

O presente artigo trata de dois conceitos, racismo estrutural e branquitude, e a partir disto, traça um debate sobre a representação e os significados do signo negro na dramaturgia. O objetivo é trazer para a área do teatro, conceitos teóricos que podem contribuir para uma visão crítica da reprodução de estereótipos no contexto teatral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julianna Rosa de Souza, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutora em Teatro com pesquisa sobre o tema do teatro negro pela Universidade do Estado de Santa Catarina.

Referências

ALMEIDA, Silvio. O que é racismo estrutural. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BARROS, José D’Assunção. A construção social da cor: diferença e desigualdade na formação da sociedade brasileira. Petrópolis: Vozes, 2012.

DALCASTAGNÉ, Regina. Um mapa de ausências. In: DALCASTAGNÉ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte; Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Como trabalhar com "raça" em sociologia. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 93-107, jan./jun. 2003.

LIMA, Evani Tavares. Por uma história negra do teatro brasileiro. Revista Urdimento, Florianópolis, v. 1, n. 24, p. 92-104, jul. 2015.

MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. 6 ed. São Paulo: Global, 2004.

MENDES, Miriam Garcia. A personagem negra no teatro brasileiro. São Paulo: Editora Ática, 1982.

MENDES, Miriam Garcia. O negro e o teatro brasileiro (entre 1889 e 1982). São Paulo: Huitec; Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Arte e Cultura; Brasília: Fundação Cultural Palmares, 1993.

PAES, Thuanny Bruno Rodrigues. Teatro é coisa de preto e preta sim! O surgimento do teatro negro do Coletivo Nega em Florianópolis, Santa Catarina. 2017. 75 f. Trabalho de conclusão de curso de Licenciatura em Teatro - Departamento de Artes Cênicas, Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. 2012. 160 f. Tese (Doutorado em ) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Ver o racismo como problemas nos negros é um privilégio branco. Entrevista concedida ao The Intercept Brasil. 12 jan. 2018. Disponível em: https://theintercept.com/2018/01/12/ver-o-racismo-como-um-problema-dos-negros-e-um-privilegio-dos-brancos/. Acesso em: 17 mar. 2020.

SILVA, Fernanda Rachel da. O beijo e o tapa: manifesto e interseccionalidade no teatro negro do Coletivo Nega. Em processo de homologação. Dissertação (Mestrado em artes) - Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

SOUZA, Julianna Rosa de. Personagem negra: uma reflexão crítica sobre os padrões raciais na produção dramatúrgica brasileira. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 274-295, mai./ago. 2017.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

Downloads

Publicado

2020-07-30

Como Citar

SOUZA, J. R. de . As estruturas do racismo no campo teatral: contribuições para pensar a branquitude e a naturalização do perfil branco na construção de personagens. Pitágoras 500, Campinas, SP, v. 10, n. 1, p. 67–80, 2020. DOI: 10.20396/pita.v10i1.8658730. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/pit500/article/view/8658730. Acesso em: 18 ago. 2022.