Banner Portal
Arqueologia da repressão e da resistência e suas contribuições na construção de memórias
PDF

Palavras-chave

Arqueologia da repressão e resistência. Memórias materiais. Memórias coletivas

Como Citar

BARETTA, Jocyane Ricelly. Arqueologia da repressão e da resistência e suas contribuições na construção de memórias. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 8, n. 2[10], p. 76–89, 2015. DOI: 10.20396/rap.v8i2.8635640. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635640. Acesso em: 29 maio. 2024.

Resumo

A temática a ser abordada neste trabalho está inserida no campo da Arqueologia da Repressão e da Resistência e a sua relação com a construção de memórias materiais e de memórias coletivas. Estas são memórias advindas de situações traumáticas geradas nos regimes de governo militar, entre os anos 1960 e 1980 - na América Latina, em especial no Brasil. A intenção é elaborar reflexões sobre as maneiras como são construídas memórias coletivas e materiais, de modo que estas não se tornem meras lembranças de fatos ocorridos e congelados no passado.

https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635640
PDF

Referências

ARFUCH, Leonor. Memoria y autobiografia: exploraciones em los limites. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2013.

ARTIÈRES, Phillipe. “Arquivar a própria vida”. In: Estudos Históricos No 21: Arquivos Pessoais. Rio de Janeiro: CPDOC: FGV, 1998. Disponível em: http://www.cpdoc.fgv.br/revista/asp/dsp_edicao.asp?cd_edi=39. Visitado em 10/11/2013.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

BUCHLI, V.; LUCAS, G. Archaeologies of the Contemporary Past. Londres e Nova York: Routledge, 2001.

CALVEIRO, Pilar. Poder e desaparecimento: os campos de concentração na Argentina. São Paulo: Boitempo, 2013.

CEIA, Eleanora M. A Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos e o desenvolvimento da proteção dos Direitos Humanos no Brasil. R. EMERJ, Rio de Janeiro, v. 16, n. 61, p. 113-152, jan.-fev.-mar. 2013.

EAAF – Equipe Argentina Antropologia Forense. Disponível em: http://eaaf.typepad.com/ Visitado em Novembro de 2013.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos. vol. III. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FUNARI, Pedro. P. A. Arquelogia. São Paulo: Ática, 1988.

FUNARI, Pedro. P. A. “Os historiadores e a cultura material”. In: PINSKY, C.B. (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

FUNARI, Pedro. P. A; ZARANKIN, Andrés; REIS, José A. Arqueologia da Repressão e da Resistência: América Latina na era das ditaduras (1960-1980). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2008.

FUNARI, Pedro P. A. & ZARANKIN, Andrés. “Brilho eterno de uma mente sem lembranças: Arqueologia e construção da memória da repressão militar na América do Sul (1960-1980)”. IN: Arqueologia Direito e Democracia. Erechim: Habilis, 2009.

FUNARI, Pedro P. A. et all. Arqueologia Direito e Democracia. Erechim: Habilis, 2009.

GONZÁLES-RUIBAL, Alfredo. “Hacia otra arqueologia: diez propuestas”. In: Complutum: Instituto de ciências del patrimônio (INCIPIT). Consejo Superior de Investigaciones científicas. Santiago de Compostela: v. 23, n. 2, 2012.

GONZÁLES-RUIBAL, Alfredo. “Time to destroy an archaeology of supermodernity”. In: Current Anthropology. v. 49, n. 2, Abr/2008.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HARRISON, R. & SCHOFIELD, J. “Archaeo-Ethnography, Auto-Archaeology: Introducing Archaeologies of the Contemporary Past”. Archeologies: Journal of the World Archaeological Congress. [...] v. 5, n. 2, Ago/2009.

HODDER, Ian. (Ed.). Archaeologycal Theory Today. Cambridge: Polity Press, 2001.

JELIN, Elisabeth. Los trabajos de la memoria Colección Memorias de La Represión. Buenos Aires: Siglo XXI, 2002.

JELIN, Elisabeth. & Catela, Ludmila da Silva. Los archivos de la represión: documentos, memoria y verdad. Colección Memorias de La Represión. Buenos Aires: Siglo XXI, 2002.

JELIN, Elisabeth & KAUFMAN, Susana G. Subjetividad y figuras de la memoria. Colección Memorias de La Represión. Buenos Aires: Siglo XXI, 2006.

LECHNER, Norbert.; & Güell, Pedro. “Construcción social de las memorias em latransición chilena”. IN: Subjetividad y figuras de la memoria. Jelin & Kaufman (comps.). Buenos Aires: Siglo XXI, 2006.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas – SP: Editora Unicamp, 2003.

MOSHENSKA, G. “Ethics and ethical critique in the Archaeology of Modern Conflict”. In: Norwegian Archaeological Review, [S.L.] v. 41, no 2. 2008.

MOSHENSKA, G. “Working with Memory in the Archaeology of Modern Conflict”. In: Cambridge Archaeological Journal, Cambridge, 20:1, pp. 33-48. 2009.

MOSHENSKA, Gabriel. “Gas masks: material culture, memory, and the senses”. JRAI – Journal of the Royal Anthropological Institute (N.S) 16, 609-628 Royal Anthropological Institute, 2010.

RAGO, Margareth. “Memórias da Clandestinidade: Criméia Alice de Almeida Schimidt e a Guerrilha do Araguaia”. IN: Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres, 2010.

ROSA, Susel O. Flávia Schilling e a escrita de si como dispositivo de resistência. Jan/dez 2009. Disponível em: http://www.tanianavarroswain.com.br/labrys/labrys15/ditadura/susel2.htm Visitado em outubro de 2013.

SALERNO, Melisa. “A construção da categoria ‘Subversivo’ e os processos de remodelação de subjetividades através do corpo e do vestido” (Argentina, 1976-1983). IN: Arqueologia Direito e Democracia. Erechim: Habilis, 2009.

SANTOS, Myrian S. Memória coletiva e teoria social. São Paulo: Annablume, 2º edição, 2012.

SAPRIZA, Gabriela. Cuerpos bajo sospecha: Un relato de ladictaduraen Uruguay desde la memoria de lasmujeres. Jan/dez 2009. Disponível em: http://www.tanianavarroswain.com.br/labrys/labrys15/ditadura/graziela.htm Visitado em outubro de 2013.

SUÁREZ, Carlos M. GT72- Patrimonio, arqueologías contemporáneas y politización: debates en torno a estrategias de intervención en la esfera pública. XI Congreso Argentino de Antropología Social, publicado em março de 2014. Disponível em: http://www.11caas.org/grupos-de-trabajo/gt72-patrimonio-arqueologias-contemporaneas-politizacion-debates-en-torno-a-estrategias-de-intervencion-en-la-esfera-publica/ Visitado em 11/06/14.

ZARANKIN, Andrés; NIRO, Cláudio. “A materialização do sadismo: arqueologia da arquitetura dos Centros Clandestinos de Detenção da ditadura militar argentina (1976-83)”. IN: Arqueologia da Repressão e da Resistência: América Latina na era das ditaduras (1960-1980). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2008.

Revista Arqueologia Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.