Arqueologia da repressão e da resistência e suas contribuições na construção de memórias

Autores

  • Jocyane Ricelly Baretta Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635640

Palavras-chave:

Arqueologia da repressão e resistência. Memórias materiais. Memórias coletivas

Resumo

A temática a ser abordada neste trabalho está inserida no campo da Arqueologia da Repressão e da Resistência e a sua relação com a construção de memórias materiais e de memórias coletivas. Estas são memórias advindas de situações traumáticas geradas nos regimes de governo militar, entre os anos 1960 e 1980 - na América Latina, em especial no Brasil. A intenção é elaborar reflexões sobre as maneiras como são construídas memórias coletivas e materiais, de modo que estas não se tornem meras lembranças de fatos ocorridos e congelados no passado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jocyane Ricelly Baretta, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda do Programa de Pós Graduação em História Cultural UNICAMP, bolsista Capes.

Referências

ARFUCH, Leonor. Memoria y autobiografia: exploraciones em los limites. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2013.

ARTIÈRES, Phillipe. “Arquivar a própria vida”. In: Estudos Históricos No 21: Arquivos Pessoais. Rio de Janeiro: CPDOC: FGV, 1998. Disponível em: http://www.cpdoc.fgv.br/revista/asp/dsp_edicao.asp?cd_edi=39. Visitado em 10/11/2013.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

BUCHLI, V.; LUCAS, G. Archaeologies of the Contemporary Past. Londres e Nova York: Routledge, 2001.

CALVEIRO, Pilar. Poder e desaparecimento: os campos de concentração na Argentina. São Paulo: Boitempo, 2013.

CEIA, Eleanora M. A Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos e o desenvolvimento da proteção dos Direitos Humanos no Brasil. R. EMERJ, Rio de Janeiro, v. 16, n. 61, p. 113-152, jan.-fev.-mar. 2013.

EAAF – Equipe Argentina Antropologia Forense. Disponível em: http://eaaf.typepad.com/ Visitado em Novembro de 2013.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos. vol. III. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FUNARI, Pedro. P. A. Arquelogia. São Paulo: Ática, 1988.

FUNARI, Pedro. P. A. “Os historiadores e a cultura material”. In: PINSKY, C.B. (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

FUNARI, Pedro. P. A; ZARANKIN, Andrés; REIS, José A. Arqueologia da Repressão e da Resistência: América Latina na era das ditaduras (1960-1980). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2008.

FUNARI, Pedro P. A. & ZARANKIN, Andrés. “Brilho eterno de uma mente sem lembranças: Arqueologia e construção da memória da repressão militar na América do Sul (1960-1980)”. IN: Arqueologia Direito e Democracia. Erechim: Habilis, 2009.

FUNARI, Pedro P. A. et all. Arqueologia Direito e Democracia. Erechim: Habilis, 2009.

GONZÁLES-RUIBAL, Alfredo. “Hacia otra arqueologia: diez propuestas”. In: Complutum: Instituto de ciências del patrimônio (INCIPIT). Consejo Superior de Investigaciones científicas. Santiago de Compostela: v. 23, n. 2, 2012.

GONZÁLES-RUIBAL, Alfredo. “Time to destroy an archaeology of supermodernity”. In: Current Anthropology. v. 49, n. 2, Abr/2008.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HARRISON, R. & SCHOFIELD, J. “Archaeo-Ethnography, Auto-Archaeology: Introducing Archaeologies of the Contemporary Past”. Archeologies: Journal of the World Archaeological Congress. [...] v. 5, n. 2, Ago/2009.

HODDER, Ian. (Ed.). Archaeologycal Theory Today. Cambridge: Polity Press, 2001.

JELIN, Elisabeth. Los trabajos de la memoria Colección Memorias de La Represión. Buenos Aires: Siglo XXI, 2002.

JELIN, Elisabeth. & Catela, Ludmila da Silva. Los archivos de la represión: documentos, memoria y verdad. Colección Memorias de La Represión. Buenos Aires: Siglo XXI, 2002.

JELIN, Elisabeth & KAUFMAN, Susana G. Subjetividad y figuras de la memoria. Colección Memorias de La Represión. Buenos Aires: Siglo XXI, 2006.

LECHNER, Norbert.; & Güell, Pedro. “Construcción social de las memorias em latransición chilena”. IN: Subjetividad y figuras de la memoria. Jelin & Kaufman (comps.). Buenos Aires: Siglo XXI, 2006.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas – SP: Editora Unicamp, 2003.

MOSHENSKA, G. “Ethics and ethical critique in the Archaeology of Modern Conflict”. In: Norwegian Archaeological Review, [S.L.] v. 41, no 2. 2008.

MOSHENSKA, G. “Working with Memory in the Archaeology of Modern Conflict”. In: Cambridge Archaeological Journal, Cambridge, 20:1, pp. 33-48. 2009.

MOSHENSKA, Gabriel. “Gas masks: material culture, memory, and the senses”. JRAI – Journal of the Royal Anthropological Institute (N.S) 16, 609-628 Royal Anthropological Institute, 2010.

RAGO, Margareth. “Memórias da Clandestinidade: Criméia Alice de Almeida Schimidt e a Guerrilha do Araguaia”. IN: Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres, 2010.

ROSA, Susel O. Flávia Schilling e a escrita de si como dispositivo de resistência. Jan/dez 2009. Disponível em: http://www.tanianavarroswain.com.br/labrys/labrys15/ditadura/susel2.htm Visitado em outubro de 2013.

SALERNO, Melisa. “A construção da categoria ‘Subversivo’ e os processos de remodelação de subjetividades através do corpo e do vestido” (Argentina, 1976-1983). IN: Arqueologia Direito e Democracia. Erechim: Habilis, 2009.

SANTOS, Myrian S. Memória coletiva e teoria social. São Paulo: Annablume, 2º edição, 2012.

SAPRIZA, Gabriela. Cuerpos bajo sospecha: Un relato de ladictaduraen Uruguay desde la memoria de lasmujeres. Jan/dez 2009. Disponível em: http://www.tanianavarroswain.com.br/labrys/labrys15/ditadura/graziela.htm Visitado em outubro de 2013.

SUÁREZ, Carlos M. GT72- Patrimonio, arqueologías contemporáneas y politización: debates en torno a estrategias de intervención en la esfera pública. XI Congreso Argentino de Antropología Social, publicado em março de 2014. Disponível em: http://www.11caas.org/grupos-de-trabajo/gt72-patrimonio-arqueologias-contemporaneas-politizacion-debates-en-torno-a-estrategias-de-intervencion-en-la-esfera-publica/ Visitado em 11/06/14.

ZARANKIN, Andrés; NIRO, Cláudio. “A materialização do sadismo: arqueologia da arquitetura dos Centros Clandestinos de Detenção da ditadura militar argentina (1976-83)”. IN: Arqueologia da Repressão e da Resistência: América Latina na era das ditaduras (1960-1980). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2008.

Downloads

Publicado

2015-06-01

Como Citar

BARETTA, J. R. Arqueologia da repressão e da resistência e suas contribuições na construção de memórias. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 8, n. 2[10], p. 76–89, 2015. DOI: 10.20396/rap.v8i2.8635640. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635640. Acesso em: 28 nov. 2021.