Caminhos e descaminhos no atlântico científico: arqueologia e estado novo em contexto lusobrasileiro

Autores

  • Rita Juliana Soares Poloni Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635653

Palavras-chave:

Brasil. Portugal. Estado Novo. Arqueologia. Nacionalismo. Repressão

Resumo

O presente trabalho busca comparar o desenvolvimento das pesquisas arqueológicas em Portugal e no Brasil, durante os governos ditatoriais denominados, nos dois países, por Estado Novo. Procurará perceber os diálogos internos à própria disciplina bem como as relações entre temas de pesquisa, investigadores, discursos oficiais e redes de poder instituídas no período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita Juliana Soares Poloni, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Arqueologia (Portugal - 2012) e mestrado em Teoria e Métodos da Arqueologia (Portugal - 2008), ambos pela Universidade do Algarve. Possui ainda especialização em Antropologia Social e Cultural pela Universidade de Lisboa (Portugal - 2011) e graduação em História (Bacharelato e Licenciatura) pela Universidade Federal do Espírito Santo (2003). Atualmente é pos-doutoranda pela Unicamp com o tema: O Atlântico Ciêntífico: Arqueologia e Estado Novo em contexto luso-brasileiro (1926-1945). 

Referências

BITTENCOUT, J. “Cada coisa em seu lugar. Ensaio de interpretação do discurso de um museu de história”. Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Ser. V 8/9. p.151-174, 2000-2001.

CARDOSO, João Luis. “O Professor Mendes Corrêa e a Arqueologia Portuguesa”. In: Sessão Ordinária de 26 de Janeiro de 2000 dos Anais da Academia Portuguesa da História, III Série, volume 2, 2011.

COSTA, Angyone. Introdução à Arqueologia Brasileira (Etnografia e História). São Paulo: Companhia Editora Nacional. 4o edição, 1980 (1o ed. 1934).

COSTA, Angyone. Archeologia Geral. Civilizações da América Pré-colombiana, Antiguidade Clássica, Civilizações Orientais. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1936.

COSTA, Angyone. Migrações e Cultura Indigena. Ensaios de Arqueologia e Etnologia do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938 (1o ed. 1938).

COSTA, Angyone. Indiologia. Rio de Janeiro: Gráfica Laemmert limitada, 1943a.

COSTA, Angyone. “Observações sôbre a contribuição do índio na nossa formação”. In Cultura Política, ano III, no 27, p. 97-191, maio de 1943b.

CUNHA, O.R. Talento e atitude: estudos biográficos do Museu Emílio Goeldi, I. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, p. 103-121, 1989.

FABIÃO, C. “Um século de Arqueologia em Portugal I”. Almadan, II série, no 8, p. 104-132, 1999.

FABIÃO, C. Uma história da Arqueologia Portuguesa. Lisboa: CTT – Correios de Portugal, 2009.

FERREIRA, L. M. “Ordenar o caos”: Emílio Goeldi na arqueologia amazônica. Bol. Mus. Para. Emilio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 4, n. 1, p. 71-91, Jan-Abr. 2009.

FUNARI, PEDRO P. A. Desaparecimento e emergência dos grupos subordinados na Arqueologia Brasileira. São Paulo: Horizontes Antropológicos, 18, 131-154, 2002.

GUIDI, A. “Nationalism Without a Nation: The Italian Case”. In: DÍAS-ANDREU, M, CHAMPION, T (Orgs.) Nationalism and Archaeology in Europe. Colorado: Westview Press, p. 108-118, 1996.

GOMES, Sérgio Alexandre da R. “As identidades nacionais nos regimes ditatoriais: o caso da romanità na Itália fascista e o reaportuguesamento salazarista”. Revista da Faculdade de Letras Ciências e Técnicas do Património, I Série, vol V-VI, p. 189-224, 2006-2007.

LATOUR, Bruno. Ciência em Acção: Como Seguir Cientistas e Engenheiros Sociedade Afora. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LIMA, T. A. “Em busca dos frutos do mar: os pescadores-coletores do litoral centro-sul do Brasil”. Revista USP, São Paulo, no 44, p. 270-327, dezembro/fevereiro, 1999-2000.

MUSEU NACIONAL UFRJ. Os diretores do Museu Nacional UFRJ. Rio de Janeiro, 2007-2008.

NOGUEIRA, Antonio Gilberto Ramos. Por um Inventário dos Sentidos: Mário de Andrade e a Concepção de Patrimônio e Inventário. São Paulo: Editora Hucitec/FAPESP, 2005.

PROUS, ANDRÉ. Arqueologia Brasileira. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1992.

SOUZA, W. S. “Retratos da Nação: os ‘tipos antropológicos do Brasil’nos estudos de Edgard Roquette-Pinto, 1910-1920”. Bol. Mus. Pará Emílio Goeldi. Ciênc. Hum., Belém, V.7, n. 3, p. 645-669, set-dez 2012.

THOMAZ, Omar Ribeiro. “The Good-Hearted Portuguese People”: Anthropology and Nation, Anthropology of Empire. L’ESTOILE Benoît de, NEIBURG, Federico, SIGAUD, Lygia (Eds.). In: Empire, Nations, and Natives: Anthropology and StateMaking. EUA: Duke University Press, 2005.

TORRES, H. A. “Arte indígena na Amazônia”. Publicações do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, no 6. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1940.

TORRES, Heloisa Alberto. “Contribuição para o Estudo da Proteção ao Material Arqueológico e Etnográfico no Brasil”. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, 1937.

WIWJORRA, I. “German Archaeology and its Relation to Nationalism and Racism”, In: DÍAS-ANDREU, M, CHAMPION, T (Orgs.) Nationalism and Archaeology in Europe. Colorado: Westview Press, p. 164-187, 1996.

Downloads

Publicado

2015-06-01

Como Citar

POLONI, R. J. S. Caminhos e descaminhos no atlântico científico: arqueologia e estado novo em contexto lusobrasileiro. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 8, n. 2[10], p. 145–159, 2015. DOI: 10.20396/rap.v8i2.8635653. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635653. Acesso em: 20 out. 2021.