Novas perspectivas para a arqueologia da repressão e da resistência no Brasil depois da Comissão Nacional da Verdade

Autores

  • Inês Virgínia Prado Soares Ministério Público Federal, Procuradoria da República, Procuradoria Regional da República

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635655

Palavras-chave:

Arqueologia da repressão e resistência. Comissões da Verdade. Justiça de transição

Resumo

O texto discute a importância da Arqueologia da Repressão e da Resistência na atual agenda de direitos humanos brasileira no tema da memória e verdade, a partir do argumento de que um dos possíveis legados da Comissão Nacional da Verdade – CNV será uma inédita demanda de pesquisas arqueológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Inês Virgínia Prado Soares, Ministério Público Federal, Procuradoria da República, Procuradoria Regional da República

Graduação em Direito pela Universidade Federal do Ceará (1990), mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001) e doutorado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2007). Realizou pesquisa de pós-doutorado no Núcleo de Estudos de Violência da Universidade de São Paulo - NEV-USP (2009-2010). Atualmente é pesquisadora do Laboratório Arqueologia e Ecologia Histórica dos Neotrópicos do CNPq/MAE-USP e co-lider do Grupo de Pesquisa Arqueologia da Resistência da CNPq/IFCH/UNICAMP. Procuradora Regional da República - Ministério Público Federal. Tem experiência na área de Direitos Humanos e Direitos Culturais, com ênfase em Patrimônio Cultural, Arqueologia e Direito á Memória Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: direitos e bens culturais, patrimônio arqueológico, ditadura e justiça de transição.

Referências

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Direito à Memória e à Verdade: Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos. Habeas Corpus: que se apresente o corpo. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2010.

D’ARAÚJO, Maria Cecília. “Memória da ditadura militar no Brasil: fontes e métodos”, in Direitos e Cidadania: memória, política e cultura, Ângela de Castro Gomes (Coord), Editora FGV, p.126, 2007.

FONDEBRIDER. Luis. “Arqueologia e Antropologia Forense: um breve balanço, Org. Pedro Paulo Funari, Andrés Zarankin e José Alberioni dos Reis”. Arquelogia da repressão e da resistência na América Latina na era das ditaduras (décadas de 1960-1980), Annablume/Fapesp, 2008.

FUNARI, Pedro Paulo A. “The World Archaeological Congress from a Critical and Personal Perspective” 01/07/2006. Archaeologies, World Archaeological Congress, Blue Ridge Summit, USA, v. 2, n. 1-2006, p. 73-79, 2006.

FUNARI, Pedro Paulo A e OLIVEIRA Nanci Vieira de. “A Arqueologia do conflito no Brasil”. Org. Pedro Paulo Funari, Andrés Zarankin e José Alberioni dos Reis. Arquelogia da repressão e da resistência na América Latina na era das ditaduras (décadas de 1960-1980), Annablume/Fapesp, 2008

GALATY, Michael L.; WATKINSON, Charles. Archaeology under ditactorship. New York: Kluwer Academic/Plenum publishers, 2004.

GINZBURG, Jaime, “Escritas da Tortura”, in O que resta da ditadura: a exceção brasileira, Edson Teles e Vladimir Safatle(org), Boitempo, 2010

HABER, Alejandro F.. “Tortura, verdade, repressão, arqueologia”. Org. Pedro Paulo Funari, Andrés Zarankin e José Alberioni dos Reis. Arquelogia da repressão e da resistência na América Latina na era das ditaduras (décadas de 1960-1980). Annablume/Fapesp, 2008.

JELIN, Elizabeth. “Quiénes? Cuándo? Para qué? Actores y escenarios de las memórias”. Ed. Ricardo Vinyes, El Estado y la Memoria: govbiernos y ciudadanos frente a los traumas de la historia, RBA Libros, 117-150, 2009.

POLONI, Rita Juliana Soares. Arqueologia da Repressão e da Resistência: Uma Proposta de Estudo, história e-história, curtas, 05.02.2014. Disponível em: http://www.historiaehistoria.com.br/materia.cfm?tb=curtas&id=118, acesso em 12/052014.

MEZAROBBA, Glenda. Um acerto de contas com o futuro: a anistia e suas conseqüências: um estudo do caso brasileiro. São Paulo: Associação Humanitas; FAPESP, 2006.

SALERNO Melisa; ZARAKIN Andres; PEROSINO Celeste. “Arqueologías de la clandestinidad. Una revision de los trabajos efectuados en los centros de detencion clandestinos de la ultima dictadura militar en la Argentina”. Revista Universitaria de Historia Militar, v. 2, p. 50-84, 2013.

SOARES, Inês V.P. e QUINALHA, Renan Honório. “Lugares de Memória: bens culturais?”, In Sandra Cureau et al. (Coord.). Olhar Multidisciplinar sobre a Efetividade da Proteção do Patrimônio Cultural, Editora Forum, 2011.

TEITEL, Ruti. Transitional Justice. Nova York: Oxford University, 2000.

UN Security Council, The rule of law and transitional justice in conflict and post-conflict societies. Report Secretary-General , S/2004/616, 23 August 2004, Transitional Justice.

ZARANKIN, Andrés e NIRO, Claudio. “A materialização do sadismo: Arqueologia da Arquitetura dos Centros Clandestinos de Detenção da ditadura militar argentina (1976-1983)”. Org. Pedro Paulo Funari, Andrés Zarankin e José Alberioni dos Reis. Arquelogia da repressão e da resistência na América Latina na era das ditaduras (décadas de 1960-1980). Annablume/Fapesp, 2008.

Downloads

Publicado

2015-06-01

Como Citar

SOARES, I. V. P. Novas perspectivas para a arqueologia da repressão e da resistência no Brasil depois da Comissão Nacional da Verdade. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 8, n. 2[10], p. 177–194, 2015. DOI: 10.20396/rap.v8i2.8635655. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635655. Acesso em: 4 dez. 2021.