A arqueologia amazônica e ideologia: uma síntese de suas interpretações

  • Denise Maria Cavalcante Gomes Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Arqueologia Amazônica. Interpretações. Usos políticos

Resumo

Este artigo discute três posições existentes acerca do desenvolvimento cultural na Amazônia pré-colonial. Seu objetivo é enfatizar o conteúdo ideológico de cada uma delas, demonstrando que a interpretação arqueológica está sempre associada a determinados contextos sociopolíticos. Por outro lado, o artigo apresenta uma reflexão sobre o possível impacto social destas interpretações e os usos políticos da Arqueologia por parte de populações indígenas e ribeirinhas na Amazônia e em outros contextos da América Latina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Maria Cavalcante Gomes, Universidade Federal do Rio de Janeiro
É Professora Adjunta III do Departamento de Antropologia, Museu Nacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui Bacharelado em História pela Universidade de São Paulo (1984), Licenciatura em História pela Universidade de São Paulo (1986), Mestrado em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (1999), Doutorado em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (2005) e Pós-Doutorado em Etnologia Indígena pelo Museu Nacional-URFJ (2008). Coordena projeto de pesquisa básica na região de Santarém, PA, estabelecendo conexões entre Arqueologia e Etnologia. Tem experiência na área de Arqueologia, com ênfase em Arqueologia Amazônica atuando principalmente nos seguintes temas: Análise Cerâmica, Arqueologia de Santarém, Arqueologia do Baixo Amazonas, Arte Pré-Colonial, Cosmologias Ameríndias, Complexidade Cultural e Arqueologia Urbana. Foi Bolsista Fapesp "Jovem Pesquisador em Centro Emergente" (2009-2011). É membro da SAB e da SAA.

Referências

ERICKSON, C. 2008. “The Historical Ecology of a Domesticated Landscape. In: SILVERMAN, H. & ISBELL, W. (eds.), Handbook of South American Archaeology, New York, Springer, p. 157-83.

GNECCO, C. 2011. “Native Histories and Archaeologists”, in GNECCO, C. e AYALA, P. Indigenous Peoples and Archaeology in Latin America, Walnut Creek, Left Coast Press, Inc., p. 53-66.

GOMES, D. M. C. 2006. “Amazonian Archaeology and Local Identities”. In: EDGEWORTH, M. (ed.), Ethnographies of Archaeological Practive: Cultural Encounters, Material Transformations, Walnut Creek, Altamira Press, p. 148-160.

GOMES, D. M. C. 2007. The Diversity of Social Forms in Pre-Colonial Amazonia, Revista de Arqueologia Americana, 25: 189-225.

GOMES, D. M. C. 2010. “Os contextos e os significados da arte cerâmica dos Tapajó”. In: PEREIRA, E. e GUAPINDAIA, V. (Orgs.), Arqueologia Amazônica, v. 1, Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi, SECULT, IPHAN, p. 213-234.

GOMES, D. M. C. 2011. “Archaeology and Caboclo Populations in Amazonia: Regimes of Historical Transformation and the Dilemmas of Self-Representation. In: GNECCO, C. e AYALA, P. Indigenous Peoples and Archaeology in Latin America, Walnut Creek, Left Coast Press, Inc., p. 295-314.

GOMES, D. M. C. 2012. O Perspectivismo Ameríndio e a Ideia de uma Estética Americana, Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Humanas, v.7, n.1, p. 133-159.

GREEN, L., GREEN, D. R. e NEVES, E. G. 2011. “Indigenous Knowledge and archaeological Science: The Challenges of Public Archaeology in the Área Indigena do Uaçá, In: GNECCO, C. e AYALA, P. Indigenous Peoples and Archaeology in Latin America, Walnut Creek, Left Coast Press, Inc., p. 179-200.

HECKENBERGER, M., PETERSEN, J. & NEVES, E. G. 1999. Village Size and Permanence: Two Archaeological Examples from Brazil, Latin American Antiquity, 10 (4): p.353-76.

LATOUR, B. 1994. Jamais Fomos Modernos: Ensaios de Antropologia Simétrica, Rio de Janeiro, Editora 34.

LATOUR, B. 2000. Ciência em ação: Como seguir Cientistas e Engenheiros Sociedade Afora, São Paulo, Unesp.

Meggers, B. 1954. “Environmental Limitation on the Development of Culture”, American Anthropologist, 56: p.801-823.

Meggers, B. 1987 [1971]. Amazônia: A ilusão de um paraíso. São Paulo: Edusp/Itatiaia.

Meggers, B. 1994. Archaeological Evidence for the Impact of Mega-Niño Events on Amazonia during the Past Two Millennia, Climatic Change, 28: p.321-338.

NOELLI, F. S. e FERREIRA, L. M. 2007. A persistência da teoria da degeneração indígena e do colonialismo nos fundamentos da Arqueologia Brasileira, História, Ciência, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 14, n.4, p. 1239-1264.

ROOSEVELT, A. 1980. Parmana: Prehistoric Maize and Manioc Subsistence along the Amazon and Oricono. New York: Academic Press.

ROOSEVELT, A. 1987. “Chiefdoms in Amazon and Orinoco” in: DRENNAN, R. e URIBE, C. (Eds.), Chiefdoms in Americas, Lanham, Md.: University Press of America, p. 153-185.

ROOSEVELT, A. 1991. “Determinismo Ecológico na Interpretação do Desenvolvimento Social Indígena da Amazônia” in: NEVES, W. (ed.) Adaptações e Diversidade do Homem Nativo da Amazônia. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, p. 103-142.

ROOSEVELT, A. 1992. Arqueologia Amazônica. In: História dos Indios do Brasil. Edited by M. C. da Cunha p. 53-86. São Paulo: Editora Cia. das Letras.

ROOSEVELT, A. 1999. Complex Polities in the Ancient Tropical World, Archaeological Papers of the American Anthropological Association, 9: p.13-33.

SILVA, F. A., STUCHI, F. F., BESPALEZ, E. & PONGET, F. C. 2010. “Arqueologia em terra indígena: uma reflexão teórico-metodológica sobre as experiências de pesquisa na aldeia Lalima (MS) e na terra indígena Kaiabi (MT/PA)”. In: PEREIRA, E. & GUAPINDAIA, V., Arqueologia Amazônica, v. 2, Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi, SECULT, IPHAN, p. 775-794.

SZTUTMAN, R. (2012). O Profeta e o Principal: A Ação Política Ameríndia e seus Personagens, São Paulo, Edusp.

TILLEY, C. 1989. “Archaeology as socio-political action in the present”. In: PINSKY, V. & WYLIE, A. (Eds.), Critical traditions in contemporary archaeology: essays in the philosophy, history and socio-politics of archaeology, Cambridge, Cambridge University Press, p. 104-116.

VIVEIROS DE CASTRO, E. 1996a. Images of nature and society in Amazonian ethnology, Annual Review of Anthropology, 25: p.179-200.

VIVEIROS DE CASTRO, E. 1996b. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio, Mana, Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 115-144.

VIVEIROS DE CASTRO, E. 2002. “Perspectivismo e multinaturalismo na América Indígena”, In: VIVEIROS DE CASTRO, E. A inconstância da Alma Selvagem e outros Ensaios de Antropologia, São Paulo, Cosac & Naify, p. 345-399.

WOODS, W. L., DENEVAN, W. M. & REBELLATO, L. 2013. “How many years do you get for counterfeiting a paradise?” In: HAYES, S. E. & WINGARD, J. D. (eds), Soils, Climate and Society: Archaeological Investigations in Ancient America, Danvers, University Press of Colorado, p. 1-20.

Publicado
2013-08-26
Como Citar
Gomes, D. M. C. (2013). A arqueologia amazônica e ideologia: uma síntese de suas interpretações. Revista Arqueologia Pública, 7(1[7]), 48-59. https://doi.org/10.20396/rap.v7i1.8635669
Seção
Artigos