Banner Portal
Algumas considerações sobre as ideias prévias dos alunos em relação à temática arqueológica e indígena: um estudo de caso em Londrina-PR
PDF

Palavras-chave

Arqueologia pública. Educação. Ideias prévias.

Como Citar

LIMA, Leilane Patricia de. Algumas considerações sobre as ideias prévias dos alunos em relação à temática arqueológica e indígena: um estudo de caso em Londrina-PR. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 6, n. 1[6], p. 17–29, 2015. DOI: 10.20396/rap.v6i1.8635731. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635731. Acesso em: 21 jul. 2024.

Resumo

As reflexões aqui apresentadas são frutos de uma experiência educativa desenvolvida com alunos do quinto ano do ensino fundamental em uma escola municipal de Londrina/PR. A formação deste município deu-se a partir de um projeto de colonização estrangeira, articulado pela Companhia de Terras Norte do Paraná, que ainda hoje gera exclusão e/ou negação da presença indígena. Assim, como elaborar, neste contexto, uma proposta educativa de sensibilização sobre esta presença, uma vez que a geração contemplada é descendente, direta ou indiretamente, dos colonizadores, exaltados como “pioneiros”? A partir disso, relata-se o primeiro passo do caminho metodológico percorrido: a investigação e a análise das ideias prévias dos alunos em relação à temática arqueológica e indígena.

https://doi.org/10.20396/rap.v6i1.8635731
PDF

Referências

ALEGRO, Regina Célia. Conhecimento prévio e aprendizagem significativa de conceitos históricos no Ensino Médio. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Marília, São Paulo, 2008.

AUSUBEL, David P.; NOVAK, Joseph D.; HANESIAN, Helen. Psicologia Educacional. Trad. De Eva Nick e outros. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BARCA, Isabel. Educação Histórica: uma nova área de investigação. Revista da Faculdade de Letras HISTÓRIA, Porto, III Série, vol. 2, p. 13-21, 2001.

CHAGAS, Mario. Diabruras do Saci: museu, memória, educação e patrimônio. IPHAN – Musas Revista Brasileira de Museus e Museologia. Brasília: IPHAN, n. 1, 2004. p. 136-146.

CARNEIRO, Carla Gibertoni. Ações Educativas no contexto da Arqueologia Preventiva: uma proposta para a Amazônia. Tese (Doutorado em Arqueologia), Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CURY, Marília Xavier. Os usos que o público faz dos Museus - A (re) significação da cultura material e do Museu. Musas (IPHAN), MinC:IPHAN:DEMU, n. 1, 2004. p. 86-106.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; PIÑON, Ana. A temática indígena na escola: subsídios para professores. São Paulo: Contexto, 2011.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; ROBRAHN-GONZÁLEZ, Erika Marion. Editorial. Revista de Arqueologia Pública. São Paulo, n.3, 2008. p. 3.

GEVAERD, Rosi T. A narrativa histórica como uma maneira de ensinar e aprender História: o caso da História do Paraná. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

HILDEBRANDO, Gilberto. O Museu e a Escola: memórias e histórias em uma cidade de formação recente – Londrina/PR. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

LIMA, Leilane Patrícia; ZARPELÃO, Sandro Heleno Morais. O café em Londrina e no Paraná: abordagens para a exploração do tema em sala de aula. In: ALEGRO, Regina Célia et al. Temas e questões para o ensino de história do Paraná. Londrina: EDUEL, 2008. p. 197-238.

MAGALHÃES, Leandro Henrique; ZANON, Elisa Roberta; CASTELO BRANCO, Patrícia. M. Educação Patrimonial: da teoria à prática. Londrina: Editora Unifil, 2009.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência e Educação, v. 9, n. 2, 2003. p. 191-211.

MORAES, Roque. Análise de Conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, 1999. p. 7-32.

MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem Significativa Subversiva. Atas do III Encontro Internacional sobre Aprendizagem Significativa, Lisboa (Peniche), 2000. p. 33-45. (versão revisada e estendida disponível no site http://moreira.if.ufrgs.br/apsigcritport.pdf) Acesso em: 09/02/2012.

MOTA, Lúcio Tadeu. As Guerras dos índios Kaingang – a história épica dos índios Kaingang no Paraná (1769 – 1924). 2a ed. rev. e ampl. Maringá: EDUEM, 2009.

MOTA, Lúcio Tadeu. História do Paraná: ocupação humana e relações interculturais. Maringá: EDUEM, 2005.

NOELLI, Francisco Silva. A ocupação humana na região Sul do Brasil: Arqueologia, debates e perspectivas (1872-2000). Revista USP, São Paulo, número 44, 1999-2000. p. 218-269.

PARELLADA, Cláudia Inês. Estudo arqueológico no alto vale do rio Ribeira: área do gasoduto Bolívia-Brasil, Trecho X, Paraná. Tese (Doutorado em Arqueologia), Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

RAMOS, Igor Guedes; ALVES, Samira Ignácio. Índios: um silêncio ao norte do Paraná. ALEGRO, Regina Célia et al. Temas e questões para o ensino de História do Paraná. Londrina: EDUEL, 2008. p. 175-196.

RIBEIRO, Pedro Augusto Mentz. Os mais antigos caçadores-coletores do Sul do Brasil.

TENÓRIO, M. C. (Org.). Pré-História da Terra Brasilis. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000. p. 75-88.

ROCHA, Décio; DEUSDARÁ, Bruno. Análise de Conteúdo e Análise do Discurso: aproximações e afastamentos na (re) construção de uma trajetória. ALEA, vol. 7, n. 2, 2005. p. 305-322.

SILVEIRA, Flávio Leonel Abreu da; BEZERRA, Márcia. Educação Patrimonial: perspectivas e dilemas. ECKERT, C.; LIMA FILHO, M. F. BELTRÃO, J. (Orgs.). Antropologia e Patrimônio Cultural: diálogos e desafios contemporâneos. Florianópolis: Nova Letra: ABA: Fundação Ford, 2007. p. 11-21.

TIRADO SEGURA, Felipe. Contribuciones de la evaluación al desarrollo de la museología. Encontro de profissionais de Museus. A comunicação em questão: exposição e educação, propostas e compromissos. São Paulo; Brasília: MAE, USP: STJ, 2003. p. 19-42.

TREPAT, Cristòfol; COMES, Pilar. El tiempo y el espacio en la didáctica de las ciencias sociales. Barcelona: Editorial: GRAÓ, 2008.

WACHOWICZ, Ruy. História do Paraná. 9a edição. Curitiba: Imprensa Oficial do Estado, 2001.

Revista Arqueologia Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.