Banner Portal
Cacareco de índio e artefato arqueológico: conversas entre arqueólogos e a família Souza no Sítio Cedro, Santarém – Pará
PDF

Palavras-chave

Arqueologia pública. Etnografia em arqueologia. Arqueologia comunitária. Santarém

Como Citar

GOMES, R. N. da C.; LOPES, R. C. dos S. Cacareco de índio e artefato arqueológico: conversas entre arqueólogos e a família Souza no Sítio Cedro, Santarém – Pará. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 5, n. 1[5], p. 20–21, 2015. DOI: 10.20396/rap.v5i1.8635748. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635748. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

Neste artigo buscamos, a partir de uma experiência de campo singular, participando da escavação do Sítio Cedro, em Santarém, próximo ao planalto de Belterra, discutir a importância e as possibilidades da etnografia nos trabalhos de arqueologia; e ainda, atentos às discussões feitas sobre a Arqueologia Pública e as interações entre arqueólogos e as comunidades onde estão situados sítios arqueológicos, analisar as injunções entre o saber local com as significações arqueológicas para categorias já definidas pelas comunidades. Intentamos mostrar que as conversas no campo geram esclarecimentos mútuos que não se excluem, mas se complementam na medida em que criam junto o saber arqueológico.

https://doi.org/10.20396/rap.v5i1.8635748
PDF

Referências

ARCE, Ricardo S. “La entrevista en el trabajo de campo”. Revista de Antropología Social, n.9, pp. 105-126, 2000.

ATALAY, Sonya. “Indigenous Archaeology as Decolonizing Practice”. The American Indian Quarterly 30:280-310, 2006.

BALÉE, William. “The research Program of Historical Ecology”. Annual Review of Anthropology, n. 35, pp. 75-98, 2006.

BEZERRA, Márcia. “‘As moedas dos índios’: um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, ilha de Marajó, Brasil”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 6, n. 1, pp. 57-70, 2011.

CABRAL, Mariana P.; SALDANHA, João. D. M. “Um sítio, múltiplas interpretações: o caso do chamado ‘Stonehenge do Amapá’”. Arqueologia Pública, v.3, pp. 19-13, 2008.

CARDOSO, Ruth. “As aventuras de antropólogos em campo ou como escapar das armadilhas do método”. In: CARDOSO, Ruth. A aventura antropológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986, pp.95-105.

CASTAÑEDA, Quetzal E. “The “ethnographic turn” in archaeology: research positioning and reflexivity in ethnographic archaeologies”. In: CASTAÑEDA, Quetzal E.; MATTHEWS, Cris. N. (Eds.). Ethnographic Archaeologies: reflections on stakeholders and archaeological practices. Altamira Press: Lanham, 2008, pp. 119-138.

CASTAÑEDA, Quetzil E. “The ‘Past’ as Transcultural Space: Using Ethnographic Installation in the Study of Archaeology”. Public Archaeology v. 8, pp. 262-282, 2009.

CRUMLEY, Carole L.; MARQUARDT, William H. “Landscape: a unifying concept in regional analysis”. In: ALLEN, K. M.; GREEN, S. W.; ZUBROW, E. B. (Eds.). Interpreting space: GIS and archaeology. London: Taylor and Francis, 1990, pp. 73-79.

CRUMLEY, Carole L. “Historical ecology. A multidimensional ecological orientation”. In: CRUMLEY, Carole L. (Ed.). Historical ecology: cultural knowledge and changing landscapes. Santa Fe: School of American Research Press, 1994, pp. 1-41.

DaMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis – Para uma sociologia do dilema brasilero. 6ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DEBERT, Guita G. “Problemas relativos à utilização da história de vida e história oral”. In: CARDOSO, Ruth. A aventura antropológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986, pp.141-156.

FERREIRA, Lúcio Meneses. “Patrimônio, pós-colonialismo e repatriação arqueológica”. Ponta de Lança: História, Memória e Cultura, v. I, pp. 37-62, 2008.

FERREIRA, Lúcio Meneses. Sob fogo cruzado: Arqueologia comunitária e patrimônio cultural. Arqueologia Pública n. 3, pp. 81-92, 2010.

FUNARI, P. P. A. “Public Archaeology from a Latin American Perspective”. Public Archaeology 1:239-243, 2001.

FUNARI, P. P. A.; ROBRAHN-GONZÁLES, E. M. “Ética, Capitalismo e Arqueologia Pública no Brasil”. História 27:13-30, 2008.

FUNARI, P. P. A.; ZARANKIN, A. Social archaeology of housing from a Latin American perspective: A case study. Journal of Social Archaeology 3:23-45, 2003.

GOMES, Raimundo Ney C.; LOPES, Rhuan Carlos S. “Os co-trabalhadores do Cedro – uma possibilidade de Arqueologia Pública”. No prelo.

GOMES, Raimundo Ney C. “De roça a sítio: o saber local e pesquisas arqueológicas”. In: Caderno de Resumos do I Congresso Pan-Amazônico e VII Encontro Região Norte de História Oral: História do Tempo Presente e Oralidades na Amazônia. Belém : Editora Açaí, 2012, pp. 117-118.

GNECCO, Cristóbal; HERNANDEZ, Carolina. “History and its discontents: Stone Statues, Native Histories, and Archaeologists”. Current Anthropology, v. 49, n. 3, pp. 439-466, 2008.

HODDER, Ian. “Archaeological Reflexivity and the "Local" Voice”. Anthropological Quarterly v. 76, pp. 55-69, 2003.

HOLLOWELL, Julie; NICHOLAS, George. “Using Ethnographic Methods to Articulate Community-Based Conceptions of Cultural Heritage Management”. Public Archaeology v. 8, pp. 141-160, 2009.

LITTLE, Paul E. “Territórios tradicionais e povos tradicionais no Brasil: por uma Antropologia da territorialidade”. Série Antropologia 322, 2002.

MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas o Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1976.

MARUI, Masako. “Cultural Heritage and Communities Coexisting: Public Archaeology in Cambodia, 1999–2009”. Public Archaeology v. 9, pp. 194-210, 2010.

NIMUENDAJU, Curt. In Pursuit of a Past Amazon. Archaeological researches in the Brazilian Guyana and in the Amazon region. Gotenborg: Elanders Infologistik, 2004.

PAZ, Yitzhak. “Community Archaeology in Proto-Historical Tel Bareqet, Israel: School Children and Agency for Active Public Engagement in Cultural Heritage Projects”. Public Archaeology v. 9, pp. 34-47, 2010.

PEIRANO, Marisa. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

PYBURN, K. Anne. “Practising Archaeology — As if it Really Matters”. Public Archaeology v. 8, pp. 161-175, 2009.

REIS, José Alberione. “Lidando com as coisas quebradas da História”. Arqueologia Pública, n. 2, pp. 33-44, 2007.

RIBEIRO, Berta G. “Perspectivas Etnológicas para Arqueólogos (1957-1988)”. BIB 29, 1990, Rio de Janeiro, n. 29, pp. 17-77, 1990.

SARRÓ, Ramon; LIMA, Antónia P. “Introdução – Já dizia Malinowski: sobre as condições da possibilidade da produção etnográfica”. In: LIMA, Antónia P.; SARRÓ, Ramon. Terrenos metropolitanos. Ensaios sobre a produção etnográfica. Lisboa: ICS, 2006, pp. 17-37.

SAUER, Carl O. “The morphology of landscape” (1925). In: LEIGHLY. J. Land and Life: a selection from the writings of Carl Ortwin Sauer. Berkley/Los Angeles: University of California Press, 1969, pp. 315-350.

SCHAAN, Denise Pahl. “Arqueologia, público e comodificação da herança cultural: o caso da cultura marajoara”. Arqueologia Pública, n. 1, pp. 19-30, 2006.

____. Arqueologia e Multivocalidade: Desafios Contemporâneos. Manuscrito inédito, 2011.

SCHAAN, Denise Pahl; LIMA, Anderson Márcio. A. Programa de Arqueologia & Educação Patrimonial BR-163: Santarém-Rurópolis; BR-230/PA: Divisa TO/PA à Rurópolis (Excluindo trecho Altamira-Medicilândia); BR-422: Trecho: Novo Repartimento-Tucuruí). 5° Relatório Parcial Rodovia BR-163: Trecho Santarém-urópolis. Belém: UFPA/DNIT, 2011. 213p. Inédito.

SÁNCHEZ, J. A. Arqueología para todos los públicos – Hacia una definición de la Arqueología Pública «A la Española». ArqueoWeb, n. 13, pp. 87-107, 2011.

SILVA, Fabíola A. et al. “Arqueologia Colaborativa na Amazônia: Terra Indígena Kuatinemu, Rio Xingu, Pará”. Amazônica, v. 3, n. 1, pp. 32-59, 2011.

SHEPHERD, Nick. “‘Cuando la mano que sostiene la palustre es negra...’: prácticas disciplinarias de auto-representación y el asunto de la mano de obra “nativa” em arqueologia”. Arqueología Suramericana, v. 5, n. 1, pp. 3-20, 2009.

Revista Arqueologia Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.