A arqueologia da repressão no contexto das ditaduras militares da Argentina, Uruguai e Brasil

Autores

  • Giullia Caldas dos Anjos Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v5i1.8635766

Palavras-chave:

Arqueologia da Repressão. Ditadura. Resistência

Resumo

Este artigo propõe-se a analisar a chamada “arqueologia da repressão” no Uruguai, na Argentina e no Brasil, a partir de obra de alguns autores que elegeram esse tema enquanto objeto de estudo, como, por exemplo, a de Pedro Paulo Abreu Funari, Andrés Zarankin e José Alberioni dos Reis, “Arqueologia da repressão e da resistência: América Latina na era das ditaduras (décadas de 1960-1980)”. Este artigo estrutura-se em quatro partes, abrangendo delimitação conceitual; breve histórico a respeito do período ditatorial nos três países tratados; como é trabalhada a arqueologia da repressão nos países em questão; e, por fim traçarei um paralelo entre a forma pela qual é visto este tipo de arqueologia em cada país, de que forma o seu estudo afeta as sociedades e qual é a importância que assumem tais evidências para estes países, que só muito recentemente, retomaram o estado de direito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giullia Caldas dos Anjos, Universidade Federal de Pelotas

Graduanda do Curso de Bacharelado em História pela UFPel. Bolsista de Iniciação Científica FAPERGS.

Referências

PADRÓS, E. A. Como el Uruguay no hay... Terror de Estado e Segurança Nacional. Uruguai (1968-1985): do Pachecato à ditadura civil-militar. 2005. Tese (Doutorado em História) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. (2 v.)

PRIORI. A. Golpe Militar na Argentina: apontamentos históricos. In: Revista Espaço Acadêmico, no 59, Abril. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/059/59priori.htm. Acesso em 21 de maio de 2011.

SERVICIO PAZ Y JUSTICIA. Uruguay: nunca más. Informe sobre la violación de los Derechos Humanos (1972-1985). Montevideo: SERPAJ, 1989. URUGUAI. Constitución de la República. Disponível em: http://www.parlamento.gub.uy/constituciones/const004.htm. Acesso em: 28 de maio de 2011.

URUGUAI. PRESIDENCIA DE LA REPÚBLICA ORIENTAL DEL URUGUAY. Investigación Histórica sobre los detenidos desaparecidos. Montevidéu, 2006. Disponível em: http://www.presidencia.gub.uy/_Web/noticias/2007/06/2007060509.htm Acesso em 17 de maio de 2011.

ZARANKIN, A.; NIRO, C. A materialização do sadismo: arqueologia da arquitetura dos Centros Clandestinos de Detenção da ditadura militar argentina (1976-83). In: FUNARI, P. P.; ZARANKIN, A.; REIS, J. A. Arqueologia da repressão e da resistência: América Latina na era das ditaduras (décadas de 1960-1980). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2008, p. 183-210.

PEIXOTO, Rodrigo Corrêa Diniz. Memória social da Guerrilha do Araguaia e da guerra que veio depois. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 6, n. 3, p. 479-499, set.-dez. 2011.

Downloads

Publicado

2015-06-10

Como Citar

ANJOS, G. C. dos. A arqueologia da repressão no contexto das ditaduras militares da Argentina, Uruguai e Brasil. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 5, n. 1[5], p. 79–92, 2015. DOI: 10.20396/rap.v5i1.8635766. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635766. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Seção de Gradução