Estação Barracão (Ribeirão Preto, SP): análise de preservação e usos do patrimônio industrial tombado.

Autores

  • Leticia dos Santos Borges Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Eduardo Romero de Oliveira Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v9i3.8641280

Palavras-chave:

Patrimônio industrial. Patrimônio del ferrocarril. Memoria. Sao Paulo. Estación Barracão

Resumo

Esta proposta visa analisar as condições atuais de preservação e os modos de reutilização do patrimônio histórico tombado, particular para fins turísticos. Ao estudarmos a proposta de verificar seu uso atual, as formas de preservação ou difusão, tornou-se necessário conhecer e entender as políticas públicas de preservação, incluindo as estratégias de reutilização. Isto porque através delas se busca o planejamento das atuações e fases a serem seguidas ao longo de um processo de intervenção em áreas a serem preservadas. Espera-se que o projeto seja um facilitador da transmissão de informações sobre o valor histórico do patrimônio e também permita refletir se seu uso turístico contribui para difusão e preservação do mesmo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leticia dos Santos Borges, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Graduanda UNESP Rosana – Curso de Turismo

 

Eduardo Romero de Oliveira, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Professor Assistente Doutor UNESP

Referências

ABAD, Carlos J. Pardo. Turismo y patrimônio industrial. Madrid: Síntesis, 2008.

BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo Cultural: orientações básicas. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação - Geral de Segmentação. – 3. ed.- Brasília, 2010.

CREA – SP- Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo. Patrimônio histórico: Como e por que preservar - 3a edição. São Paulo, 2008.

CURY, Paulo Rogério. História e imagens da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, 2004. Disponível em: http://www.cmef.com.br. Acesso em: 05 nov. 2014.

DIAS, Adriana Fabre. A reutilização do patrimônio edificado como mecanismo de proteção: uma proposta para os conjuntos tombados de Florianópolis. (Mestrado em Arquitetura). UFSC. Florianópolis, 2005.

GIESBRECHT, Ralph Mennucci. Estações Ferroviárias do Brasil, 2011. Disponível em:

http://www.estacoesferroviarias.com.br/b/barracao.htm. Acesso em: 15 nov. 2014.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria da Cultura. Estação Barracão. São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.cultura.sp.gov.br/portal/site/SEC/menuitem.bb3205c597b9e36c3664eb10e2308ca0/?vgnextoid=91b6ffbae7ac1210VgnVCM1000002e03c80aRCRD&Id=08bfd0db350af010VgnVCM1000004c03c80a____ Acesso em: 06 nov. 2014.

ICOMOS. Carta de Veneza. Veneza: 1964.

INSTITUTO HISTÓRIA DO TREM, Proposta de criação do museu ferroviário de Ribeirão Preto. Mensagem recebida por dwesteves@yahoo.com.br em 14 nov. de 2014.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Preservação do Patrimônio Arquitetônico da Industrialização: Problemas Teóricos de Restauro. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2008.

RIBEIRÃO PRETO. Lei n° 2.211 de 24 de agosto de 200 7.

ROSA, Lilian Rodrigues de Oliveira; SILVA, Adriana (Org.). Paisagem Cultural do Café – Ribeirão Preto. São Paulo, 2013. IPCCIC – Instituto Paulista de Cidades Criativas e Identidades Culturais | Rede de Cooperação Identidades Culturais.

TICCIH, The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage. Carta de Nizhny Tagil sobre o património industrial. Julho 2003. Tradução da responsabilidade da APPI – Associação Portuguesa para o Património Industrial (Nizhny Tagil). 17 de Julho de 2003. Disponível em: http://ticcih.org/wp-content/uploads/2013/04/NTagilPortuguese.pdf. Acesso em: 12 nov. 2014.

Downloads

Publicado

2015-10-23

Como Citar

BORGES, L. dos S.; OLIVEIRA, E. R. de. Estação Barracão (Ribeirão Preto, SP): análise de preservação e usos do patrimônio industrial tombado. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 9, n. 3[13], p. 50–62, 2015. DOI: 10.20396/rap.v9i3.8641280. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8641280. Acesso em: 4 dez. 2021.