Banner Portal
Condicionantes geoambientais da localização da infraestrutura portuária, faroleira, militar e baleeira da ilha de Santa Catarina
PDF

Palavras-chave

Condicionantes geoambientais. Atividades socioeconômicas. Ilha de Santa Catarina

Como Citar

FERREIRA, Washington. Condicionantes geoambientais da localização da infraestrutura portuária, faroleira, militar e baleeira da ilha de Santa Catarina. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 9, n. 3[13], p. 93–104, 2015. DOI: 10.20396/rap.v9i3.8641287. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8641287. Acesso em: 13 jun. 2024.

Resumo

Procurou-se estabelecer uma aproximação entre a História Ambiental e o Gerenciamento Costeiro, para a análise do papel dos condicionantes geoambientais na seleção dos sítios para a instalação da infraestrutura de um conjunto de atividades socioeconômicas interligadas (navegação, defesa, caça a baleia e comércio portuário), na Ilha de Santa Catarina, SC, Brasil. Nesta aproximação, promoveu-se a sobreposição de três camadas de informação (cartas náuticas, mapas temáticos ambientais, vestígios arqueológicos) em um sistema de informações geográficas, simultaneamente a análise documental de uma série de fontes históricas sobre as referidas atividades socioeconômicas na região, estabelecendo as correlações entre as mesmas e os parâmetros definidos como condicionantes geoambientais de sua localização. 

https://doi.org/10.20396/rap.v9i3.8641287
PDF

Referências

ALMEIDA, Caroline Soares de. Final de Década de 1920 em Florianópolis: a construção do “Miramar” e a urbanização da cidade. Revista Santa Catarina em História (Florianópolis:UFSC) V1, N1: 22-29, 2008.

AMARAL, Maria M. V. Relatório Preliminar do Diagnóstico Técnico Arqueológico das Obras de Infraestrutura no Largo da Antiga Alfândega. Florianópolis: Museu Universitário/UFSC, mai./ago.1992.

BERGER, Paulo (Org.). Ilha de Santa Catarina: relatos de viajantes estrangeiros nos séculos XVIII e XIX (2a ed.). Florianópolis: Ed. FUSC / Assembléia Legislativa, 1984 (334 p).

CARUSO, Marilea Martins Leal. O Desmatamento da Ilha de Santa Catarina: de 1500 aos dias atuais. Florianópolis: Ed. UFSC, 1983 (160 p).

COMERLATO, Fabiana. Retrospectiva da Arqueologia Histórica em Santa Catarina. In: V Congresso Internacional de Estudos Ibero-Americanos, 2003, Porto Alegre.

COMERLATO, Fabiana. Relatório Final da Prospecção Arqueológica em Residências Oitocentistas do Conjunto Histórico da Praça XV. Florianópolis, agosto 1999.

DESTERRO HOJE. Comparações de imagens antigas e atuais. Florianópolis, SC, 2014. Disponível em: http://www.desterrohoje.com.br/index.php/group-holder/centro/ponte-hercilio-luz/ponte-hercilio-luz/estaleiro-arataca--ponte-hercilio-luz-1940-2012.html (acesso em: 09 Dezembro 2014).

DHN. Roteiro Costa Sul. Rio de Janeiro: Diretoria de Hidrografia e Navegação. Ministério da Marinha, 2013. Disponível em: http://www.mar.mil.br/dhn/chm/box-publicacoes/publicacoes/rotcs/rot-cs-completo.pdf (acesso em: 03 Março 2015).

ESPÍNDOLA, Ariana Moreira. A Vida Rural na Freguesia do Ribeirão da Ilha no Século XIX. Revista Santa Catarina em História (Florianópolis: UFSC), V1, N2: 73-85, 2010.

FARIAS, Deisi Scunderlick Eloy; CORREA, Flávio; DEMATHÉ, Alexandro; GUIMARÃES, Geovan Martins; GERMMER, Bruno Enrique; CORREA, Gabriel. Projeto Resgate Barra Sul: pesquisa arqueológica subaquática no sul de Florianópolis, SC. Navigator, 16: 120-135, 2011.

FOX, Jefferson; SURIANATA, Krisnawati; HERSHOCK, Peter; PRAMONO, Albertus Hadj. O Poder de Mapear: efeitos paradoxais das tecnologias de informação espacial (pp: 71-84). In: ACSELRAD, Henri (Org.). Cartografias Sociais e Território. Rio de Janeiro: UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro, IPPUR – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, 2008. Coleção Território, Ambiente e Conflitos Sociais, v1 (168 p).

GOULARTI FILHO, Alcides. Portos, Ferrovias e Navegação em Santa Catarina. Florianópolis: Editora da UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, 2013 (324 p).

MUSSOLINI, Gioconda. Aspectos da cultura e vida social no litoral brasileiro. Revista de Antropologia, São Paulo, 01 (02): 81-97, dez. 1953.

PÁDUA, José Augusto. As Bases Teóricas da História Ambiental. Estudos Avançados, 24 (68): 81-101, 2010.

POLETTE, Marcus; REBOUÇAS, Gabriel Nunes Maia; FILARDI, Ana Carla Leão; VIEIRA, Paulo Freire. Rumo à Gestão Integrada e Participativa de Zonas Costeiras no Brasil: Percepções da Comunidade Científica e do Terceiro Setor. Gestão Costeira Integrada (Itajaí), 05 (04): 43-48, 2006.

REIS, Almir Francisco. Ilha de Santa Catarina: permanências e transformações. Florianópolis: Ed. UFSC (Coleção Urbanismo e Arquitetura da Cidade), 2012 (284 p).

SANTOS, Fabíola Martins. Uma Análise Histórico-Espacial do Setor Hoteleiro no Núcleo Urbano Central de Florianópolis, SC. Dissertação de Mestrado (PPG. Turismo e Hotelaria). Balneário Camboriú: UNIVALI – Universidade do Vale do Rio Itajaí, 2005 (189 p).

SCHMITZ, Paulo Clóvis. Movimento quer reconstruir atracadouro da Ponta do Sambaqui. Jornal Notícias do Dia (Florianópolis, SC), 21-22 Junho 2014 (pp: 04-05).

SCHUCH, Edmara. A Arqueologia vai a Cidade: proposta de zoneamento arqueológico para o centro de Florianópolis. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado e Licenciatura em História). Florianópolis: UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina, 2010 (96 p).

TESSLER, Moysés Gonzalez; GOYA, Samara Cazzoli. Processos Costeiros Condicionantes do Litoral Brasileiro. Revista de Geografia da USP, 17: 11-23, 2005.

TONERA, Roberto. Fortalezas da Ilha de Santa Catarina: criação, abandono, restauração e revitalização. In: Anais do 4° Congreso Internacional sobre Fortificaciones (Alcalá de Guadaíra, 05 a 10 de marzo de 2007), p. 149-164, ilus. 2008.

VEIGA, Eliane Veras. Florianópolis: memoria urbana. Coleção Memoria de Florianópolis, N4. Florianópolis: Ed. UFSC - Fundação Franklin Cascaes, 1993 (390 p).

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Revista Arqueologia Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.