O significado arqueológico dos depósitos tecnogênico-aluviais da bacia do rio una (Taubaté, SP).

  • Alex Ubiratan Goossens Peloggia Universidade de Guarulhos
Palavras-chave: Depósitos antropogênicos (tecnogênicos). Aloformação Rio Una. Taubaté. Ciclo do Café. Geoarqueologia

Resumo

Os depósitos sedimentares antropogênicos caracterizados como Aloformação Rio Una, que configuram baixos terraços ao longo dos vales do rio citado e seus afluentes, na região rural de Taubaté (SP), são registros geológicos correlativos do processo de degradação ambiental derivado da derrubada da Mata Atlântica e implantação dos cultivos de café em meados do século XIX. Argumenta-se que tais formações geológicas, como produtos indiretos da ação humana, são os principais vestígios materiais preservados do referido episódio de apropriação do relevo, e refletem, em suas características sedimentares e geomorfológicas anômalas, a particularidade da relação humanidade-natureza no contexto histórico-cultural considerado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Ubiratan Goossens Peloggia, Universidade de Guarulhos
Geólogo e Psicanalista. Prof. Dr. do Programa de Mestrado em Análise Geoambiental da Universidade de Guarulhos e membro do Grupo de Estudos do Antropoceno e do Tecnógeno - UnG.

Referências

BORJA BARRERA, F. Formaciones superficiales antrópicas: aportación al estúdio del processo holoceno de antropización de los sistemas naturales. Arqueologia Espacial, Teruel,: n.16-17, p. 29-39, 1993.

CAPELLARI, B.; PELOGGIA, A.U.G. Degradação ambiental, sedimentação tecnogênica e reajustamento da drenagem na bacia hidrográfica do ribeirão das Sete Voltas (Taubaté, SP). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 46, 2012, Anais... SBG, CD-ROM.

COELHO-NETTO, A.L. Catastrophic landscape evolution in a humid region (SE Brasil): inheritances from tectonic, climatic and land use induced changes. Suppl. Geogr. Fis. Dinam. Quat. III, T.3, p. 21-48, 1999.

CUNHA, E. Contrastes e confrontos. Rio de Janeiro: Record, 1975 [1907], 253p.

DEAN, W. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, 484p.

EDGEWORTH, M. The relationship between archaeological stratigraphy and artificial ground and its significance in the Anthropocene. In: WATERS, C.N. et al. (Eds.), A stratigraphical basis for the Anthropocene. London: Geological Society, Special Publication 395, 2014, p. 91-108.

EDGEWORTH, M.; RICHTER, D. deB.; WATERS, C.; HAFF, P.; NEAL, C.; PRICE, S.J. Diachronous beginnings of the Anthropocene: the lower bounding surface of anthropogenic deposits. The Anthropocene Review: v.2, n.I, p.33-58, 2015. Disponível em: http://anr.sagepub.com/content/2/1/33.full.pdf+html. Acesso em 23.06.2015.

ENGELS, F. Dialética da Natureza. 5a .ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991, 238p.

FORD, J.R.; PRICE, S.J.; COOPER, A.H.; WATERS, C.N. An assessment of lithostratigraphy for anthropogenic deposits. In: WATERS, C.N. et al. (Eds.), A stratigraphical basis for the Anthropocene. London: Geological Society, Special Publication 395, 2014, p. 55-89.

GUIMARÃES, C.G. O café e a conta. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro: n.57, p. 24-26, 2010.

HAPP, S.C.; RITTENHOUSE, G.; DOBSON, G.C. Some principles of accelerated stream valley sedimentation. US Dep. Agr. Tech. Bull 695. Progress in Physical Geography, London: v.32, n.3, p.337-345, 2008 [1940].

HODDER, I.; HUTSON, S. Reading the past: current approaches to interpretation in archaeology. 3a ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2003, 283p.

JAMES, L.A. Legacy sediment: definitions and processes of episodically produced anthropogenic sediment. Anthropocene: n.2, p.16-26, 2013. Disponível em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2213305413000040. Acesso em 23.06.2015.

LIMA, R.G.S. Café & família no Vale do Paraíba. Revista do Instituto Histórico Geográfico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: ano 12, n.12, p. 237-262, 2003.

MARTINEZ, P.H. Cultivo do desencanto. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, n.57, p.28-29, 2010.

MELLO, C.L.; MOURA, J.R.S.; CARMO, I.O.; SILVA, T.M.; PEIXOTO, M.N.O. Eventos de sedimentação durante o Holoceno no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul (SP/RJ) – Aloestratigrafia e Datações por Radiocarbono. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO

BRASILEIRA DE ESTUDOS DO QUATERNÁRIO, V, Anais... ABEQUA/EDUFF, Niterói (RJ), 1995, p.193-200. Disponível em www.abequa.org.br/trabalhos/anais_1995.pdf. Acesso em 23.06.2015.

MENESES, U. B. A cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História USP, São Paulo: n.115, p.103-117, 1983.

MOURA, J.R.S. E MELLO, C.L. Classificação aloestratigráfica do quaternário superior na região de bananal (SP/RJ). Revista Brasileira de Geociências: v.21, n.3, p.236-254, 1991. Disponível em: http://rbg.sbgeo.org.br/index.php/rbg/article/view/375. Acesso em 23.06.2015.

MOURA, J.R.S.: MELLO, C.L.; SILVA, T.M.; PEIXOTO, M.N.O. Desequilíbrios ambientais na evolução da paisagem: o Quaternário tardio no médio vale do rio Paraíba do Sul. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 37, Boletim de Resumos Expandidos... SBG-SP, São Paulo, 1992, v.2, p.309-310.

NASCM – NORTH AMERICAN COMISSION ON STRATIGRAPHIC NOMENCLATURE. North American Stratigraphic Code. AAPG Bulletin, v.89, n.11, p.1547-1591, 2005.

OLIVEIRA, A.M.S. Depósitos tecnogênicos associados à erosão atual. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA, 6, Atas... ABGE: ABMS, Salvador, 1990, v.1. p. 411-415.

OLIVEIRA, A.M.S.; BRANNSTROM, C.; NOLASCO, M.C.; PELOGGIA, A.U.G.; PEIXOTO, M.N.O.; Coltrinari, L. Tecnógeno: registros geológicos da ação do Homem. In: SOUZA, C.R.G. et al. (Eds.), Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos, 2005, p.363-378.

OLIVEIRA, A.M.S.; PELOGGIA, A.U.G. The Anthropocene and the Technogene: stratigraphic temporal implications of the geological action of humankind. Quaternary and Environmental Geosciences, v.5, n.2. p.103-111. Disponível em http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/abequa/article/view/34828. Acesso em 23.06.2015.

PELOGGIA A.U.G.; OLIVEIRA A.M.S.; OLIVEIRA A.A.; SILVA E.C.N.; NUNES J.O.R. Technogenic geodiversity: a proposal on the classification of artificial ground. Quaternary and Environmental Geosciences: v. 5, n.1, p.28-40, 2014a. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/abequa/article/view/34823. Acesso em 23.06.2015

PELOGGIA A.U.G.; SILVA E.C.N.; NUNES J.O.R. Technogenic landforms: conceptual framework and application to geomorphologic mapping of artificial ground and landscape as transformed by human geological action. Quaternary and Environmental Geosciences: v.5, n.2, p. 67-81, 2014b. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/abequa/article/view/34811. Acesso em 23.06.2015.

PELOGGIA, A.U.G.; CAPELLARI, B.; SHIKAKO, A.S. Registros geológicos tecnogênico-sedimentrares (antropocênicos) no Vale do Paraíba do Sul (Taubaté-SP): a aloformação Rio Una. In: SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO SUDESTE, 14, SBG-SP, Campos do Jordão, 2015 (submetido).

ROEHL, J.W.; HOLEMAN, J.N. Accelerated valley deposits. In: VANONI, V.A. (Ed.) Sedimentation Engineering. New York: Am. Soc. Civ. Eng., 1975, c.3, p. 382-389.

ZALASIEWICS, J. The Earth after us. Oxford: Oxford University Press, 2008, 256p.

Publicado
2015-10-23
Como Citar
Peloggia, A. U. G. (2015). O significado arqueológico dos depósitos tecnogênico-aluviais da bacia do rio una (Taubaté, SP). Revista Arqueologia Pública, 9(3[13]), 207-219. https://doi.org/10.20396/rap.v9i3.8641304