A estrutura da ação social no estudo de grupos humanos pré-coloniais do Parque Nacional Serra da Capivara - PI: Um estudo de caso

Autores

  • Michel Justamand Universidade Federal do Amazonas
  • Gabriel Frechiani de Oliveira Universidade Federal do Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v9i2.8642866

Palavras-chave:

Arte rupestre. Parque Nacional Serra da Capivara. Talcott Parsons

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo estudar os grupos humanos pré-coloniais do Parque Nacional Serra da Capivara, a partir da perspectiva do sociólogo norte-americano Talcott Parsons, partindo da concepção da sua obra sobre a estrutura da ação social. Dentro desse contexto, será utilizada uma abordagem sociológica para o entendimento da dinâmica social desses grupos humanos que viveram por milhares de anos na região do Parque Nacional Serra da Capivara, produzindo uma diversidade de registros e vestígios arqueológicos como ferramentas de rochas lascadas e polidas, cerâmica, pintura e gravuras rupestres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel Justamand, Universidade Federal do Amazonas

Bacharel e Licenciado em História pela PUC -SP (em 1999); Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (em 2002); Pedagogo pela Universidade Nove de Julho - SP (em 2003); Doutor em Ciências Sociais/Antropologia pela PUC-SP (em 2007) e Pós-doutor em História pela PUC-SP (em 2012); Docente de dedicação exclusiva da Universidade Federal do Amazonas em Benjamin Constant no Curso de Antropologia.

Gabriel Frechiani de Oliveira, Universidade Federal do Sergipe

Possui graduação em Licenciatura Plena em História pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI - 2007) e especialização em Metodologia do Ensino de História e Geografia pelo Sistema Educacional EADCON (2009). Atualmente é aluno do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Arqueologia (PPGArq - Doutorado) da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Referências

ALVES, M. A. Teorias, Métodos, Técnicas e Avanços na Arqueologia Brasileira. In: Revista Canindé, Xingo, no 2, 2002.

ASÓN, Irma e; MARTIN; Gabriela. Manifestações religiosas na Pré-História Brasileira.In: História das religiões no Brasil. Org. Sylva Brandão: prefácio de Armando Souto Maior. Recife: Ed. Universitária, p.19-38, 2001

ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BAHN, P.; REFREW, C. Arqueologia - Teorias, Métodos y Practica. Madrid: Akal, 1993.

BINFORD, L. R. Em busca do pasado: a decodificação do registo arqueológico. Trad. João Zilhão. Lisboa: Publicações Europa-América Ltda, 1991.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas Ciencias Sociais. Trad. Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 2002.

DAVID, N.; KRAMER, C. Ethnoarchaeology in Action. Cambridge, Cambridge UniversityPress, 2001.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália/Émile Durkheim; tradução de Paulo Neves – São Paulo: Martins Fontes, 1996.

FELICE, Gisele D. Sitio Toca do Boqueirão da Pedra Furada, Piauí – Brasil: estudo comparativo das estratigrafias extra sitio. 2000. 121 f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal do Pernambuco, Pernambuco.

GAMBLE, C. Arqueologia básica. Barcelona: A&M GRAFIC, 2002.

GASPAR, M.D. A arte rupestre no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

GUIDON, N.; BUCO, C. A..“O estado da arte”: as pesquisas arqueológicas e o desenvolvimento regional do Parque Nacional Serra da Capivara.In: PELEGRINI, S.;PINHEIRO, A. P. Tempo, Memória e Patrimônio Cultural. Teresina: EDUFPI, 2010.

JOHNSON, M. Teoría arqueológica: una introducción. Barcelona: Editorial Ariel. 2000.

JUSTAMAND, M. O Brasil desconhecido: as pinturas rupestres de São Raimundo Nonato – Piauí. Rio de Janeiro: Achiamé, 2010.

JUSTAMAND, M. As pinturas rupestres do Brasil: memória e identidade ancestral. Revista Memorare, Tubarão, v. 1, n. 2, p. 118-141, jan-abr. 2014.

KLUCKHOHN, Cylde. Antropologia: um espelho para o homem. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1972.

KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC, 2002.

LEROI-GOHRAN, Andre. As religiões da Pré-história. Lisboa: Edições 70, 1982.

LEROI-GOUHRAN, A. Os caçadores da pré-história. Lisboa: Edições 70, 2001.

MARTIN, G. A Pré-história do Nordeste. Pernambuco: Editora UFPE: 2008.

MOBERG, Carl-Axel. Introdução à Arqueologia. Lisboa: Edições 70, 1968.

OLIVEIRA, Claudia A. Os Ceramistas Pré-históricos do Sudeste do Piauí. In: FUMDHAMENTOS. São Raimundo Nonato - PI, no 3, p.147-162, 2003.

PARSONS, Talcott. A estrutura da ação social: um estudo de Teoria Social com especial referência a um grupo de autores europeus recentes. Vol. I: Marshall, Pareto, Durkheim/TalcottParsons; tradução de Vera Josecelyne; revisão técnica e da tradução de Raquel Weiss: Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

PARSONS, Talcott. A estrutura da ação social: um estudo de Teoria Social com especial referência a um grupo de autores europeus recentes. Vol. II: Marshall, Pareto, Durkheim/TalcottParsons; tradução de Vera Josecelyne; revisão técnica e da tradução de Raquel Weiss: Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

REIS, J.A. Arqueologia dos buracos de brugre: uma pré-história do planalto meridional. Caxias do Sil: EDUSC, 2002.

REIS, J.A. “Não pensa muito que doí”: um palimpserto sobre teoria na arqueologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

TRIGGER, Bruce. História do Pensamento Arqueológico. São Paulo: Odysseus Editora, 2004.

WEBER, Max. Textos selecionados; traduções de Mauricio Tragtenberg; revisão de Cássio Gomes (Parl)

Downloads

Publicado

2016-01-11

Como Citar

JUSTAMAND, M.; OLIVEIRA, G. F. de. A estrutura da ação social no estudo de grupos humanos pré-coloniais do Parque Nacional Serra da Capivara - PI: Um estudo de caso. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 9, n. 2[12], p. 30–41, 2016. DOI: 10.20396/rap.v9i2.8642866. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8642866. Acesso em: 31 jan. 2023.