Algumas reflexões sobre o documentário arqueológico

Autores

  • Sarah de Barros Viana Hissa Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v9i2.8642867

Palavras-chave:

Documentário arqueológico. Entretenimento. Difusão.

Resumo

O documentário, entendido como recurso midiático de grande potencial para difusão do conhecimento arqueológico, é geralmente proposto a partir da fórmula: nós falamos de nós para vocês (DA-RIN, 2006). Contudo, a Arqueologia já trabalha sob outra premissa: nós falamos de nós para nós. Esta fórmula faria sentido tanto no caso de documentários produzidos tendo como público alvo a própria comunidade arqueológica, quanto para a comunidade não científica. Para atender aos distintos públicos da melhor forma, os documentários arqueológicos podem tomar formas diferentes do modelo expositivo, com vários recursos de edição, roteiro ou imagem, problematizando conceitos de temporalidade, memória, autenticidade, verdade e entretenimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sarah de Barros Viana Hissa, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda em Arqueologia no Museu Nacional da UFRJ (MN/UFRJ).

Referências

DA-RIN, Sílvio. Auto-reflexividade no documentário. IN: Cinemais: Revista de cinema e outras questões audiovisuais. Número 8, 1997. Pp. 71-92.

DA-RIN, Sílvio. Espelho partido: tradição e transformação do documentário. Rio de Janeiro: Azougue, 2006.

FOWLER, Peter. Not Archaeology and the media. IN: Archaeology and the media. California: Left Coast Press, 2007. Pp. 89-108.

HOLTORF, Cornilius. From Stonehenge to Las Vegas: Archaeology as popular culture. Oxford: Altamira Press, 2007a.

HOLTORF, Cornilius. An Archaeological fashion show. IN: Archaeology and the media. California: Left Coast Press, 2007b.

MOSER, Stephanie (conversa pessoal com Holtorf) IN: HOLTORF, Cornilius. An Archaeological fashion show. IN: Archaeology and the media. California: Left Coast Press, 2007.

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.

PICCINI, Angela. Facking it: Why the truth is so important for TV Archaeology. IN: Archaeology and the media. California: Left Coast Press, 2007. Pp.221-236.

PUCCINI, Sérgio. Roteiro de documentário: da pré-produção à pós-produção. Campinas: Papirus, 2009.

SALLES, João Moreira. A dificuldade do documentário. IN: MARTINS, José de Souza, ECKERT, C. e

NOVAES, S. C. (orgs.). O imaginário e o poético nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 2005. PP. 57-71.

SCHABLITSKY, J. The way of the Archaeologist. IN: Box Office Archaeology. Julie Schablitsky (ed). California: Left COSAT Press, 2007.

SOARES, Mariza de Carvalho e FERREIRA, Jorge. A história vai ao cinema. Rio de Janeiro: Record, 2001.

TAYLOR, T. Screening Biases: Archaeology, Television and the Banal. Archaeology and the media. California: Left Coast Press, 2007. Pp.187-201.

Downloads

Publicado

2016-01-11

Como Citar

HISSA, S. de B. V. Algumas reflexões sobre o documentário arqueológico. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 9, n. 2[12], p. 42–56, 2016. DOI: 10.20396/rap.v9i2.8642867. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8642867. Acesso em: 8 fev. 2023.