Iconografia Numismática: os dobrões de ouro cunhados na casa da moeda de Vila Rica, Minas Gerais (1724-1727)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v10i2(16).8644653

Palavras-chave:

Numismática. Iconografia. Dobrões. Ouro. Vila Rica

Resumo

A Casa da Moeda do Brasil esteve estabelecida na Província de Minas Gerais por poucos anos no início do século XVIII, durante o auge da produção de ouro no Brasil. Em Villa Rica, atual Ouro Preto, foram cunhadas as moedas da famosa série dos Dobrões, sendo a moeda de 20.000 réis a de maior valor intrínseco já circulada em todo o mundo. Este artigo analisa todos os símbolos presentes nesta série numismática correlacionando-os com a situação política e econômica da época, bem como pondera como os ícones nessas moedas refletiam o poder do Rei e da religião nas Minas Setecentistas influenciando a própria construção da identidade do brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Ribeiro Bittencourt, Universidade Federal de Minas Gerais

Felipe Ribeiro Bittencourt é Eng. Civil, Mestre e Doutor em Meio Ambiente pela UFMG e graduando em História pelo Centro Universitário Claretiano. Ex-pesquisador visitante do Environmental Change Institute da Universidade de Oxford/Inglaterra, Felipe é desde 2013 professor visitante na UFMG.

Referências

AHU, Cons. Ultra. – Brasil/MG, cx. 14, doc. 46. Representação: dos oficiais da Câmara de Vila Rica a respeito das rendas de mais de três mil oitavas de ouro despendidas com os salários dos oficiais das Casas de Fundição e Moeda e pedindo que não seja nomeado José Boaventura Vieira para carcereiro de Vila Rica. 12/07/1729.

ANTONIL, André João. Da obrigação de pagar a El-Rei nosso senhor a quinta parte do ouro que se tira das minas do Brasil. In: ANTONIL, André João (Org.) Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. São Paulo. 3 ed. p. 163-181.1976.

ARAÚJO, A. C. B. O Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, 1815/1822. Revista de História das Ideias, v. 14, p. 233-261, 1992.

BARCELOS, R. Casas de fundição e da moeda no Brasil e em Portugal: purificar o ouro, apurar as técnicas. População e Sociedade. CEPESE, Porto. Vol. 21; p. 143-163, 2013.

BERG, T. J. A construção simbólica do espaço através da representação geográfica nos símbolos nacionais. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista, p. 192, 2014. (Tese de Doutorado. Programa de pós-graduação em Geociências e Ciências Exatas) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2014.

BLACHBURN, Mark. Crosses and Conversion: The Iconography of the Coinage of Viking York ca. 900’. In: JOLLY, K.L; KARKOV, C.E. e KEEFER, S.L. (Org.). Cross and Culture in Anglo-Saxon England: Studies in Honour of George Hardin Brown, Morgantown: West Virginia University Press, 2008.

BLOCH, M. e PARRY, J. Introduction: Money and the Morality of Exchange. In: BLOCH, M e PARRY, J. (Org.). Money and the Morality of Exchange. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

BOXER, C. R. A Idade de Ouro do Brasil. São Paulo, Editora Cia Editora Nacional, 1969.

BOXER, C. R. A Idade de Ouro do Brasil: Dores de crescimento de uma sociedade colonial. Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 2000.

CAMPOS, M. V. Governo de mineiros: “de como meter as minas numa moenda e beber-lhe o caldo dourado” (1693-1737). São Paulo: Universidade de São Paulo - FFLCH, p. 479, 2002. (Tese de Doutorado. Programa de pós-graduação em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

CARLAN, C. U. Arte monetária romana: reflexo de uma propaganda. I Encontro de História da Arte, IFCH/UNICAMP. Campinas, p. 74-78, 2005.

CARLAN, C. U. A História do Brasil através da Moeda: A Primeira Casa da Moeda Brasileira - Bahia 1964. Revista Aulas. Gênero, Subjetividade e Cultura Material, UNICAMP. Campinas, p.1-12, 2006.

CARLAN, C. U. Simbologia, numismática e iconografia: a imagem como documento. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa, Universidade Unigranrio. Ano II. V. 1, n. 1, 2015.

CARRARA, A. A. A moedação e oferta monetária em Minas Gerais: as casas de Fundição e Moeda de Vila Rica. Varia História. Belo Horizonte, Vol. 26, No 43, p. 217-239, 2010.

CARRARA, A. A. À vista ou a prazo: comércio e crédito nas Minas setecentistas. Juiz de Fora: editora da UFJF, 2010.

CERULO, K. A. Sociopolitical Control and the Structure of National Symbols: An Empirical Analysis of National Anthems. Social Forces, Chapel Hill, v. 68, n. 1, p. 76-99, 1989.

CHAVES, L. A moeda na etnografia: as moedas com aproveitamento e adaptação a usos e costumes populares em Portugal. Sociedade Portuguesa de Numismática. Porto, p. 11-56, 1956.

COIMBRA, A.V. Noções de Numismática II. Revista de História, vol. 12, no 26, 1956.

FERRARO, A. R. e KREIDLOW, D. Analfabetismo no Brasil: configuração e gênese das desigualdades regionais. Educação e Realidade. V. 2, n. 29, 2004.

FILIPE, S. B. O Estado da Arte da Marca Portugal. Gestin. Ano VIII, N.º 8, p. 177-194, 2010.

FIORAVANTE, F. A governança das Minas e o processo de implantação do poder régio nas terras do ouro na primeira metade do século XVIII. Anais do Seminário Internacional Justiça, Administração e Luta Social: Dimensões do Poder em Minas. Mariana, v. 1. p. 1-20, 2010.

GALLAS, A. O. G. As moedas contam a história do Brasil. São Paulo: Magma Editora Cultural, 2007.

GOMES, A.; MAGRO, F. A. Moedas portuguesas e do território que é hoje Portugal: catálogo das moedas cunhadas para o Continente e Ilhas Adjacentes, para os territórios do Ultramar e Grão-Mestres portugueses da Ordem de Malta. Lisboa: Editora Associação Numismática de Portugal, 2007.

GONÇALVES, Cléber Baptista. Casa da Moeda do Brasil: 290 anos de história, 1694/1984. Casa da Moeda do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Casa da Moeda Imprita, 1984.

GOOCH, M. L. Money and Power in the Viking Kingdom of York. c. 895-954, Durham: Durham University, p. 371, 2011. (Tese de Doutorado. Programa de pós graduação em História) - Durham University, Durham, 2011.

GUIMARÃES, A. R. Moedas falsas e negócios: o território do lícito e do ilícito nas Minas setecentistas. Revista de Humanidades. Anais do II encontro Internacional de História Colonial, UFRN, Natal, V.9, n. 24, 2008.

JUNIOR, A. F. S. Uma etnografia do dinheiro: os projetos gráficos de papel-moeda no Brasil após 1960. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, p. 285, 2008. (Tese de Doutorado. Programa de pós graduação em Ciências Sociais), Universidade do Estado do Rio de Janeiro , Rio de Janeiro, 2008.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 1999.

MAGNUS, B. Roman Gold and the Development of the Early Germanic Kingdoms. Kungl. Vitterhets Historie och Antikvitets Akademien. Stockholm, p. 128-164, 2001.

MAUAD, A. M. História, iconografia e memória. In: SIMSOM, O. V. (Org.). Os desafios contemporâneos da História Oral, Campinas (Unicamp): Centro de Memória da Unicamp, 1997.

MOEDAS DO BRASIL, Catálogo das Moedas do Brasileiras. Moedas da série Dobrões, Vila Rica - Ouro e Moedas da série Escudos, Vila Rica – Ouro. Disponível em: . Acessado em 16/03/2016.

MORUJÃO, M. R. B. A sigilografia portuguesa em tempos de Afonso Henriques. Medievalista. Nº11, ISSN 1646-740X, 2012.

PEGORARO, J. W. Oficiais a serviço do Império Português: A estrutura jurídico-administrativa lusitana no século XVIII. Revista Jurídica. v. 2, n. 35, p. 1-23, 2014.

PINTO, V. N. O ouro brasileiro e o comércio anglo-português. São Paulo: Editora Nacional, 1979.

RAMOS, M. C. Cruzeiro: O meio circulante brasileiro como ideologia e propaganda do Estado Novo. XV Encontro Regional de História de ANPUH-RIO. São Gonçalo, Rio de Janeiro. ISBN 978-85-65957-00-7, 2012.

RENGER, F. E. . O quinto do ouro no regime tributário nas Minas Gerais. Revista do Arquivo Público Mineiro, v. 42, p. 90-105, 2006.

RINALDI, R; NERY, V. C. A. O Real significado: análise semiótica das cédulas do plano real. Revista IDEA. V.1, n.1, 2009.

SANTANTA, E. Evasão fiscal e tributação do ouro nas Minas Gerais do século XVIII. Revista Urutágua. No 20. p. 65-74. ISSN 1519.6178, 2010.

SANTOS, S. A. O discurso do Real: metáfora da brasilidade. Estudos Linguísticos XXXV, p. 1802-1807, 2006.

SILVERINHA, M. J. Moeda e Construção Europeia: Uma abordagem identitária. III SOPCOM, VI LUSOCOM e II IBÉRICO, Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal. Vol. IV, p. 491- 501, 2004

Downloads

Publicado

2016-07-14

Como Citar

BITTENCOURT, F. R. Iconografia Numismática: os dobrões de ouro cunhados na casa da moeda de Vila Rica, Minas Gerais (1724-1727). Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 10, n. 2[16], p. 69–85, 2016. DOI: 10.20396/rap.v10i2(16).8644653. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8644653. Acesso em: 5 dez. 2021.