As contas de vidro em contextos arqueológicos e a importância das coleções de etnologia africana e afro-brasileira do MAE/USP para estes estudos.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v11i1.8646297

Palavras-chave:

Contas de vidro. Contato euro-indigena. Diáspora africana. Acervos. Objetos.

Resumo

As contas de vidro estão significativamente presentes nos registros arqueológicos de origem histórica, principalmente em sítios de contato ou relacionados à diaspora africana no Brasil, EUA e Caribe. Esses objetos eram produzidos na Europa e faziam parte de uma rede comercial internacional que as destribuiam através das rotas mercantilistas da época, alcançando as colonias americanas. Destacamos o potencial das coleções de etnologia africana (MAE/USP) para estas pesquisas, possibilitando análises e correlações através da comparação destas contas  arqueológicas com as contas de vidro africanas ou de origens históricas dos candomblés do Brasil e que fazem parte do acervo etnográfico do museu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Luís Lopes de Lima, Universidade de São Paulo

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Arqueologia do MAE/USP, é graduado em Ciências Sociais pela UNESP de Araraquara e Pós-Graduado (Lato Sensu) em Arqueologia, História e Sociedade pela Universidade de Santo Amaro (UNISA).

Marta Heloísa Leuba Salum, Universidade de São Paulo

Professora de Etnologia Africana do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP; especialista em Arte Africana e responsável pelo acervo de Etnologia Africana e Afro-braisleira do MAE.

Referências

AGOSTINI, Camila. Resistência cultural e reconstrução de identidades: um olhar sobre a cultura material de escravos do século XIX. Revista de História Regional, v. 3, n. 2, 2007.

AMARAL, Rita. A coleção etnográfica de cultura religiosa afro-brasileira do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 10, p. 255-270, 2000.

AMARAL, Rita. Notas sobre o processo transformativo da cultura material dos cultos afro-brasileiros, In: Congresso Virtual, 2002. Disponível em: http://www.equiponaya.com.ar/congreso2002/ponencias/rita_amaral.htm Acesso em 15/15/2015.

BECK, Horace C. Classification and nomenclature of beads and pendants. George Shumway Publisher, 1973.

BRITO, Patrícia Carolina Letro; De conta em conta: rotas atlânticas e comércio no Rio de Janeiro. O caso do cais do Valongo. Dissertação de Mestrado, Museu Nacional (UFRJ), Rio de Janeiro, 2015

CARNEIRO DA CUNHA, Marianno; Arte afro-brasileira. In: ZANINI, Walter (Org.); História Geral da Arte no Brasil. Instituto Walther Moreira Salles, 1983.

DREWAL, Henry John; MASON, j. Beads, Body and Soul: Art and Light in the Yoruba Universe; Los Angeles: UCLA, 1998.

DUBIN, Lois Sherr. The history of beads from 30,000 BC to the present. Harry N. Abrams. Inc., 1987.

GORDENSTEIN, Samuel Lira. De sobrado a terreiro: a construção de um candomblé na Salvador oitocentista. Tese de Doutorado em Antropologia. UFBa, Salvador, 2014.

GORDON, Albert F. The tribal bead : a handbook of African trade beads. New York : Tribal Arts Gallery, 1976.

GUIMARAES, Marcia Barbosa da Costa; OLIVEIRA, Jeanne Cordeiro; Arqueologia do Quintal Beneditino: os escravos da religião. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE DE ARQUEOLOGIA BRASILEIRA, 17., 2013, Aracaju. Resumos. Disponível em http://www.xviicongresso.sabnet.com.br/download/download?ID_DOWNLOAD=173 Acesso 22/12/2015.

HODDER, Ian. Interpretación en Arqueología. Corrientes Actuales. Barcelona: Crítica, 1994.

IPHAN; NAJJAR, Rosana (Coord.) Arqueologia no Pelourinho. Brasilia: Iphan / Programa Monumenta, 2010.

LAMPARELLI, Mário de Campos Andrade. Sonoridade de África e Brasil: Materialidade e diálogo na documentação de peças do acervo do MAE;USP; São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia/USP. 2014.

LIMA, Arqueologia histórica no Brasil: balanço bibliográfico (1960-1991). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, v. 1, n. 1, p. 225-262, 1993.

LIMA, Arqueologia como ação sociopolítica: o caso do Cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX. Vestígios, Revista Latino Americana de Arqueologia Histórica, v. 7, p. 177-204, 2013.

LODY, Raul Giovanni da Motta. Jóias de Axé: fios-de-contas e outros adornos do corpo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

LOPES, Nei. Novo dicionário banto do Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2003.

ORSER, Charles E. The archaeology of African-American slave religion in the antebellum South. Cambridge Archaeological Journal, v. 4, n. 01, p. 33-45, 1994.

RUIBAL, Alfredo González. La experiencia del otro: una introducción a la etnoarqueología. Barcelona: Ediciones Akal, 2003.

SALUM, Marta Heloísa Leuba. CERAVOLO, Suely Moraes. Considerações sobre o perfil da coleção Africana e Afro-brasileira no MAE-USP, Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, n. 3, p.167-185, 1993.

SALUM, Marta Heloísa Leuba. Por mais que sejam belas, que dizem simples contas?. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE DE ARQUEOLOGIA BRASILEIRA, 15., 2010, Belém. Anais, Belém: SAB, 2011.

SILVA, Andersen Liryo. Saúde bucal dos escravos da Sé de Salvador, Bahia, séc.XIX; Revista de Estudos Americanos, volume 1; n1; jan-jul. 2011

SCATAMACCHIA, Maria Cristina Mineiro; UCHÔA, Dorath Pinto. O contato euro-indígena visto através de sítios arqueológicos do estado de São Paulo. Revista de Arqueologia. Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB). Vol. 7. São Paulo, 1993. Pp. 153-173

STINE, Linda France; CABAK, Melaine A.; GROOVER, Mark D. Blues Beads as African-American Cultural Symbols. Historical Archaeology, 30 (3), p.49-75, 1996.

SYMANSKI, Luís Claudio Pereira. A Arqueologia da Diáspora Africana nos Estados Unidos e no Brasil, Afroasia, n.49, p.159-198, 2014

SYMANSKI, Luís Claudio Pereira. OSÓRIO, Sérgio Rovan. Artefatos reciclados em sítios arqueológicos de Porto Alegre. Revista de Arqueologia, n.9, p. 43-54, 2015

SYMANSKI, Luís Claudio Pereira. O domínio da tática: práticas religiosas de origem africana nos engenhos de Chapada dos Guimarães (MT) . Vestígios- Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, Belo Horizonte, v.1, n.2, p.9-36, 2007.

SYMANSKI, Luís Claudio Pereira; SOUZA, M. A. O registro arqueológico dos grupos escravos: questões de visibilidade e preservação. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, v. 33, p. 215-243, 2007.

TAVARES, Aurea Conceição Pereira. Vestígios materiais na antiga Sé de Salvador: postura das instituições religiosas africanas frente à Igreja Católica em Salvador no período escravista. Dissertação de mestrado. Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2006.

TAVARES, R B; Cemitério dos pretos novos, Rio de Janeiro, século XIX: Uma tentativa de delimitação espacial. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009.

TORRES, Andreia Martins. As contas a bordo da fragata Sto. António de Taná (1697): um exemplo de intercâmbios num mundo global. História Revista, v. 18, n. 2, p. 8, 2013.

UCHÔA, Dorath Pinto; SCATAMACCHIA, Maria Cristina Mineiro; GARCIA, Caio Del Rio. O Sítio Cerâmico do Itaguá: Um sítio de contacto no litoral do Estado de São Paulo, Brasil. Revista de Arqueologia. Belém. Vol. 2. Número 2. Julho/dezembro de 1984. Pp. 51-59.

VERGER, Pierre Fatumbi; Notas sobre o culto dos Orixás e Voduns na Bahia de todos os santos, no Brasil, e na antiga costa dos escravos na África; São Paulo: Edusp, 2012

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

LIMA, A. L. L. de; SALUM, M. H. L. As contas de vidro em contextos arqueológicos e a importância das coleções de etnologia africana e afro-brasileira do MAE/USP para estes estudos. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 11, n. 1[18], p. 3–17, 2017. DOI: 10.20396/rap.v11i1.8646297. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8646297. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos