A arte rupestre pelo olhar da historiografia brasileira: uma história escrita nas rochas

Autores

  • Michel Justamand Universidade Federal do Amazonas
  • Suely Amâncio Martinelli Universidade Federal da Bahia
  • Gabriel Frechiani de Oliveira Universidade Federal de Sergipe
  • Soraia Dias de Brito e Silva Universidade Aberta do Brasil

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v11i1.8648451

Palavras-chave:

Arte-rupestre. Historiografia

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo abordar a história da arte rupestre no Brasil, partindo de uma perspectiva historiográfica que abrange as principais referencias da temática no período colonial, monárquico e republicano no Brasil. Destarte, esses relatos estão contidos nas falas de religiosos, militares, naturalista, cientista e estudiosos que visavam responder questões relacionadas a origem e o sentido daqueles registros na rocha. Dentro desse contexto, observa-se que a necessidade dos grupos humanos deixarem suas mensagens na rochas a partir de pinturas, gravuras e desenhos são atividades antigas, essas mensagens são espécies uma memória social dos grupos humanos que a produziram, cujo o significado daquelas mensagens está perdido ao longo tempo e da história.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel Justamand, Universidade Federal do Amazonas

Graduado em História pela PUC-SP (em 2000) Licenciado em História pela PUC-SP (em 2000); Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (em 2002); Licenciado em Pedagogia pela Universidade Nove de Julho - SP (em 2003); Doutor em Ciências Sociais/Antropologia pela PUC-SP (em 2007); Pós-doutor em História pela PUC-SP (em 2012); Pós-Doutor em Arqueologia pela UNICAMP (em 2017); Docente de dedicação exclusiva no Curso de Antropologia, da Universidade Federal do Amazonas - UFAM, em Benjamin Constant; Docente Permanente no PPGSA - Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia da UFAM/Manaus; e Atua em grupos de pesquisa: na UFAM e na UNICAMP.

Suely Amâncio Martinelli, Universidade Federal da Bahia

Possui graduação em Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal de Sergipe - UFS (1983), Mestrado em Geologia Costeira com trabalho direcionado para paleoambientes e sítios pré-históricos costeiros pela Universidade Federal da Bahia ? UFBA (2001), Doutorado em Geologia Costeira com ênfase em arqueologia do litoral (sambaqui) com a tese ?Processo de formação do Sambaqui Ilha das Ostras no Conde ?BA? pela Universidade Federal da Bahia ? UFBA (2007). Pós-doutorado em Arqueologia na Universita di Pisa - Itália (2013), bolsista de Produtividade em Pesquisa CNPQ 2F (2010-2012). Professora Associada do Departamento de Arqueologia da Universidade Federal de Sergipe - UFS, ministrando as disciplinas Pré-História Brasileira II, Registros Rupestre I e II, Sítios Arqueológicos Litorâneos, professora e vice-coordenadora da Pós-graduação em Arqueologia da UFS em 2012. Primeira Secretária da SAB - Sociedade de Arqueologia Brasileira biênio 2011-2013, Presidente da Associação Brasileira de Arte Rupestre - ABAR biênio 2017-2018. Tem experiência na área de Arqueologia Pré-Histórica, Patrimônio Histórico e Cultural e Geologia Costeira.

Gabriel Frechiani de Oliveira, Universidade Federal de Sergipe

Possui graduação em Licenciatura Plena em História pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI - 2007) e especialização em Metodologia do Ensino de História e Geografia pelo Sistema Educacional EADCON (2009) e MBA em Gestão Ambiental pela UNOPAR (2013). Atualmente é aluno do Programa de Pós-Graduação em Arqueologia (PPGArq - Doutorado) da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Atuou como professor do quadro provisório e coordenador do curso de História na Universidade Estadual do Piauí (UESPI).

Soraia Dias de Brito e Silva, Universidade Aberta do Brasil

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Piauí(2015) e especialização em Biodiversidade e Conservação Ambiental pela Universidade Aberta do Brasil(2016). Tem experiência na área de Biologia Geral.

Referências

ADALBERTO, P. da P. Brasil: Amazônia- Xingu. Trad. Eduardo Lima e Castro. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2002.

AGASSIZ, L.; AGASSIZ, E.C. Viagem ao Brasil (1865-1866). Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo, EDUSP, 1975.

BAHN, P. A. Guide the to decorated Ice Ages caves of Europe. London: Frances Lincoln Publishers, 2012.

BARLÉU, G. História dos fatos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Prefácio e notadas de Mario G. Ferri. Belo Horizonte: Editora Itatiaia: São Paulo, Edusp, 1974.

BATES, H.W. Um naturalista no rio Amazonas. Trad. Regina Regis Junqueira. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1979.

BEDNARIK, R.; ACHRATI, A.; CONSENS, M.; COIMBRA, F.; DIMITRIADIS, G.; HUISHENG, T.; MUZZOLINI, A.; SEGLIE, D.; SHER, Y.A. (Eds). Rock Art Glossary. A multilingual dictionary.Turnhout: Brepols Publishers, 2003

BEDNARIK, R. G. Rock Art Science: The ScientificStudyofPalaeoart. New Delhi: Aryan Books International, 2007.

BRANDÃO, A. A Escripta Prehistoria do Brasil (Ensaio de Interpretação). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira S.A, 1937.

BURMEISTER, H. Viagem ao Brasil através das Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais: visando especialmente a história natural dos distritos auridiamantíferos. Trad. Manoel Salva Terra e HobertSchoenfeltd. Belo Horizonte: Editora Itatiaia: São Paulo: EDUSP, 1980.

BURTON, R. F. Viagem do Rio Janeiro a Morro Velho. Apresentação e notas Mario Guimarães Ferri. Trad. Davi jardín Junior. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1976.

CARDIM, F. Tratados da Terra e Gente do Brasil. introd. Batista Caetano; Capistrano de abreu e Rodolfo Garcia. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978.

CASAL, M.A. Corografia Brasílica ou relação Histórico Geográfica do Reino do Brasil. Serie Brasílica. São Paulo: Edições cultura, Tomo I, 1943.

CAVALCANTE, T.LV. As pegadas de São Tomé: ressignificações de sítios rupestres. Revista de Arqueologia, v. 21, nº 2, 2008, p.121-137.

CONSENS, M.; SEDA, P. Fases, estilos e tradições na arte rupestres do Brasil: a incomunicabilidade científica. Revista do Museu Paulista. São Paulo, EDUSP, v. XXVIII, p.33-58, 1980.

CORREIA, Ana Clélia Barradas. Nos passos do herói santo: na História, na arqueologia e na mística popular. Recife, 1992. 120 f. Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1992.

COSTA, Angyone. Introdução à arqueologia brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1980.

COUDREAU, H. Viagem ao Tapajós. Trad. Eugênio Amado. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1977 A.

COUDREAU, H. Viagem ao Xingu. Trad. Eugênio Amado. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1977 B.

D’ABBEVILLE, C. História da missão dos padres capuchinos na ilha do Maranhão e suas circunvizinhanças. São Paulo: Sciliano, 2002.

D’ORBIGNY, A. Viagem pitoresca através do Brasil. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1976.

DEBRET, J.B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Rio de Janeiro: Circulo do Livro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2 v.,1986.

DENIS, F. Brasil. Prefacio Mario Guimarães Ferri. Trad. João Etiene Filho e Malta Lima. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1980.

DIÁLOGOS DA GRANDEZA. Introd. Capistrano de Abreu; notas de Rodolfo Garcia. São Paulo/ Brasília: Melhoramentos/ INL, 1977.

ESCHWEGE, W.L. Brasil, Novo mundo. Trad. Domingo de Figueredo Murta. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1996.

ETCHEVARNE (org), C. Escrito na pedra: cor, forma, movimento nos grafismos rupestres da Bahia, Writtenonstone: color, formandmovement in the rock graphicsof Bahia. Rio de Janeiro: Versal, 2007.

FRANCH, J.A. El Arte Precolombiana. Madrid: Grupo Amaya, 1991

FREIREYSS, G.W. Viagem ao interior do Brasil. Trad. A. Lofgren. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1982.

FUNARI, P. P. Arqueologia. São Paulo: Editora Ática, 2010.

GADNER, G. Viagem ao interior do Brasil. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia: São Paulo: EDUSP, 1979.

GAMBLE, C. Arqueologia básica. Barcelona: A&M GRAFIC, 2002.

GANDAVO, P. de M. História província Santa Cruz. Tratado da terra do Brasil. Introd, Capistrano de Abreu. São Paulo: Editora Obelisco, 1964.

GASPAR, M.D. A arte rupestre no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

GUIDON, N. PeinturespréhistoriquesduBrésil: l’art rupestre du Piauí. Paris: EditionsRecherchessurlescivilisations, 1991.

GUIDON, Niede. A Fundação Museu Homem Americano e o Parque Nacional Serra da Capivara: um relato sucinto de quatro décadas de pesquisas. In: Os Biomas e as Sociedades Humanas na Pré-história da região do Parque Nacional Serra da Capivara. Anne-Marie Pessis, NièdeGuidon, Gabriela Martin. São Paulo: A&A Comunicação, 2014 A, vol. A, p.26- 44.

GUIDON, Niède. Arqueologia da região do Parque Nacional Serra da Capivara. Com ciência, São Paulo. Disponível em: http://www.comciencia.br/reportagens/arqueologia/arq10.shtml. Acesso em: 14, set. 2003

GUINEA, M.A.G. Altamira: Princípio del Arte. Bilbao: imprensa industrial S.A., 1980.

HETZEL, B; NEGREIROS et al. PrehistoryofBrazil. Rio de Janeiro: Manati, 2007.

HOLTEN; B. STERLL, M. PeterLund e as grutas com ossos em Lagoa Santa. Belo Horizonte: EDUFMG, 2011.

HUISHENG, T.; MUZZOLINI, A.; SEGLIE, D.; SHER, Y.A. (Eds). Rock ArtGlossary. A multilingualdictionary.Turnhout: BrepolsPublishers, 2003

JUSTAMAND, M. O Brasil desconhecido: as pinturas rupestres de São Raimundo Nonato – PI. Rio de Janeiro: Achiamé, 2011.

KOCH-GRUNBERG, T. Petroglifos Sul-Americano. Trad. João Batista Poça da Silva. Belem: Museu Paraense Emilio Goeldi. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2010.

KOSERITZ, C.V. Imagens do Brasil. Trad. Afonso Arinos de Melo Franco. São Paulo: Livraria Martins Fontes. São Paulo: EDUSP, 1972.

KOSTER, H. Viagens ao Nordeste do Brasil. Trad. Luís da Câmara Cascudo. São Paulo, Porto Alegre, Recife: Companhia Editora Nacional, 1942.

LAMING-EMPERAIRE, A. L’ArtPrehistorique: Peintures, gravures et sculptures rupestres. Paris: Braunet Cie, 1951.

LAMING-EMPARIE, Annette. Le problem des orgines americaines: theories, hypothèses, documents. Paris: Editions de lamaison des sciences de l´homme, 1980.

LEROI-GOUHRAN, A. O gesto e a palavra: técnica e linguagem. Lisboa: Edições 70, 1964.

LEROI-GOURHAN, A. Arte y Grafismo em la Europa Prehistoria. Madrid: Colegio Universitario de Ediciones Istmo, 1984.

LERY, J. Viagem à terra do Brasil. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1960.

LEWIN, R. Evolução Humana. São Paulo: Atheneu Editora, 1999.

LUCCOCK, J. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil. Trad. Milton da Silva Rodrigues. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1975.

MACEDO, F. F. de. Ethnogénie Bresiliene. Lisboa: Imprimerie Nationale,1886.

MAGALHÃES, G.C. de. O selvagem. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP. 1975.

MARANCA, S. A pintura rupestre no sudeste do estado do Piauí. Revista do Museu Paulista. São Paulo: USP, vol. XXVIII, 1982, p.169-173.

MARTIN, G. Apontamentos para uma História da Arqueologia Brasileira (I). Revista Clio História. Recife: EDUFPE, nº 1, p.113-122, 1977.

MARTIN, G. Apresentação. In: DANTAS, J.A. Indícios de uma civilização antiquíssima (manuscrito existente no Instituto Histórico e Geográfico Paraibano). Biblioteca Parnaibana. João Pessoa: Editora União, 1994.

MARTIN, G. A Pré-História do Nordeste. Pernambuco: Editora UFPE, 2008.

MARTIUS, C.F. Von; SPIX, J.B. von. Viagem pelo Brasil. São Paulo: Edições Melhoramentos, vol. 2, 1979.

MARTIUS, C.F. Von; SPIX, J.B. von. Viagem pelo Brasil. São Paulo: Edições Melhoramentos, vol. 3, 1979.

MELLO E ALVIM, M.C. Os antigos habitantes da área arqueológica de Lagoa Santa, Minas Gerais, Brasil – estudo morfológico. Arquivos do Museu de História Natural. Belo Horizonte, UFMG, nº 2, p.119-173, 1977.

MOBERG, C. Introdução à Arqueologia. Lisboa: Edições 70, 1968.

MONZON, S. A representação humana na arte rupestre do Piauí: comparações com outras áreas. Revista do Museu Paulista. São Paulo: USP, vol. XXVIII, 1982, p.169-173.

MORAES, A. V. A ocupação humana na região de Pedro Leopoldo e Lagoa Santa – Minas Gerais: pré-história, etnologia e colonização. Revista do Museu Paulista. São Paulo: USP. Volume XXI, 1974, p.30-46

NERI, F. J. de S. O país das Amazonas. Trad. Ana MazurSpira. Apresentação Maio Guimarães Ferri. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1979.

NETTO, C. X. A. A arte rupestre no Brasil: Questões de transferência e representação da informação como caminho para intepretação.2011, 195 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação), Instituto Brasileiro em Informação em Ciência e Tecnologia. . Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

NEVES, W. E. O povo de Luzia: em busca dos primeiros americanos. São Paulo: Globo, 2008.

OLIVEIRA A, A. S. de N. O povoamento colonial do sudeste do Piauí: indígenas e colonizadores, conflitos e resistência. 2007, 201 f. Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2007.

OLIVEIRA, G.F. As pinturas rupestres dos Sítios arqueológicos Toca do Martiliano, Toca da Boca do Sapo e Toca da Invenção no Parque Nacional Serra da Capivara - PI: um estudo de caso. 2014. 150 f. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Programa de Pós-graduação em Arqueologia, Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2014.

PEREIRA JUNIOR, J.A. Introdução ao estudo da arqueologia brasileira. São Paulo: EDUSP, 1967.

PEREIRA, E. A arte rupestre de Monte Alegre Pará, Amazônia, Brasil. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2012.

PEREIRA, E. Arte Rupestre na Amazônia. Museu Paraense Emilio Goeldi. São Paulo: UNESP, 2003.

PESSIS, A. M. Do estudo das gravuras pré-históricas no Nordeste do Brasil. Revista Clio Arqueológica. Recife, UFPE, nº 15, 2002, p.29-44.

PINKER, S. Como mente funciona. Tradução Laura Teixeira Morta. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PINTO, E. Os indígenas do Nordeste. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1935.

PITTA, S. R. História da América Portuguesa. São Paulo: Editora Brasileira Ltda, 1964.

POHL, J. E. Viagem no interior no Brasil. Trad. Milton Amado e Eugênio Amado. Belo Horizonte: Editoria Itatiaia: São Paulo: EDUSP, 1976.

PROUS, A. Missão do estudo da arte rupestre de Lagoa Santa. Arquivos do Museu de História Natural. Belo Horizonte, UFMG, vol. 2, p.51-66, 1977.

PROUS, A. Arqueologia Brasileira. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1992.

PROUS, A. Arqueologia, Pré-histórica e História. Pré-história da Terra Brasilis. Maria Cristina Tenório. Rio de Janeiro, EDUFRJ, 1999, p.19-34.

PROUS, André. O Brasil antes dos brasileiros: a pré-história do nosso país. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.

PROUS et al. Brasil rupestre; Arte Pré-histórica brasileira. Curitiba: Zenerane Livros, 2007 B.

RAMOS, B. A. da Silva. Inscripções e tradições da América Préhistórica. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1930.

REIS, J. A. “Não pensa muito que doí”: um palimpserto sobre teoria na arqueologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

RICE, A. H. Exploração da Guiana brasileira. Trad. LacyrSchettino. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1978.

ROOSEVELT, T. Nas selvas do Brasil. Trad. Luiz Guimarães Júnior. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura, 1943.

RUGENDAS, J. M. Viagem pitoresca através do Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

SALVADOR, F. V. do. História do Brasil. São Paulo: Melhoramentos, 1965.

SAMPAIO. T. O Rio São Francisco: trechos de um diário e a chapada Diamantina. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia, 1998.

SCHAAN, D. Marajó: Arqueologia, Iconografia, História e Patrimônio – Textos selecionados. Erechim: Habilis Editora, 2009.

SCHAAN, D.. Arqueologia do Acre: do Pronapaba às pesquisas sobre Geoglifos. Arqueologia da Amazônia Ocidental: Os Geoglifos do Acre. Belém: EDUFPA. Rio Branco: Biblioteca da Floresta Marina Silva, 2008, p.15-44.

SCHMITZ, P. I. O estudo das indústrias líticas: PRONAPA, seus seguidores e imitadores. In: Das pedras aos homens: tecnologia lítica na arqueologia brasileira. Belo Horizonte, FAPEMIG, AGUMENTUM, 2007.

SCHMITZ, P.I. A Sociedade de Arqueologia Brasileira: a fundação e os primeiros mandatos. In: SCHAAN, D.; BEZERRA, M (orgs.). Construindo a arqueologia no Brasil: a trajetória da Sociedade da Arqueologia Brasileira. Belém: GKNORONHA, 2009.

SCHMITZ, A. Indústrias líticas em contexto: o problema Humaitá na arqueologia sul brasileira. Revista de Arqueologia. Sociedade Brasileira de Arqueologia, volume 23, número 2, 2010, p.46-67.

SCHÜLLER, R. A Nova Gazeta da Terra do Brasil. Anais da Biblioteca Nacional, vol. XXXIII, 1915.

SCHWARCZ, L. Espectáculo das raças. São Paulo. Companhia das Letras, 1999.

SCHWENNHAGEN, L. Fenícios no Brasil. Rio de Janeiro: Livraria Editora Cátedra, 1986.

SOLÁ, M.C. Arte rupestre: Imagens da Pré-história. In: História Pré-Colonial do Brasil. Ivan Alves Filho (coord.). Rio de Janeiro: Europa Empresa Gráfica e Editora, 2000.

SOUSA, G. S. Tratado Descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Companhia Editora Nacional; EDUSP, 1971.

SOUTHEY, R. História do Brasil. Trad. Luís Joaquim Oliveira e Castro. São Paulo: Editora Melhoramentos, 1977, vol. 1.

STRADELLI, E. Lendas e notas de viagem a Amazônia. Trad. Aurora Fornoni Bernardini. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

THEVET, A. Singularidades da França Antártica. Trad. Eugênio Amado. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1978.

VASCONCELOS, S. de. Crônica da Companhia de Jesus. Rio de Janeiro: Editora Petrópolis, vol. 1, 1977.

WALLACE, A. R. Viagens pelo rio Amazonas e Negro. Trad. Eugenio Amado. Belo Horizonte: Editora Itatiaia. São Paulo: EDUSP, 1979.

WALTER, H. V. Arqueologia da região de Lagoa Santa- Minas Gerais. Rio de Janeiro: Sedegra, 1958.

WILLEY, G.R.; PHILLIPS, PHILLIP. Methodand Theory in American Archaeology. Chicago: The University of Chicago, 1970.

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

JUSTAMAND, M.; MARTINELLI, S. A.; OLIVEIRA, G. F. de; SILVA, S. D. de B. e. A arte rupestre pelo olhar da historiografia brasileira: uma história escrita nas rochas. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 11, n. 1[18], p. 130-172, 2017. DOI: 10.20396/rap.v11i1.8648451. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8648451. Acesso em: 31 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos