Banner Portal
Voulez vous un café:
PDF

Palavras-chave

Louças Brancas
Belle Époque Manauara
Arqueologia Histórica
Fetiche capitalista
Simbolismo.

Como Citar

PEDROSA SANTOS, Tatiana de lima; RAMOS, Tammy Rosas. Voulez vous un café: : cultura e consumo na Manaus do século XIX-XX. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 12, n. 2[21], p. 51–70, 2018. DOI: 10.20396/rap.v12i2.8652468. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8652468. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

A inquietação com a prosperidade e com o progresso pode ser entendida como uma das primeiras e mais essenciais preocupações dos ideais liberalistas. Com a chegada das inovações tecnológicas do final do século XIX, assim como nos problemas que seu decorrer veio a apresentar, a manutenção da ordem e de uma vida sem os males sociais, bem como o status, apenas mostrou-se mais almejada pela sociedade durante esse período. Já no início do século XX, em decorrência de uma cadeia de mudanças globais, iremos ver uma serie de transformações que também tangenciarão os hábitos diários da população, típicas do fetichismo capitalista. E nesse cenário a Manaus da virada do século XIX para o XX não fugirá a esta regra! Esse “espírito alegre de vida parisiense” contagiará os modos e os costumes dos que viviam esses “novos ares”. E isso há de ser materializado!  Esta pesquisa tem a ver com a imaterializarão desses hábitos nas louças brancas.  Pretende-se, através das louças brancas da Manaus da Belle Époque apresentar as expressões de um costume de época impresso nas mesmas, e também relacioná-las com o período histórico em que foram cingidas e forjadas. Ao tentar perceber como desempenhavam um papel importante na sociedade, ancoradas pelo significado simbólico, e quais as dinamicidades estavam envolvidas entre consumo e sociedade.

https://doi.org/10.20396/rap.v12i2.8652468
PDF

Referências

APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Tradução de Agatha Bacelar. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2008.

BRANCANTE, E. F. O Brasil e a Cerâmica Antiga. São Paulo: Cia. Litográfica Ipiranga, 1981.

COSTA, Diogo M. Algumas abordagens teóricas na arqueologia histórica brasileira. Arqueologia/Artigos, 2013, p.30-32.

DEETZ, James. In Small Things Forgotten: An Archaeology of Early American Life. United States: Knopf Doubleday Publishing Group, 2010.

ELIAS, N. O processo civilizador: Uma história dos costumes. Vol.1. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

SANTOS, Francisco Jorge dos. História geral da Amazônia. 3ª ed. Rio de Janeiro: MEMVAVMEM, 2009.

KERN, Arno Alvarez . La reconstituyción arqueologica del pasado: el papel de las teorias como instrumental heuristico. Revista Literatas , v. 1, p. 03-16, 2013.

LATOUR, Bruno. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses Fe(i)tiches. Bauru: Edusc, 2002.

LIMA, Tânia Andrade. Arqueologia Histórica: algumas considerações teóricas. Comunicação apresentada ao I Seminário de Arqueologia Histórica. SPHAN/FNPM, outubro de 1985, Rio de Janeiro. 13p.

______. Pratos e mais pratos: louças domésticas, divisões culturais e limites sociais no Rio de Janeiro, século XIX. In: Anais do Museu Paulista. História e Cultura Material, ed. Nova Série Universidade, vol.3 São Paulo, 1995.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, n. 10,

p. 7 a 26, dez. 1993

POMIAN, K. Coleção. In: ROMANO, R. (Dir.). Enciclopédia Einaudi, vol.1. Memória-História. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984.

ORSER JR., C. E. Introdução à Arqueologia Histórica. Belo Horizonte, 1992. Editora: Oficina de Livros.

SANTOS, Roberto. História econômica da Amazônia (1800-1920). São Paulo: T.A. Queiroz, 1980.

SAHLINS, Marshall. Cultura na prática. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Posturas municipais, Amazonas (1838-1967). Manaus: EDUA, 2016.

SANTOS JÚNIOR, Paulo Marreiro. Manaus da Bélle Époque: tensões entre culturas, ideais e espaços sociais. XXVII Simpósio Nacional de História – Conhecimento histórico e diálogo social. Natal – RN, julho de 2013, 16p.

SYMANSKI, L. C. Pereira. Louças e auto-expressão em regiões centrai, adjacentes e periféricas do Brasil. In: ZARANKIN, A.; SENATORE, M. X. (Ed.). Arqueologia da Sociedade Moderna na América do Sul: Cultura Material, Discursos e Práticas. Buenos Aires: Ediciones del Tridente, 2002, p.31-62.

PEDROSA, Tatiana de Lima. Lugares de Nossas Memórias: A Baratinha. In: XXVIII Simpósio Nacional de História., 2015, Florianópolis. Lugares dos Historiadores: Velhos e Novos desafios., 2015.

WEINSTEIN, Barbara. A borracha na Amazônia: expansão e decadência – 1850-1920. São Paulo: HUCITEC/EDUSP, 1993.

ZARUCCHI, J. M. Visions of America: Johnson Brothers Pottery in the US Market, 1872-2002. The Journal of Popular Cultura, vol.38, Issue 1, 2004. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.0022-3840.2004.00106.x. Acesso em 29 de abril de 2018.

Souza, Rafael de Abreu e. Tigela, café e xícara: diversidade formal e dinâmicas de consumo na produção das louças brancas da cidade de São Paulo no começo do século XX. Anais do Museu Paulista, vol. 20, núm. 2, julio-diciembre, 2012, pp. 11-51

Revista Arqueologia Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.