Leprosários na Amazônia:

reflexões entre arqueologia, patrimônio e memória

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v12i2.8653155

Palavras-chave:

História da Lepra no Brasil. Arqueologia Histórica. Patrimônio Histórico. Memória. Arqueologia Amazônica

Resumo

Em função da execução de pesquisas arqueológicas e antropológicas em antigas colônias de internamento de doentes de hanseníase nos estados do Pará e do Amazonas, o artigo apresenta as convergências entre as memórias e as concepções nativas de patrimônio. O diálogo ocorre a partir das narrativas suscitadas entre os diferentes grupos sociais residentes nesses locais. Com isso, caracterizamos as perspectivas dos atuais moradores sobre o passado desses leprosários, ampliando as possibilidades apontadas em outras pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rhuan Carlos dos Santos Lopes, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPCIS), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Bolsista de Pós-doutorado/CAPES. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPCIS), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Vera Lúcia Mendes Portal, Pesquisadora Autônoma

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará, com ênfase em Antropologia (2006). Especialista em Arqueologia pela Universidade Federal do Pará (2008). Tem experiência na área de Educação com Ensino Infantil, Fundamental e Médio e Educação Patrimonial, participando do Programa de Educação da Flona de Caxiuanã, nas Olimpíadas e Feira de Ciências.

Referências

BELTRÃO, Jane Felipe. Antropologias em histórias Tembé/Tenetehara “em suspenso”. Pertenças ocultas e “etnogêneses” identitárias como faces de etnocídio “cordial” no rio Guamá (PA). Projeto de pesquisa/CNPq/Processo nº. 472303/2013-9. Belém: Universidade Federal do Pará 2013.

FOUCAULT, Michael. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1977.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

GUIMARÃES, Adriana Meinking. Aproveitamento turístico do patrimônio arqueológico do município de Iranduba, Amazonas. 2012. (Tese de Doutorado. Museu de Arqueologia e Etnologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

HALLBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

LOPES, Rhuan Carlos dos Santos. Tempos, espaços e cultura material na Vila Santo Antônio do Prata, Pará – Arqueologia em uma instituição total amazônica. 2017. (Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.

____. “Indigitado estrupício”: arqueologia e significados acerca do muro do Forte do Presépio (Belém, PA). Amazonica, v. 3, n. 2, pp. 370-390, 2011.

LOPES, R. dos S.; BELTRÃO, J. F. Patrimônio histórico e memória social: entre indígenas e ex-internos na Vila Santo Antônio do Prata, Amazônia brasileira. ContraCorrente, Revista de Estudos Literários e da Cultura, v. 9, n. 9, p. 1-15, 2016.

PESAVENTO, S. J. Cidade, Espaço e Tempo: reflexões sobre a memória e o patrimônio urbano. Cadernos do LEPAARQ, v. VII, n. 4, p. 9-17, 2005.

REBOUÇAS, João Queiroz. Paricatuba: um monumento arqueológico de caráter histórico. 2013. (Monografia de Graduação. Faculdade Arqueologia) - Universidade do Estado do Amazonas, Iranduba, 2013.

SCHAAN, Denise Pahl. Tempos, espaços e cultura material na Colônia Santo Antônio do Prata: Arqueologia Tembé/Tenetehara. Projeto de pesquisa/CNPq/Processo nº. 409284/2013-0. Belém: Universidade Federal do Pará. 2013.

SCHAAN, D. P.; MARQUES, F. L. T. Porque não um filho de Joanes? Arqueologia e comunidades locais em Joanes, Ilha de Marajó. Revista de Arqueologia, v.25, n. 1, pp. 108-123, 2012.

SCHWEICKARDT, J. C. A história da política de controle da hanseníase no Estado do Amazonas. In: SCHWEICKARDT, J. C. et al (Ed.). História e política pública de saúde. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2017. p.73-103.

SCHWEICKARDT, J. C.; XEREZ, L. M. D. hanseníase no Amazonas: política e institucionalização de uma doença. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 22, n. 4, p. 1141-1156, 2015.

SILVEIRA, F. L. da; BEZERRA, M. Paisagens fantásticas na Amazonia: entre as ruínas, as coisas e as memórias na Vila de Joanes, Ilha do Marajó. In: MAUÉS, R. H.; MACIEL, M. E. Diálogos antropológicos: diversidades, patrimonios, memórias. Belém: L&A Ed., 2012, pp. 119-149.

ZANIRATO, S. H. Sombrias memórias no patrimonio cultural protegido. Memória em rede, v.8. n.15, pp.22-39, 2016.

Downloads

Publicado

2018-12-27

Como Citar

LOPES, R. C. dos S.; PORTAL, V. L. M. Leprosários na Amazônia: : reflexões entre arqueologia, patrimônio e memória. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 12, n. 2[21], p. 31–50, 2018. DOI: 10.20396/rap.v12i2.8653155. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8653155. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos