Porque o homem é mais homem que o homem

coisas do cotidiano e do prazer sexual para além da heteronormatividade

Autores

  • Shay de los Santos Rodriguez Universidade Federal do Rio Grande

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v13i1.8654387

Palavras-chave:

Próteses Penianas, Homens trans, Masculinidades, Coisas contemporâneas

Resumo

O seguinte texto pretende apresentar o resumo da minha pesquisa de trabalho de conclusão de curso – TCC, intitulado: SE EU COMPREI, ENTÃO É MEU: coisas do cotidiano e do prazer sexual para além da heteronormatividade. Este trabalho tem o intuito de problematizar, desde uma perspectiva das ciências humanas, em especial da Arqueologia, de que o órgão genital, nesse caso o pênis, não é o fator que define o gênero de alguém. Através das análises comparativas desde as coisas contemporâneas, em específico entre as próteses penianas das lojas de Sex Shops e próteses penianas das lojas especializadas para homens trans, coloco em debate as representações fálicas de gênero, corpo, sexo, sexualidade e as masculinidades. Aponto ao fato de que tais representações são múltiplas e variadas. Portanto, se trata de um trabalho que tem como objetivo problematizar essencialismos e reducionismos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Shay de los Santos Rodriguez, Universidade Federal do Rio Grande

Mestrado em andamento em Educação pela Universodade Federal do Rio Grande. Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande.

Referências

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Tradução Fernanda Siqueira Miguens; Revista Técnica Carla Rodrigues. 1.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018. 266p.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 13. ed. Rio de janeiro. Editora: Civilização brasileira, 2017. 287p. (Coleção Sujeito & História).

CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. Editora: Nversos, 2016.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. Compreendendo o gênero, da esfera pessoal à política, no mundo contemporâneo. Tradução e revisão técnica Marília Moschkovich. 1. ed. São Paulo. Editora: Versos, 2015. 395p.

COSTA, Luis Artur; FONSECA, Tânia Mara Galli. Do Contemporâneo: o tempo na história do presente. Disponível em: http://seer.psicologia.ufrj.br/index.php/abp/article/view/107. Acesso em: 05. 04. 2018.

FACHIN, Odilia. Fundamentos de Metodologia. Edição 5. São Paulo: Saraiva, 2006.

FUNARI, Pedro Paulo. Arqueologia. São Paulo. Editora: Contexto, 2010, 125p.

KOIDE, K.; FERREIRA, M.T.; MARINI, M. Arqueologia e a crítica feminista da ciência Entrevista com Alison Wylie. Sci. stud. [online], v. 12, n. 3, p. 549-590. 2014. Disponível em: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2014/12/19/entre-a-arqueologia-a-filosofia-da-ciencia-e-o-feminismo. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662014000300008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20. 06. 2018.

LANZ, Letícia. O corpo da roupa: a pessoa transgênera entre a conformidade e a

transgressão das normas de gênero. Uma introdução aos estudos transgêneros. 2. ed.

Curitiba: Movimento Transgente, 2017. 456p.

OLIVEIRA, Rosa Maria Rodrigues de. Para uma crítica da razão androcêntrica: gênero, homoerotismo e exclusão da ciência jurídica. Revista seqüência, n. 48, p. 41-72, 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/download/15232/13852. Acesso em: 28. 05. 2018.

PEIRANO, Mariza. Etnografia Não é Método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 42, p. 377-391, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832014000200015. Acesso em: 10. 06. 2018.

PEIRANO, Mariza. Etnografia, ou a teoria vivida, Ponto Urbe [online], 2, 2008. Disponível em: http://journals.openedition.org/pontourbe/1890. Acesso em: 09. 06. 2018.

PRECIADO, Paul. Manifesto contrassexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n. 1, edições, 2014.

ROMERO, Margarita Sanches. Arqueología y género. Granada: Editorial Universidad de Granada, 2005. p. 13-51. Disponível em: http://arkeobotanika.pbworks.com/f/D%C3%ADaz-Andreu+05+Género.pdf. Acesso em: 12. 05. 2018.

SENE, Glaucia Malerba. Pela Materialidadedos gêneros: repensando dicotomias, sexualidades e identidades. In: Revista de Arqueologia. v. 30, n. 2, p. 162-175. 2017. Disponível em: http://revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB. Acesso em: 14. 07. 2018.

VELHO, Gilberto. Observando o familiar. In: Um antropólogo na cidade. Ensaios de antropologia urbana. Rio de Janeiro Jorge Zahar, 2013. p. 69-79.

Downloads

Publicado

2019-07-02

Como Citar

RODRIGUEZ, S. de los S. Porque o homem é mais homem que o homem: coisas do cotidiano e do prazer sexual para além da heteronormatividade. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 13, n. 1[22], p. 116–134, 2019. DOI: 10.20396/rap.v13i1.8654387. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8654387. Acesso em: 31 jan. 2023.