Arqueologia, museus e identidade cultural

tensionamentos queer

Palavras-chave: Arqueologia, Museus, Identidade, Diferença

Resumo

Este artigo traz inquietações acerca da relação entre arqueologia, museus e identidade cultural, à luz dos questionamentos queer. Museus e Arqueologia, como instituições modernas, têm reforçado uma identidade pautada na hetero-cis-normatividade e na branquitude.   Por sua vez, a perspectiva queer interpela qualquer noção fixa de identidade, prezando pela fluidez. Nesse sentido, busco recuperar aspectos da relação entre arqueologia musealizada e identidade cultural, a partir de alguns modelos institucionais, passando à crítica queer de como os mesmos lidam com os processos identitários. Defendo, então, a compreensão das identidades a partir do conceito diferença, trazendo exemplos da ressignificação da arqueologia musealizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Azevedo de Moraes Wichers, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Arqueologia (Museu de Arqueologia e Etnologia) pela Universidade de São Paulo e Museologia pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa. Professora em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais pela Universidade Federal de Goiás.

Referências

ANZALDÚA, Gloria. Queer(izar) a escritora – Loca, escritora y chicana. In: BRANDÃO, Izabel et al. Traduções da Cultura. Perspectivas críticas feministas (1970-2010). Florianópolis: EDUFAL/ Editora da UFSC, p. 408-425, 2017. Publicado original em 1991.

BACHILLER, Cramen Romero. Poscolonialismo y teoría queer. In: CÓRDOBA, David; SÁEZ, Javier; VIDARTE, Paco (Ed.). Teoria Queer. Políticas Bolleras, Maricas, Trans, Mestizas. Barcelona/ Madri: Editorial Egales, p. 149-164, 2009.

BANDEIRA, Arkley; POUGET, Frederic. Simpósio Aproximações da arqueologia brasileira com a Teoria Queer. IX Reunión de Teoría Arqueológica de América del Sur (TASS), Ibarra, 2018. Disponível em https://www.taasibarra.org/page29/. Acesso em: 26. 02. 2019.

BAPTISTA, Jean; BOITA, Tony. Protagonismo LGBT e Museologia social: uma abordagem afirmativa aplicada à identidade de gênero. Cadernos do Ceom, Chapecó, v. 27, n. 41, p. 175-192, 2014.

BLACKMORE, Chelsea. How to queer the past without sex: queer theory, feminisms and the archaeology of identity. Archaeologies: Journal of the World Archaeological Congress, v. 7, n.1, p. 75-96, 2011.

BOITA, Tony Willian. Cartografia etnográfica de memórias desobedientes. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2018.

BRULON, Bruno. Museologia do indizível: registro e valorização de referências da homossexualidade no Brasil (1890-2000). Resumo de projeto de pesquisa, 2019. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/9885138624847414. Acesso em: 26. 02. 2019.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Musealização da Arqueologia: um estudo de modelos para o Projeto Paranapanema. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 1995.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017. Publicado original em 1990.

BUTLER, Judith. A filósofa que rejeita classificações. Entrevista concedida à Carla Rodrigues. Revista Cult, ano 16, n.185, p. 24-29, 2013.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, n. 26, p. 329-376.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

DOWSON, Thomas A. Why Queer Archaeology? An Introduction. World Archaeology, v. 32, n. 2, p. 161-165, 2000.

GONTIJO, Fabiano de; SCHAAN, Denise P. Sexualidade e Teoria Queer: apontamentos para a Arqueologia e para a Antropologia brasileiras. Revista de Arqueologia, v. 30, n. 2, p. 51-70, 2017.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2011. Publicado original em 1992.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? IN: SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença. A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Vozes, 2014, p. 103-133. Publicado original em 1996.

KLEMBARA, Nathan. Queer Theory and Archaeology. Master of Arts in Public Archaeology at Binghamton University, 2017. Disponível em: http://mapabing.org/2017/03/02/queer-theory-and-archaeology/. Acesso em: 26. 02. 2019.

LEVIN, Amy K. (Ed.) Gender, Sexuality, and Museums. Nova Iorque: Routledge, 2010.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria Queer - uma política pós-identitária para a educação. Revista de Estudos Feministas, ano 9, n. 2, p. 541-553, 2001.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre a sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte, Autêntica, 2016.

MILLS, Robert. Queer is here? Lesbian, gay, bisexual and transgender histories and public culture. In: LEVIN, Amy (Ed.). Gender, Sexuality and Museums. Londres: Routledge, p. 80-88, 2010.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica/ UFOP, 2016.

MORAES WICHERS, Camila A. de. Museus e Antropofagia do Patrimônio Arqueológico: (des) caminhos da prática brasileira. Tese (Doutorado). Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 2010.

MORAES WICHERS, Camila A. de. Narrativas Arqueológicas e Gênero: entre Silenciamentos e Estereótipos In: AMARAL, Lilian; ROCHA, Cleomar. Patrimônios possíveis: arte, rede e narrativas da memória em contexto iberoamericano. Goiânia: Gráfica UFG, p. 65-73, 2017a.

MORAES WICHERS, Camila A. de. Sobre prática arqueológica, gentes e narrativas da memória In: CÂNDIDO, Manuelina M. D.; MORAES WICHERS, Camila A. de; COLLAÇO, Janine H. L. (Org). Patrimônios culturais: entre memórias, processos e expressões museais. Goiânia: Editora Imprensa Universitária, p. 24-38, 2017b.

MORTARA, Adriana. Museus arqueológicos. Revista de Pré História, v. 7, p. 187-188, 1989.

NUNES, Samarone. Um Nó Museológico: reflexões sobre ausências e museus. Monografia, Curso em Museologia, Universidade Federal de Goiás, 2015.

PINTO, Renato. Museus e diversidade sexual. Reflexões sobre mostras LGBT e queer. Revista de Arqueologia Pública, n. 5, p. 44-55, 2012.

POMIAN, KrzysztofI. Musée archéologique: art, nature, histoire. Le Débat, n. 49, p. 57-68, 1988.

SAA ARCHAEOLOGICAL RECORD. Towards an Inclusive Queer Archaeology. SAA Archaeological Record, v. 16, n. 1, 2016.

SALIH, Sarah. Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte, Autêntica, 2015.

SANT’ANNA, Tiago. “Queermuseu”: A apropriação que acabou em censura. Le monde diplomatique Brasil, 2017. Disponível em: https://diplomatique.org.br/queermuseu-a-apropriacao-que-acabou-em-censura/. Acesso em: 26. 02. 2019.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. Epistemology of the closet. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1990.

SILVA, Tomaz Tadeu. A produção social da identidade e da diferença. IN: SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença. A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Vozes, p. 73-102, 2014.

VOSS, Barbara. Feminisms, queer theories, and the archaeological study of past sexualities. World Archaeology, n. 32, p. 180-192, 2000.

VOSS, Barbara. Sexual effects: postcolonial and queer perspectives on the Archaeology of sexuality and empire. In: VOSS, Barbara. & CASELLA, Eleonor C. The archaeology of colonialismo. Intimate encounters and sexual effects. New York: Cambridge University Press, p. 11-28, 2012.

WORD ARCHAEOLOGY. Queer Archaeologies. World Archaeology, v. 32, n. 2, 2000.

Publicado
2019-07-02
Como Citar
Wichers, C. A. de M. (2019). Arqueologia, museus e identidade cultural. Revista Arqueologia Pública, 13(1[22]), 199-2017. https://doi.org/10.20396/rap.v13i1.8654824

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)