Banner Portal
Casas de turma da ferrovia do contestado, Santa Catarina
PDF

Palavras-chave

Patrimônio industrial
Arqueologia industrial
Ferrovia
Casas de turma

Como Citar

LINO, Jaisson Teixeira; MATIAS, Everson Semler; ARAUJO, Fabio. Casas de turma da ferrovia do contestado, Santa Catarina: um olhar arqueológico. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 13, n. 2, p. 79–96, 2019. DOI: 10.20396/rap.v13i2.8657323. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8657323. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

Pelo prisma arqueológico o presente artigo discute a contribuição histórica das casas de turmas, habitações destinadas a abrigar os funcionários responsáveis pela construção e manutenção da Linha Sul da ferrovia que ligou São Paulo ao Rio Grande do Sul, na segunda década do século XX. Não apenas a lente – da arqueologia – utilizada para analisar o passado é distinta, como é distinta também a parcela de personagens sobre a qual este estudo se debruça: os funcionários da Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande. Fazer emergir algum subsídio histórico, para a melhor investigação e consequente compreensão da industrialização da região do Contestado, no meio oeste do Estado de Santa Catarina, tanto das casas de turmas quanto dos turmeiros é o objetivo deste artigo. Para tanto, as reflexões contidas neste estudo projetam-se sobre dois elementos basilares: um alicerce bibliográfico e um alicerce arqueológico. As casas de turma foram estruturas habitacionais construídas ao longo da via-férrea e que serviram como moradia para famílias de trabalhadores deste empreendimento, seja durante a construção, seja durante a manutenção da ferrovia já em funcionamento.

https://doi.org/10.20396/rap.v13i2.8657323
PDF

Referências

BALÉE, William. Sobre a indigeneidade das paisagens. Revista de Arqueologia, 21, n.º 2: 09 – 23, 2008.

BASTOS, Teresinha Ferreira; OLIVEIRA, Vera Maria Dellatorre de. Minha Terra, Minha Gente. Um olhar sobre a história de Tangará. Paraná, 2010.

BOADO, Felipe Criado. Del Terreno al Espacio: Planteamientos y Perspectivas para la Arqueologia del Paisaje. In CAPA 6, Grupo de Investigación em Arqueología del Paisaje, Universidad de Santiago de Compostela, 1999.

CARVALHO, Miguel Mundstock Xavier de; NODARI, Eunice Sueli. As origens da indústria madeireira e do desmatamento da floresta de araucária no Médio Vale do Iguaçu (1884 – 1920). Cadernos do CEOM, Ano 21, n.º 29, 2008, p. 63 – 82.

CRUZ, Thais Fátima. No Meio do Caminho...Uma serra, a ferrovia, o café e uma vila. In.: Anais do 2º Seminário de Patrimônio Agroindustrial – Lugares de Memória. São Carlos/SP, 2010.

ESPIG, Márcia Janete. Personagens do Contestado: os turmeiros da estrada de ferro São Paulo – Rio Grande (1908 – 1915). Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, 2008.

FINGER, Ana Eliza. Vilas Ferroviárias no Brasil: Os casos de Paranapiacaba em São Paulo e da Vila Belga no Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Unb, Brasília, 2009.

GASSEN, Valcir. A Lei de Terras de 1850 e o direito de propriedade. 236 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 1994.

HEINSFELD, Adelar. A questão de Palmas entre Brasil e Argentina e o início da colonização alemã no baixo vale do Rio do Peixe/SC. Joaçaba: Ed. Unoesc, 1996.

INÁCIO, Paulo Cesar. Trabalho, ferrovia e memória. A experiência do turmeiro(a) no trabalho ferroviário. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Uberlândia – UFB, 2003.

LINO, Jaisson Teixeira. (coord.) Levantamento arqueológico sistemático Na PCH Vilincado Ibicaré e Tangará – Santa Catarina. Relatório Final de Pesquisa. Içara: Arqueosul, 2008.

LINO, Jaisson Teixeira. (coord.) Levantamento arqueológico sistemático prospectivo na PCH Salto do Sóque. Relatório Final de Pesquisa. Içara: Arqueosul, 2010.

LINO, Jaisson Teixeira. Sangue e Ruínas no Sul do Brasil: Arqueologia da Guerra do Contestado (1912-1916). Tese de Doutoramento, Vila Real: UTAD, 2011.

LINO, Jaisson Teixeira. As batalhas da guerra do Contestado: passado e presente. In: LINO, Jaisson Teixeira; FUNARI, Pedro Paulo Abreu. (Orgs). Arqueologia da Guerra e do Conflito. Erechim-RS: Habilis, 2013.

LINO, Jaisson Teixeira. A guerra do Contestado no Sul do Brasil: Um Enfoque Arqueológico. In: Elisabete Leal e Odair da Cruz Paiva. (Org.). Patrimônio e História. 1ª ed.Londrina: Editora Unifil, 2014, v., p. 125-138.

LINO, Jaisson Teixeira; SYMONDS, James. ; FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Conflict, Memory and Material Culture: The Archaeology of Contestado War (1912-1916). In: Paul Newson; Ruth Young. (Org.). Post-Conflict Archaeology and Cultural Heritage. 1ª ed.New York and London: Routledge, 2018, v., p. 72-90

MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado: a formação e a atuação das chefias caboclas (1912-1916). Campinas: Unicamp, 2004.

MARQUETTI, Délcio; SILVA, Juraci Brandalize Lopes. Cultura cabocla nas fronteiras do sul. In: RADIN, José Carlos; VALENTINI, Delmir José; ZARTH, Paulo A. (Orgs). História da Fronteira Sul. Porto Alegre: Letra&Vida; Chapecó-SC, UFFS, 2015.

RADIN, José Carlos. Um olhar sobre a colonização da fronteira sul. In: RADIN, José Carlos; VALENTINI, Delmir José; ZARTH, Paulo A. (Orgs). História da Fronteira Sul. Porto Alegre: Letra&Vida; Chapecó-SC, UFFS, 2015.

SILVA PEREIRA, Walmir. A ferrovia São Paulo – Rio Grande e os índios Xokleng – relações interétnicas e modernidade no Brasil meridional. 1995. Dissertação (mestrado), Universidade Federal de Santa Catarina.

THOMÉ, Nilson. Trem de ferro: história da ferrovia no contestado. 2ª ed. Florianópolis:

Lunardelli, 1983.

VELENTINI, Delmir José. Atividades da Brazil Railway Company no sul do Brasil: a instalação da Lumber e a guerra na região do Contestado: 1906 – 1916. 301 fl. Tese (Doutorado em História). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

VALENTINI, Delmir José. A Guerra do Contestado (1912 – 1916). In: RADIN, José Carlos; VALENTINI, Delmir José; ZARTH, Paulo A. (Orgs). História da Fronteira Sul. Porto Alegre: Letra&Vida; Chapecó-SC, UFFS, 2015.

VALENTINI, Delmir José. Processos de colonização e a população cabocla no oeste catarinense. In: VALENTINI, Delmir José; MURARO, Valmir Francisco. (Orgs). Colonização, conflitos e convivências nas fronteiras do Brasil, da Argentina e do Paraguai. Porto Alegre: Letra&Vida; Chapecó-SC, UFFS, 2015.

ZARANKIN, Andrés e ACUTO, Félix A. (Eds). Sed non satiata. Teoria social en la Arqueologia Latinoamericana Contemporanea, Buenos Aires,Ediciones del Tridente, Colección Científica, 1999.

Revista Arqueologia Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.