Corações de vidro

os possíveis aspectos funcionais das garrafas do Galeão Santíssimo Sacramento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v15i2.8659782

Palavras-chave:

Arqueologia marítima, Galeão Sacramento, Garrafas de vidro, Arqueologia histórica, Análise funcional

Resumo

Este artigo tem por proposta discutir a funcionalidade de uma coleção de garrafas de vidro que foram recuperadas do Galeão Santíssimo Sacramento afundado em 05 de maio de 1666 no litoral da cidade de Salvador, Bahia. Os artefatos, em questão, apresentam bases quadradas e são chamadas na bibliografia especializada de “case bottle”. O texto apresenta algumas características morfológicas e tecnológicas dessas garrafas, bem como traça paralelos com outras coleções recuperadas de outros naufrágios. Foram discutidos os possíveis conteúdos que elas teriam armazenado ao longo da viagem, bem como contextualiza os hábitos, as crenças e os costumes que estariam associados a esses conteúdos e, ao final, apresenta uma reflexão sobre o uso do termo “case bottle”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Silva, Instituto Estadual de Florestas do Estado de Minas Gerais

Doutorado em Arqueologia pela Universidade de São Paulo. Analista Ambiental do Instituto Estadual de Florestas (IEF) . Integrante do grupo de estudos Elementos Materiais da Cultura e Patrimônio da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ALMEIDA JR. O alcoolismo no Brasil-Colonia (origens do aguardentismo nacional). Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. XXX, jan.-mar. p. 217-245,1934.

BAVA DE CAMARGO, P. F.; ZANETTINI, P. E. . Cacos e mais cacos de vidro: o que fazer com eles? Guia arqueológico de classificação e análise. São Cristóvão: Edufs, 121 p., 2017.

BEVERIDGE, Philippa; DOMÉNECH, Ignasi; PASCUAL, Eva. O vidro: técnicas de trabalho de campo. Lisboa: Estampa, 2004.

BUARQUE, Angela. Pesquisas arqueológicas em sítios tupinambás em Araruama. In: Ana Paula de Paula Loures de Oliveira (Org.). Estado da Arte das Pesquisas Arqueológicas sobre a Tradição Tupiguarani. Juiz de Fora: MG Editora UFJF, p. 37-63, 2009.

CALZA, C. F.; OLIVEIRA, M. D. B. G.; DIAS, D. C.; COELHO, F. A. N.; FREITAS, R. P.; LOPES, R. T. Análise de peroleiras e cachimbos cerâmicos provenientes de escavações arqueológicas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas, v. 8, p. 621-638, 2013.

CUNHA, Luís Fernando. De volta ao passado, mergulhando sobre o Galeão Sacramento. Revista Marítima Brasileira, v. 110, n. 4-6, p. 31-40, 1990.

FERNANDES, João Azevedo. Selvagens Bebedeiras: Álcool e Contatos Culturais no Brasil Colonial (Séculos XVI-XVII). São Paulo: Alameda, 238 p., 2011.

FERREIRA, Joana. Distribuição do mercúrio nas águas termais e engarrafadas do norte de Portugal. Dissertação de Mestrado, Instituto Superior de Engenharia do Porto, 124 p., 2009.

FIGUERÔA, Sílvia.“Metais aos pés do trono”: exploração mineral e o início da investigação da Terra no Brasil. Revista USP, v. 22, p. 10-19, 2006.

GUILHEN, Sabine. Validação de metodologia analítica para determinação de mercúrio total em amostras de urina por espectrometria de absorção atômica com geração de vapor frio (CV-AAS). Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, 121 p., 2009.

HAYDEN, B. Practical and Prestige Technologies: The Evolution of Material Systems. Journal of Archaeological Method and Theory, 5 (1):1-55. 1998.

LIMA, Tania. Os marcos teóricos da Arqueologia Histórica: possibilidades e limites. Revista Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. XXVIII, n. 2, p. 7-23, 2002.

LIMA, Tania. Tecnologia demais, comportamento de menos: o olhar da arqueologia sobre vidros históricos. Revista Canindé, Xingó, p. 283-290, 2002.

MACEDO, J. ; SILVA, R. ; PALMA, E. . Arqueologia na Villa Aymoré: cacos, frascos e garrafas de vidro. O ideário patrimonial, v.9, P. 102-127, 2017.

MARKEN, M. Pottery from spanish shipwrecks: 1500-1800. Flórida: University of South Flórida, 1994.

McNAUGHTON, Linda; RAMSING, Mark. Revenge Queen’s Anne: shipwreck Project. p. 19, 2008.

MELLO NETO, Ulisses P. Naufrágio do galeão português Sacramento-1668. Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, Salvador, 87, p. 15-35, 1978.

MELLO NETO, Ulisses P. O galeão Sacramento. Navigator, Rio de Janeiro, n. 13, 1976.

MILLER, Daniel. Coca-cola: a black sweet drink from Trinidad. In: MILLER, D. (Ed.). Material cultures. London: UCL Press: University of Chicago Press, 1997. p. 169-187.

MUNSEY, Cecil. Gin Bottles: a historical & pictorial essay. Disponível em: http://www.cecilmunsey.com/images/1238_GIN_BOTTLES.pdf. 2019.

NOGUEIRA, Marcos. A cozinha bruta: o guia da gastronomia sem frescura. Editora Abril, 276 p., 2017.

PROSPERO, Felipe. Achados em vidro no sítio arqueológico São Francisco (SSF-01), São Sebastião-SP: levantamento e identificação dos vestígios entre os anos de 1992 e 1995. Monografia de Pós-Graduação em Arqueologia, Universidade de Santo Amaro, 89 p., 2009.

ROCHA PITA, Sebastião. História da América portuguesa. 3. ed. Salvador: Livraria Progresso, 425 p., 1950.

SANDRONI, C. O Vidro no Brasil.São Paulo: Metavídeo Produções Ltda, 1989.

SANTOS, José; DINHAM, Robert; ADAMES, Cesar. O essencial em cervejas e destilados. Editora Senac, São Paulo, 144 p., 2006.

SANTOS, Paulo. Mensagens nas garrafas: o prático e o simbólico no consumo de bebidas em Porto Alegre (1875-1930). Métis (UCS), v. 8, p. 187-214, 2011.

SENA, Vivian Karla de. Reconsiderando a materialidade no sítio arqueológico Macaguá I. Tese de Doutorado, UFPE, p. 227, 2013.

SILVA, Alberto. A primeira cidade do Brasil: aspectos seculares. Prefeitura Municipal de Salvador, 1953.

SILVA, Leandro Vieira da. As cerâmicas da Casa da Torre e do Galeão Sacramento: hierarquia social, simbolismo e ideologia nas práticas alimentares na Bahia Colonial. Tese de Doutorado, USP, 603 p., 2019.

SILVA, Railson Cotias. Nem tudo que reluz é vidro: mudanças sociais e introdução de artefatos vítreos na Salvador oitocentista. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Sergipe, 137 p., 2014.

SILVA, Tiago. Vidros a bordo da Santo Antônio de Tanná: cargas e quotidianos numa fragata de finais de século XVII. Revista Arqueogazte, p. 472-475, 2015.

SILVA, Tiago; BETTENCOURT, José. Os vidros de Baía da Horta I (Ilha do Faial, Açores) enquanto vector de interpretação de um contexto disperso. In: Arqueologia em Portugal/2017, o Estado em Questão, p. 1979-1992, 2017.

SOARES, Fernanda; GARDIMAN, GILBERTO. One More Drink: Archaebotanical analysis of beer consumption in the South Shetland (Antarctica). HABITUS, v. 15, p. 273, 2017.

SOUZA, Ricardo. Cachaça, vinho, cerveja: da colônia ao século XX. Estudos Históricos (Rio de Janeiro), FGV, v. 33, p. 56-75, 2004.

SYMANSKI, Luís. Bebidas, panacéias, garrafas e copos: a amostra de vidros do Solar Lopo Gonçalves. Revista de Arqueologia, [S.L], v. 11, n. 1, p. 71-86, dez. 1998.

THE 18th CENTURY MATERIAL CULTURE RESOURCE CENTER. Disponível em: , Acesso em: 24/05/2020, 2014.

WICKER, Frank. Bottle pickers.Disponível em: http://www.bottlepickers.com/bottle_articles375.htm. Acesso em: 25/05/2020, 2019.

WILLIAMS, Olivia. Gin Glorious Gin: How Mother's Ruin Became the Spirit of London. London: Headline, 2015.

ZANETTINI, P. E.; CAMARGO, P. F. Cacos e mais cacos de vidro: o que fazer com eles? São Paulo: Zanettini Arqueologia. [versão não publicada], 43 p., 1999.

Downloads

Publicado

2021-03-06

Como Citar

SILVA, L. Corações de vidro: os possíveis aspectos funcionais das garrafas do Galeão Santíssimo Sacramento. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 15, n. 2, 2021. DOI: 10.20396/rap.v15i2.8659782. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8659782. Acesso em: 27 nov. 2021.