Arqueologia de gênero e o estudo das mulheres romanas

perspectivas a partir das pinturas de Pompéia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v16i1.8663913

Palavras-chave:

Arqueologia de gênero, Pompeia, Pinturas parietais, Mulheres, Roma antiga

Resumo

A Arqueologia de Gênero se consolidou como campo de estudo no século XX, em meio às ações feministas que atingiam as ciências humanas, bem como pelo desenvolvimento da corrente pós-processualista na Arqueologia. A partir do estudo das fontes arqueológicas dentro dessas perspectivas, compreendeu-se que as subjetividades femininas foram diversas ao longo do tempo, e que nem sempre houve aceitação passiva à lógica patriarcal, argumento até então ditado pelas correntes cientificistas modernas. Destaca-se a importância da cultura material para a construção dos saberes sobre as mulheres romanas, haja vista que as pesquisas clássicas se mantiveram, por muito tempo, permeadas por perspectivas masculinizantes. Para tanto, é trazida uma seleção de pinturas parietais da cidade de Pompeia, as quais demonstram papéis e vivências desenvolvidos pelas mulheres romanas que se desvinculem de uma leitura estritamente patriarcal da antiguidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Isbaes, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda em História Cultural (Linha de pesquisa: Gênero, subjetividades, cultura material e cartografias) pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Possui graduação em História pela Universidade do Sagrado Coração (Bauru - SP, 2017), e especialização em História, Cultura e Poder na mesma instituição (2020). Entre 2016 e 2017 foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID/CAPES). Ganhadora do prêmio Irmã Arminda Sbríssia, como formanda com a maior média geral da Universidade do Sagrado Coração no ano de 2017. Membro do grupo de pesquisa Gênero, Sexualidade e Sociedades, vinculado ao CNPq. Possui atuação nas áreas de Gênero, Feminismos, Iconografia, História da Roma Antiga e História das Mulheres.

Referências

ALDRETE, Gregory S. Daily life in the roman city: Rome, Pompeii and Ostia. Westport: Greenwood Press, 2004.

BEARD, Mary. The fires of Vesuvius: Pompeii lost and found. Cambridge (Massachusetts): Harvard Univesity Press, 2008.

BÉLO, Tais Pagoto. Os estudos de gênero na arqueologia. In: FUNARI, Pedro Paulo Abreu; CAMARGO, Vera Regina Toledo. Divulgando o patrimônio arqueológico. Rio de Janeiro: Bonecker, 2018, p. 31-42.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. A experiência vivida. 2ª ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BROWN, Shelby. Feminist research in Archaeology: what does it mean? Why is it taking so long? In: RABINOWITZ, Nancy Sorkin; RICHLIN, Amy. Feminist Theory and the classics. Londres: Routledge, 1993.

BROWN, Shelby. “Ways of seeing” women in antiquity: An introduction to feminism in classical archaeology and ancient art history. In: KOLOSKI-OSTROW, Ann Olga; LYONS, Claire (orgs.). Naked Truths: Women, Sexuality and Gender in Classical Art and Archaeology. Londres: Routledge, 1997, p. 12-42.

BRUMFIEL, Elizabeth M. Methods in feminist gender archaeology: a feeling for difference – and likeness. In: NELSON, Sarah Milledge. Handbok of gender in Archaeology. Berkeley: Altamira Press, 2006, p. 31-58.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAVICCHIOLI, Marina Regis. As representações da sexualidade na iconografia pompeiana. 2004. Dissertação (mestrado em História). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2004.

CAVICCHIOLI, Marina Regis. A sexualidade no olhar: um estudo da iconografia pompeiana. 2009. Tese (doutorado em História), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

CAVICCHIOLI, Marina Regis. A posição da mulher na Roma Antiga: do discurso acadêmico ao ato sexual. In: FUNARI, Pedro Paulo Abreu; FEITOSA, Lourdes Madalena Gazarini Conde; SILVA. Glaydson José. Amor, desejo e poder na Antiguidade. Relações de Gênero e representações do feminino. São Paulo: Fap-Unifesp, 2014.

COLLIN, Françoise. Diferenças dos sexos (teorias da). In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNIFESP, 2009, p. 59-66.

CULLEN, Tracey. Contributions to feminism in archaeology. American Journal of Archaeology, Boston, v. 100, n. 02, p. 409-414, abr. 1996. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/506907#metadata_info_tab_contents. Acesso em: 29 dez. 2020.

DÍAZ-ANDREU, Margarita. Arqueologia crítica e humanista. São Paulo: Fonte Editorial/CNPQ, 2019.

FALCÓ MARTÍ, Ruth. La arqueología del género: Espacios de mujeres, mujeres con espacio. Valência: Universidad de Alicante/Centro de Estudios sobre la Mujer, 2003.

FEITOSA, Lourdes Madalena Gazarini Conde. Amor e sexualidade: o masculino e o feminino em grafites de Pompéia. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2005.

FEITOSA, Lourdes Madalena Gazarini Conde. Teoria da História e questões de gênero na Antiguidade Clássica. In: RAGO, Margareth; GIMENES, Renato Aloizio de Oliveira (Orgs.). Narrar o passado, repensar a História. Campinas, SP: UNICAMP/IFCH, 2014.

FINLEY, Moses Isaac. Aspectos da Antiguidade. Tradução: Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Romanas por elas mesmas. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 179-200, 1995. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1855/1976. Acesso em: 15 out. 2020.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Resenha: SAURON, Gilles. La Grande Fresque de la Villa des Mystères à Pompéi. Mémoires d’une Dévote de Dionysos. História Questões e Debates, Curitiba, n. 34, p. 283-286, 2001. Disponível em: https://www.academia.edu/4868644/Avila_dos_mist%C3%A9rios_em_Pompeia. Acesso em: 05 jan. 2021.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; SILVA, Glaydson José. Teoria da História. São Paulo: Brasiliense, 2008.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; GRILLO, José Geraldo da Costa. Arqueologia clássica: o cotidiano de gregos e romanos. Curitiba: Editora Prismas, 2015.

MAIURI, Amedeo. La peinture romaine. Suíça: Copyright, 1953.

MCCLEES, Helen. A study of women in attic inscriptions. Nova York: Columbia University Press, 1920.

MONTSERRAT, Dominic. Essay six: Reading gender in the Roman world. In: HUSKINSON, Janet (Org.). Experiencing Rome. Culture, identity and power in the Roman Empire. Londres: Routledge, 2000.

PARRA, Amanda Giacon. As religiões em Roma no Principado: Petrônio e Marcial (séculos I e II d.C.). 2010, 145 f. Dissertação (mestrado em História), Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP, Assis, 2010.

PERROT, Michelle. História (sexuação da). In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNIFESP, 2009, p. 111-115.

POMEROY, Sarah. Diosas, rameras, esposas y esclavas. Mujeres en la antiguedad clássica. Tradução: Ricardo Lezcano Escudero. 3ª ed. Madrid: Akal, 1999.

RABINOWITZ, Nancy Sorkin. Introduction. In: RABINOWITZ, Nancy Sorkin; RICHLIN, Amy. Feminist Theory and the classics. Londres: Routledge, 1993.

REVELL, Louise. Romanization: a feminist critique. Moore, A., Taylor, G., Harris, E., Girdwood, P., and Shipley, L. (eds.). TRAC 2009: Proceedings of the Nineteenth Annual Theoretical Roman Archaeology Conference. Oxford: Oxbow Books, 2010, p. 1-10.

SANFELICE, Pérola de Paula. Pinturas parietais em Pompéia: representações femininas. Cadernos de Clio, Curitiba, n. 2, p. 171-195, 2011. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/clio/article/viewFile/40481/24702. Acesso em: 20 dez. 2020.

SANFELICE, Pérola de Paula. Sob as cinzas do vulcão: representações da religiosidade e da sexualidade na cultura material de Pompéia durante o Império Romano. 2016. 286 f. Tese (doutorado em História), Faculdade de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

SCOTT, Joan Wallach. História das mulheres. In: BURKE, Peter (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora UNESP, 1992, p. 63-95.

SPENCER-WOOD, Suzanne M. Feminist research in Classical Archaeology. In: NELSON, Sarah Milledge (Org.). Handbok of gender in Archaeology. Berkeley: Altamira Press, 2006, p. 295-329.

SILVA, Jacilene Maria. Feminismo na atualidade: a formação da quarta onda. Recife: Independently published, 2019.

SØRENSEN, Marie Louise Stig. Gender Archaeology. Cambridge: Polity Press, 2000.

SØRENSEN, Marie Louise Stig. Gender, things and material culture. In: NELSON, Sarah Milledge. Handbok of gender in Archaeology. Berkeley: Altamira Press, 2006, p. 105-137.

ZARANKIN, Andrés. El pensamiento moderno y el pensamiento pós-moderno en Arqueología. In: RAGO, Margareth; GIMENES, Renato Aloizio de Oliveira (Orgs.). Narrar o passado, repensar a História. Campinas, SP: UNICAMP/IFCH, 2014, p. 353-373.

Downloads

Publicado

2021-06-28

Como Citar

ISBAES, G. Arqueologia de gênero e o estudo das mulheres romanas: perspectivas a partir das pinturas de Pompéia. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 49–70, 2021. DOI: 10.20396/rap.v16i1.8663913. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8663913. Acesso em: 25 out. 2021.