Banner Portal
Matzévet Kevurát
PDF

Palavras-chave

Cemitério da Candelária
Hospital da Candelária
Judeus

Como Citar

TAVARES, J. R. P.; SANTI, J. R. Matzévet Kevurát: as lápides do Cemitério da Candelária, Porto Velho – RO. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 18, n. 00, p. e023010, 2023. DOI: 10.20396/rap.v18i00.8673095. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8673095. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Por causa da construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, constroem-se o Hospital e o Cemitério da Candelária, este último para receber os corpos dos trabalhadores da Companhia da E.F.M.M., tombados por doenças tropicais, entre outros motivos. Estima-se que haja mais de quatro mil sepulcros perdidos no Cemitério da Candelária. Porém, três lápides são visíveis: uma de um português e outras duas de uma mulher de um homem, ambos de origem judaico-marroquina. O presente trabalho trouxe a oportunidade de se resgatar memórias que se relacionam com o período histórico da sociedade portovelhense do início século XX, por meio da Arqueologia Histórica e Arqueologia da Paisagem.

https://doi.org/10.20396/rap.v18i00.8673095
PDF

Referências

BENCHIMOL, Samuel. Eretz Amazônia – Os judeus na Amazônia. 3.ª edição revista. Manaus: Editora Valer, 2008.

CINTRA, J. P. Raposo Tavares e a Formação Territorial Brasileira. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, v.98, p.103 - 116, 2014.

CRIADO BOADO, Felipe. Del terreno al espacio: planteamientos y perspectivas para la Arqueología del paisaje. CAPA: Cadernos de Arqueoloxía e Patrimonio, Universidad de Santiago de Compostela, v. 6, 1999.

FERREIRA, Manoel Rodrigues. A Ferrovia do Diabo. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1982.

FERREIRA, Manuel Rodrigues. Nas selvas amazônicas. São Paulo: Editora Biblos, 1961.

FUNARI, Pedro Paulo de Abreu (Coord). Cultura material e arqueologia histórica. Campinas: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/ UNICAMP, 1998.

HARDMAN, Francisco Foot. Trem Fantasma: a modernidade na selva. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

HODDER, Ian. Interpretación em arqueologia: Corrientes actuales. Barcelona: Editorial Crítica, 1986.

INGOLD, Tim. Pare, olhe, escute! Visão audição e movimento humano. Tradução: Ligia Maria Venturini Romão, Marcos Balieiro, Luisa Valentini, Eliseu Frank, Ana Leticia de Fiori e Rui Harayama. Ponto Urbe, São Paulo, ano 2, versão 3, p. 1-52, jul, 2008. Disponível em: < https://pontourbe.revues.org/1925>. Acesso em: 08.07.2021.

LIMA, Tânia de Andrade. De morcegos e caveiras a cruzes e livros: a representação da morte nos cemitérios cariocas do século XIX (estudo de identidade e mobilidade social). Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 2, p.87-150, jan./dez., 1994.

NOGUEIRA, Mara Genecy Centeno. A construção do espaço social em Porto Velho na primeira metade do século XX: Um olhar através da fotografia. Programa de Pós- Graduação- Mestrado em Geografia da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR) 134p. Porto Velho, 2008.

ORSER Jr., Charles. Introdução à Arqueologia Histórica. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1992.

PEARSON, M. Parker. Mortuary practices, society and ideology: an ethnoarchaeological study. Symbolic and Structural Archaeology (New Directions in Archaeology). Cambridge, University Press, p. 99 – 114, 1982.

SOARES, Dirson Dresle Alves. "Diaruí no complexo hospitalar da candelária como chave interpretativa da história da Madeira - Mamoré em Rondônia". Dissertação de Mestrado do programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL), Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR, 186 f. Porto Velho, 2016.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista Arqueologia Pública

Downloads

Não há dados estatísticos.