A Geografia da Inovação: uma Metodologia de Regionalização das Informações de Gastos em P&D no Brasil

Autores

  • Rodrigo Simões Universidade Federal de Minas Gerais
  • Alessandra Oliveira Universidade Feral de Minas Gerais
  • Ayane Gitirana Universidade Federal de Minas Gerais
  • Juliana Cunha Universidade Federal de Minas Gerais
  • Márcia Campos Universidade Federal de Minas Gerais
  • Wellington Cruz Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v4i1.8648910

Palavras-chave:

Estatísticas de pesquisa e desenvolvimento. Metodologia de regionalização. Brasil.

Resumo

A análise da produção científica e tecnológica no território brasileiro, a fim tanto de entender os determinantes desta prática no espaço, bem como contribuir para a elaboração de políticas específicas para o fomento destas atividades, tem sido objeto de vários estudos contemporâneos. Estes, geralmente, utilizam-se de variáveis proxies, sendo as mais comumente encontradas na literatura nacional as referentes a publicações de artigos e a registros de patentes. A publicação da Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica – PINTEC, em 2002 abriu a possibilidade de se avaliar o desenvolvimento tecnológico brasileiro a partir de gastos em P&D, colocando o País no rol daqueles que divulgam estatísticas utilizando metodologia internacionalmente aceita sobre o assunto. Não obstante a disponibilização destas informações pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, ainda são poucos os trabalhos que utilizam-nas para um estudo mais detalhado da distribuição espacial da inovação tecnológica brasileira. Diante disso, o presente trabalho faz uso dos dados, agregados por setor, de gastos em P&D fornecidos pela PINTEC, de informações sobre mão-de-obra qualificada oriundas da Relação Anual de Informações Sociais – IBGE (RAIS) e dados de patentes do Instituto Nacional de Propriedade Industrial – INPI, para a proposição e estimação de uma metodologia – que utiliza técnica de “ajustes biproporcionais de resíduos”, tal como em Bacharach (1970) – que objetiva a regionalização, ao nível das unidades federativas, da atividade inovativa interna às firmas no País.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Simões, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor do Cedeplar/FACE/UFMG.

Alessandra Oliveira, Universidade Feral de Minas Gerais

Graduação em Economia FACE/UFMG

Ayane Gitirana, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduação em Economia FACE/UFMG

Juliana Cunha, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduação em Economia FACE/UFMG

Márcia Campos, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduação em Economia FACE/UFMG e PET/SESu/MEC

Wellington Cruz, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduação em Economia FACE/UFMG e PET/SESu/MEC

Referências

Abramovitz, M., “Catching up, forging ahead, and falling behind”, in Journal of Economic History, 66 (2), p.385-406, jun.,1986.

Acs, Z.; Audretsch, D.B.; Feldman, M.P., “The real effects of academic research”, in American Economic Review, v.82, p.363-367, 1992.

Albuquerque, E. M., “National systems of innovation and non-OECD countries: notes about a rudimentary and tentative ‘typology’”, in Revista de Economia Política, 19 (4), p.35-52, out.-dez., 1999.

Albuquerque, E. M.; Simões, R.; Baeza, A.; Campolina, C.; Silva, L., “A distribuição espacial da produção científica e tecnológica brasileira: uma descrição de estatísticas de produção local de patentes e artigos científicos” in Revista Brasileira de Inovação, 1 (2), p.225-251, jul.-dez., 2002a.

Albuquerque, E. M.; Paula, J.A.; Cerqueira, H.E.A.G., “Inovação tecnológica e desenvolvimento”, in Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, Belo Horizonte. Minas Gerais do Século XXI, v.VII. Belo Horizonte: Roma Editora, 2002b, disponível em: http://www.bdmg.mg.gov.br/produtos/estudo1.asp. Acesso: 7/2/2004.

Alem, A.C., “A vulnerabilidade externa da economia brasileira: diagnóstico e setores mais atingidos”, in Revista do BNDES, 10 (20), p.3-40, 2003.

Audretsch, D.; Feldman, M., “R&D Spillovers and the geography of innovation and production”, in American Economic Review, 86 (3), p.630-640, 1996.

Bacharach, M., Biproportional Matrices and Input-Output Change, Cambridge: Cambridge University Press, 1970.

BRASIL. Governo Federal. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MDIC, Estudo da Competitividade da Indústria Brasileira, Brasília, 1993, disponível em: http://www.mct.gov.br/mct%20site/internet/publi/compet. Acesso: 29/1/2004.

Britto, G., Indústrias de Alta Tecnologia no Brasil: Localização e Dinâmica Regional, 1999. Monografia (Graduação), Ciências Econômicas, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, 1999.

Diniz, C.C.; Gonçalves, E., “Possibilidades e tendências locacionais da indústria do conhecimento no Brasil”, in Encontro Nacional de Economia, 28, 2000, Campinas. Anais... Campinas: ANPEC, dez., 2000.

Diniz, C.C., “Economia do conhecimento e desenvolvimento regional no Brasil”, in Encontro de Estudos Regionais e Urbanos, 1, 2001, São Paulo. Anais... São Paulo: ABER, dez., 2001.

FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo – 2001, São Paulo, 2002, disponível em: http://www2.fapesp.br/indct/indica.htm. Acesso: 29/1/2004.

Freeman, C., “The ‘national system of innovation’ in historical perspective”, in Cambridge Journal of Economics, 19, p.5-24, 1995.

Frenkel, A., “Why high-technology firms choose to locate in or near metropolitan areas”, in Urban Studies, 38 (7), p.1.083-1.101, 2001.

Howells, J.R.L., “Tacit knowledge, innovation and economic geography”, in Urban Studies, 39, p 871–884, 2002.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica 2000 – PINTEC), Rio de Janeiro, 2002.

Jaffe, A.B.; Trajtenberg, M.l; Henderson, R., “Geographic localization of knowledge spillovers as evidenced by patent citations”, in Quarterly Journal of Economics, 108, p.577-598, ago., 1993.

Ki, J.-H., “The role of two agglomeration economies in the production of innovation: a comparison between localization economies and urbanization economies”, in Enterprise and Innovation Management Studies, 2 (2), p.103-117, 2001.

Klevorick, A.; Levin, R.; Nelson, R.; Winter, S., “On the sources and significance of inter-industry differences in technological opportunities”, in Research Policy, 24 (2), p.185-205, 1995.

Silva, L.; Simões, R.F., “Oportunidades tecnológicas e produção científica: uma análise microrregional para o Brasil”, in Revista Latinoamericana de Estudios Urbano-Regionales, Santiago, 90, set., 2004.

Simões, R.F., “Uma proposta de metodologia para estimação de informações fechadas dos censos econômicos: o problema da desagregração para a análise regional”, in XI Encontro Nacional da Sociedade Brasileira de Econometria, 1989, Fortaleza. Anais..., Fortaleza: SBE, 1989.

Wajnman, S., Estrutura Demográfica da População Economicamente Ativa e Distribuição de Renda: Brasil – 1970-1980, Dissertação (Mestrado em Demografia) Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, 1995.

Downloads

Publicado

2009-08-18

Como Citar

SIMÕES, R.; OLIVEIRA, A.; GITIRANA, A.; CUNHA, J.; CAMPOS, M.; CRUZ, W. A Geografia da Inovação: uma Metodologia de Regionalização das Informações de Gastos em P&D no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 157–185, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v4i1.8648910. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648910. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos