Fundamentos e Microfundamentos da Capacidade Dinâmica da Firma

Autores

  • Victor Pelaez Universidade Federal do Paraná
  • Marcelo Melo Instituto de Tecnologia do Paraná
  • Ruth Hofmann Instituto de Tecnologia do Paraná
  • Dayani Aquino Instituto de Tecnologia do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v7i1.8648959

Palavras-chave:

Capacidade dinâmica. Intersubjetividade. Coordenação. Interpretação. Decisão.

Resumo

O reconhecimento da firma como conjunto de recursos produtivos passíveis de serem recombinados tem sido, em uma perspectiva evolucionária, importante referência para o entendimento dos fenômenos de crescimento e competitividade empresarial. Nessa abordagem, a competitividade da firma é considerada resultado da sua capacidade de se adaptar a um ambiente incerto e cambiante. O reconhecimento desse ambiente baseia-se, por sua vez, na subjetividade da imagem que se forma na mente do empresário acerca das possibilidades e dos obstáculos de crescimento do negócio. É baseado nessa imagem, ou na sua capacidade de interpretação do ambiente, que o empresário toma decisões no sentido de coordenar os recursos capazes de concretizar as suas expectativas. O objetivo deste trabalho é discutir a interpretação e a coordenação como atividades econômicas intrinsecamente relacionais, nas quais a intersubjetividade atua como fator limitante e potencializador da racionalidade dos agentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Pelaez, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Engenharia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (1984), mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (1992) e doutorado em Ciências Econômicas - Université de Montpellier I (1995). Atualmente é professor associado da Universidade Federal do Paraná, vinculado ao Departamento de Economia e ao Programa de Mestrado e Doutorado em Políticas Públicas.

Marcelo Melo, Instituto de Tecnologia do Paraná

Colaborador do Instituto de Tecnologia do Paraná

Ruth Hofmann, Instituto de Tecnologia do Paraná

Possui graduação em Ciências Econômicas, mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente é professora do curso de graduação em Engenharia de Produção da UFPR.

Dayani Aquino, Instituto de Tecnologia do Paraná

Graduada em Ciências Econômicas (2004) e mestre em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná (2007). Atualmente é professora do Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná, ministra a disciplina de Economia Política e atua em pesquisas na área de Economia Política.

Referências

Alchian, A.; Demsetz, H. “Production, information costs, and economic organization”, American Economic Review, v.62, p.777-795, 1972.

Boulding, K. The image, Michigan: Ann Arbor, 1961.

Callon, M. “Introduction: the embeddedness of economic markets in economics”, in Callon, M. (ed.), The laws of the markets, Oxford: Blackwell Publishers, p.1-57, 1998.

Chandler, A. Strategy and structure, Cambridge: MIT Press, 1962.

Dosi, G.; Nelson, R.; Winter, S. “Introduction: the nature and dynamics of organizational capabilities”, in The nature and dynamics of organizational capabilities, Oxford: Oxford UP, p.1-22, 2002.

Fransman, M. “Information, knowledge, vision and theories of the firm”, in Dosi, G.; Teece, D.; Chytry, J. (eds.), Technology, organization and competitiveness: perspectives on industrial and corporate change, Oxford: Oxford UP, p.147-191, 1998.

Galimberti, U. Psique e tecnhe: o homem na idade da técnica, São Paulo: Paulus, 2006.

Hayek, F. “Economics and knowledge”, Economica, IV, p.33-54, 1937.

Hayek, F. The sensory order, Chicago: Chicago UP, 1976.

Henderson, B. “As origens da estratégia”, in Prahalad, C. et al., Estratégia, São Paulo: Campus, p.3-9, 1998.

Learned, E.; Christensen, C.; Andrews, K.; Gut, W. Business policy, text and cases, Homewood Illinois: Richard D. Irwin, 1965.

Loasby, B. Choice, complexity and ignorance, Cambridge: Cambridge UP, 1976.

Loasby, B. Knowledge, institutions and evolution in economics, Nova York: Routledge, 2002.

Montgomery, C.; Porter, M. “Introdução”, in Prahalad, C. et al., Estratégia, São Paulo: Campus, p.XI-XXIII, 1998.

Nelson, R.; Winter, S. Uma teoria evolucionária da mudança econômica, Campinas: Editora da UNICAMP, 2005.

Nicolau, I. O conceito de estratégia, Lisboa: ISCTE, nov., 2001. Disponível em http://213.13.125.90/portallizer/upload_ficheiros/01-01_Isabel_Nicolau.pdf. Acesso em 19 de março de 2007.

Penrose, E. The theory of the growth of the firm, Londres: Blackwell, 1959.

Penrose, E. Teoria do crescimento da firma, Campinas: Editora da UNICAMP, 2006.

Polanyi, M. The tacit dimension, New Cork: Doubleday Anchor, 1967.

Richardson, G.B. “The organisation of industry”, Economic Journal, v.82, p.883- 896, 1972.

Rizzello, S. “The microfoundations of path dependency”, in Magnusson, L.; Ottosson, J. (orgs.), Evolutionary economics and path dependence, Cheltenham: Edward Elgar, 1997.

Schumpeter, J. The theory of economic development. Cambridge: Harvard UP, 1934.

Simon, H. “Theories of decision making in economics and behavioral science”, American Economic Review, v.49, p.253-283, 1959.

Tacussel, P. “Comunidade e sociedade: a partilha intersubjetiva do sentido”, Geraes – Revista de Comunicação Social, n.49, p.3-12, 1998.

Teece, D. “Economics of scope and the scope of an enterprise”, Journal of Economic Behaviour and Organization, n.1, p.223-247, 1980.

Teece, D. “Towards an economic theory of the multiproduct firm”, Journal of Economic Behaviour and Organization, n.3, p.39-63, 1982.

Teece, D. “Profiting from technological innovation”, Research Policy, v.15, n.6, p.285-305, 1986.

Teece, D.; Pisano, G. “The dynamic capabilities of firms: an introduction”, Industrial and Corporate Change, v.3, n.3, p.537-556, 1994.

Teece, D.; Pisano, G.; Shuen, A. “Dynamic capabilities and strategic management”, Strategic Management Journal, v.18, n.7, p.509-533, 1997.

Teece, D. “Dynamic capabilities and strategic management”, in Dosi, G. et al., (orgs.), The nature and dynamics of organizational capabilities, Oxford: Oxford UP, p.334-362, 2002.

Wernerfelt, B. “A resource-based view of the firm”, Strategic Management Journal, v.5, p.171-180, abr.-jun., 1984.

Williamson, O.E. Markets and hierarchies, Nova York: The Free Press, 1975.

Williamson, O.E. The economic institutions of capitalism, Nova York: The Free Press, 1987.

Winter, S. “Understanding dynamic capabilities”, Working Paper, 2002-05, Reginald H. Jones Center, The Wharton School, University of Pensylvania, 2002.

Downloads

Publicado

2009-08-19

Como Citar

PELAEZ, V.; MELO, M.; HOFMANN, R.; AQUINO, D. Fundamentos e Microfundamentos da Capacidade Dinâmica da Firma. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 101–125, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v7i1.8648959. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648959. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos