Do Aglomerado Industrial ao APL: uma análise da indústria de confecções de Cianorte (PR)

Autores

  • Antonio Carlos de Campos Universidade Estadual de Maringá
  • Nilson Maciel de Paula Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v7i1.8648961

Palavras-chave:

Arranjos produtivos locais. Aglomeração produtiva. Confecção. Cianorte.

Resumo

Este trabalho procura analisar o setor de confecção de artigos do vestuário e acessórios no município de Cianorte (PR), segundo a abordagem de arranjos produtivos locais, cujo objetivo é identificar os fatores estimuladores e inibidores à sua dinâmica produtiva. Para tanto a análise está baseada em material empírico obtido através de entrevistas realizadas com 22 empresas e 9 instituições de apoio. Os resultados obtidos evidenciaram baixa qualificação formal dos trabalhadores, a qual tem sido compensada pelo elevado conhecimento técnico produtivo. Adicionalmente, foram observadas fragilidades no ambiente industrial, com destaque para a tênue interrelação entre firmas e outros agentes econômicos e institucionais. O mesmo pode ser dito a respeito da estrutura de governança, fruto de um baixo envolvimento dos agentes pertencentes ao arranjo produtivo analisado e de um baixo nível de eficiência coletiva. Como pontos estimuladores podem ser destacados: o esforço e o interesse de empresários ligados à ASAMODA, com visão estratégica para elevar a competitividade do setor a níveis nacionais e internacionais e o alto nível de conhecimento técnico produtivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Carlos de Campos, Universidade Estadual de Maringá

Professor adjunto do Departamento de Economia e do Programa de Pós-Graduação em Teoria Econômica da Universidade Estadual de Maringá – UEM

Nilson Maciel de Paula, Universidade Federal do Paraná

Professor titular do Departamento de Economia e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico da Universidade Federal do Paraná – UFPR

Referências

Albagli, S.; Britto, J. “Glossário de arranjos produtivos locais”, Relatório de Pesquisa, s.n., Rio de Janeiro: UFRJ, ago., 2002. Disponível em http://www.ie.ufrj.br/redesist. Acesso em 2 de agosto de 2003.

Arrow, K.J. “The economic implications of learning by doing”, The Review of Economic Studies, n.29, p.155-173, jun., 1962.

Câmara, M.R.G.; Oliveira, M.A. “O corredor da moda do norte-noroeste do Paraná à luz dos arranjos produtivos locais”, Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, n.110, p.33-68, jan./jun., 2006.

Cassiolato, J.C.; Lastres, H.M.M. Novas políticas na era do conhecimento: o foco em arranjos produtivos e inovativos locais, Rio de Janeiro: Instituto de Economia – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em http://www.ie.ufrj.br/redesist. Acesso em 2 de agosto de 2003.

Cassiolato, J.E.; Lastres, H.M.M..; Lemos, C.; Maldonado, J.; Vargas, M.A. “Globalização e inovação localizada”, Projeto de pesquisa: globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais no âmbito do Mercosul e proposições de políticas de Ciência & Tecnologia, p.39-71, 1999.

Cimoli, M.; Della Giusta, M. “The nature of technological change and its main implications on national and local systems of innovation. International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA)”, Interin Report, n.28, p.53, jun., 1998.

Dosi, G. “Trends in innovation and its determinants: the ingredients of the innovative process”, in Tecnical change and industrial transformation, Londres: McMillan, cap. 2, 1984.

Dosi, G. “Technological paradigms and technological trajectories: a suggested interpretation of the determinants and direcctions of technical change”, Research Policy, Amsterdam, v.11, p.147-162, 1982.

Edquist, C. Systems of innovation technologies, institutions and organizations, Nova York: Pinter, p.1-107, 1997.

Edquist, C.; Johnson, B. “Institutions and organizations in systems of innovation”, in Edquist, C. (org.), Systems of innovation technologies, institutions and organizations, Nova York: Pinter, p.40-63, 1997.

Freeman, C. “The economics of technical change: critical survey”, Cambridge Journal of Economics, Cambridge, v.18, p.463-514, 1994.

Freeman, C. “Network of innovators: a synthesis of research issues”, Research Policy, Amsterdam, v.20, p.499-514, 1992.

Haddad, P.R.; Ferreira, C.M.C.; Boisier, S.; Andrade, T.A. Economia regional: teorias e métodos de análise, Fortaleza: BNB/ETENE, p.231-239, 1989.

Humphrey, J.; Schmitz, H. “Governance and upgrading: linking industrial cluster and global value chain research”, Working Paper, n.120, nov., 2000.

IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. “Arranjos produtivos locais e o novo padrão de especialização regional da indústria paranaense na década de 90”, in Relatório de pesquisa, Curitiba: IPARDES, 2003.

Lemos, C. “Micro, pequenas e médias empresas no Brasil: novos requerimentos de políticas para a promoção de sistemas produtivos locais”, Tese de doutorado em ciências, COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

Lundvall, B.A. “Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the national system of innovation”, in Dosi, G.; Freeman, C.; Nelson, R.; Silverberg, G.; Soete, L. (orgs.), Technical change and economic theory, Londres, Nova York: Pinter, p.349-400, 1988.

Lundvall, B.A. National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. Londres: Pinter Publishers, p.1-19, 1992.

Maia, K. “Confecções em Cianorte: um distrito industrial?”, Revista de Economia, Curitiba: Ed. UFPR, n.19, p.137-176, 1995.

Malerba, F. “Learning by firms and incremental technical change”, Economic Journal, v.102, p.845-859, jul., 1992, Malerba, F.; Orsenigo, L. “Technological regimes and firm behaviour”, Industrial and Corporate Change, Oxford University Press, v.2, n.1, p.45-71, 1993.

Marshall, A. Princípios de economia: tratado introdutório. São Paulo: Abril Cultural, v.I, p.231-238, 1982.

North, D.C. Institutions, institutional change and economic performance, Reino Unido: Cambridge University Press, p.3-26, 1990.

RAIS/MTE – Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Educação, 2004.

Schmitz, H. “Eficiência coletiva: caminho de crescimento para a indústria de pequeno porte”, Ensaios FEE, Porto Alegre, v.18, n.2, p.164-200, 1997.

Schumpeter, J.A. Capitalismo, socialismo e democracia, Rio de Janeiro: Zahar Editores, p.110-116, 1984.

Schumpeter, J.A. A teoria do desenvolvimento econômico, São Paulo: Nova Cultural, 1988 (Os Economistas).

Storper, M.; Harrison, B. “Flexibility, hierarchy and regional development: the changing structure of industrial production systems and their forms of governance in the 1990s”, Research Policy, Amsterdam, v.20, p.407-422, 1991.

Suzigan, W.; Garcia, R.; Furtado, J. “Governança de sistemas produtivos locais de micro, pequenas e médias empresas”, in Lastres, H.M.M.; Cassiolato, J. E.; Maciel, M.L. (orgs.), Pequena empresa – Cooperação e desenvolvimento local, Rio de Janeiro: Ed. Relume Dumará, p.67-83, 2003.

Tigre, P.B. “Inovação e teoria da firma em três paradigmas”, Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro: UFRJ, n.3, p.67-111, jan./jun., 1998.

Vargas, M.A. “Forms of governance, learning mechanisms and upgrading strategies in the tobacco cluster in Rio Pardo Valley – Brazil”, Working Paper, n.125, fev., 2001.

Downloads

Publicado

2009-08-19

Como Citar

CAMPOS, A. C. de; PAULA, N. M. de. Do Aglomerado Industrial ao APL: uma análise da indústria de confecções de Cianorte (PR). Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 147–176, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v7i1.8648961. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648961. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos