Análise da interação universidade-empresa para o desenvolvimento inovativo a partir da perspectiva teórica institucionalista-evolucionária

Autores

  • Dannyela da Cunha Lemos Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Silvio Antonio Ferraz Cario Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v14i2.8649112

Palavras-chave:

Interação universidade-empresa. Perspectiva institucionalista-evolucionária. Hábitos. Instituições. Tecnologia física. Tecnologia social.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a interação universidade-empresa (U-E) para o desenvolvimento inovativo em Santa Catarina, por meio da perspectiva teórica institucionalistaevolucionária. Trata-se de um estudo descritivo-explicativo de abordagem qualitativa, a partir de pesquisa de campo nas quatro maiores universidades de Santa Catarina. Para a coleta de dados foram realizadas 38 entrevistas em profundidade. Os dados foram tratados por meio da análise de conteúdo categorial, com o apoio do software de análise de dados qualitativos Atlas/ti, segundo as categorias de análise dimensão individual (hábitos), dimensão coletiva (instituições), tecnologias físicas e tecnologias sociais. Os resultados apontaram que a interação U-E em Santa Catarina encontra-se bastante condicionada à dimensão individual, de maneira que a aproximação com o setor produtivo e o estabelecimento de parcerias não se configuram de fato como uma estratégia institucional, mas refletem ações isoladas de pesquisadores, grupos de pesquisa ou departamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dannyela da Cunha Lemos, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutora em Administração - UFSC. Professora do Departamento de Administração Empresarial da UDESC/ESAG.

Silvio Antonio Ferraz Cario, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Ciências Econômicas - UNICAMP. Professor do Departamento de Economia da UFSC. Professor do Programa de Pós-Graduação em Economia da UFSC. Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFSC.

Referências

BERNARDES, A.; ALBUQUERQUE, E. M. Cross-over, thresholds and the interactions between science and technology: lessons for less-developed countries. Research Policy, v. 2, n. 5, p. 867–887, 2003.

BEKKERS, R.; FREITAS, I. M. B. Analysing knowledge transfer channels between universities and industry: to what degree do sectors also matter? Research Policy, v. 37, p. 1837-1853, 2008.

BOARDMAN, P. C. Government centrality to university–industry interactions: university research centers and the industry involvement of academic researchers. Research Policy, v. 38, p. 1505-1516, 2009.

CAPES. GEOCAPES: Dados estatísticos. 2012. Disponível em: http://geocapes.capes.gov.br/geocapesds/. Acesso em: 31 out. 2013.

CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Censos 2002 a 2010. S/d. Disponível em: http://dgp.cnpq.br/censos/index.htm. Acesso em: 22 jun. 2013.

COHEN, W. M.; NELSON, R. R.; WALSH, J. P. Links and impacts: the influence of public research on industrial R&D. Management Science, v. 48, n. 1, p. 1-23, jan. 2002.

CONCEIÇÃO, O. A. C. Tecnologia social e instituições: uma relação conceitual simbiótica. Economia & Tecnologia, ano 5, v. 16, p. 99-108, jan./mar. 2009.

CONCEIÇÃO, O. A. C. Há compatibilidade entre a “tecnologia social” de Nelson e a “causalidade vebleniana” de Hodgson? Revista de Economia Política, v. 32, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2012.

DAGNINO, R. Tecnologia social: ferramenta para construir outra sociedade. Campinas- SP: Komedi, 2010. Research Policy, v. 37, p. 1-11, 2008.

DAGNINO, R. What makes an economy productive and progressive? What are the needed institutions? Pisa, Italy: Laboratory of Economics and Management, Sant’Anna School of Advanced Studies, 2006 (Working paper, 24).

NELSON, R. R.; NELSON, K. Technology, institutions, and innovation systems. Research Policy, v. 31, p. 265-272, 2002.

NELSON, R. R.; SAMPAT, B. Making sense of institutions as a factor shaping economic performance. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 44, p. 31-54, 2001.

NORTH, D. C. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

NORTH, D. C. Institutions. Journal of Economics Perspectives, v. 5, n. 1, p. 97-112, winter, 1991.

PAVITT, K. Innovation processes. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D. C.; NELSON, R. R. The Oxford handbook of innovation. New York: Oxford University Press, 2007, p. 86-114.

PEREIRA, A. J.; DATHEIN, R. Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a “co-evolução das tecnologiasfísicas e sociais” como fonte de desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. 1, p. 137-166, jan./jun. 2012.

PERKMANN, M.; KING, Z.; PAVELIN, S. Engaging excellence? Effects of faculty quality on university engagement with industry. Research Policy, v. 40, p. 539-552, 2011.

SAAD, M; ZAWDIE, G. Introduction to special issue: the emerging role of universities in socio-economic development through knowledge networking. Science and Public Policy, v. 38 n. 1, p. 3-6, Feb. 2011.

TARTARI, V.; BRESCHI, S. Set them free: scientists’ evaluations of the benefits and costs of university-industry research collaboration. Industrial and Corporate Change, v. 21, n. 5, p.1117-1147, 2012.

Downloads

Publicado

2015-09-10

Como Citar

LEMOS, D. da C.; CARIO, S. A. F. Análise da interação universidade-empresa para o desenvolvimento inovativo a partir da perspectiva teórica institucionalista-evolucionária. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 361–382, 2015. DOI: 10.20396/rbi.v14i2.8649112. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649112. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos