Como a interação universidade-empresa é remunerada no Brasil: evidências dos grupos de pesquisa do CNPq

  • Márcia Siqueira Rapini Universidade Federal de Minas Gerais
  • Vanessa Parreiras de Oliveira Universidade Estadual de Campinas
  • Thiago Caliari Silva Universidade Federal de Alfenas http://orcid.org/0000-0002-6972-0319
Palavras-chave: Financiamento. Remuneração. Interação universidade-empresa. Grupos de pesquisa do CNPq. Brasil.

Resumo

O objetivo deste artigo é investigar o financiamento da interação universidade-empresa (UE) no Brasil. Foram analisados os tipos de relacionamento e suas respectivas remunerações referentes a 2.726 grupos de pesquisa do Censo 2008 do Diretório de Grupos de Pesquisa/ CNPq. A análise aponta que os tipos de remuneração mais frequentes foram a transferência de recursos financeiros e materiais entre as partes e, em menor proporção, as remunerações vinculadas à geração e à troca de conhecimento por meio de bolsas e intercâmbio de pessoal. Usando um modelo econométrico logit multinomial, foram analisadas características que influenciam no tipo de remuneração utilizado na interação U-E. Os resultados sugerem que a excelência científica, a grande área de conhecimento, o modo de interação e o setor de atuação da empresa impactam de maneira diferenciada no tipo de remuneração estabelecido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Siqueira Rapini, Universidade Federal de Minas Gerais
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000), Mestrado (2004) e Doutorado (2010) em Economia da Industria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É professora da FACE/UFMG e professora e pesquisadora do CEDEPLAR/UFMG. Foi pesquisadora da REDESIST entre 2002 e 2007. Atualmente é Coordenadora do Curso de Relações Econômicas Internacionais. 
Vanessa Parreiras de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (1994) e mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (2004). Atualmente é doutoranda em Economia no Insittuto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE/UNICAMP) e pesquisadora no grupo de Economia da Ciência e da Tecnologia no Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR/UFMG). 
Thiago Caliari Silva, Universidade Federal de Alfenas
Professor Adjunto II do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas, Campus Varginha (ICSA-UNIFAL/MG). Doutor em Economia pelo Cedeplar/UFMG (2014). 

Referências

ARAUJO, B. C.; PIANTO, D.; DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. R.; ALVES, P. Impactos dos fundos setoriais nas empresas. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. esp., p. 85-112, 2012.

ARBIX, G.; CONSONI, F. Inovar para transformar a universidade brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 26, n. 77, p. 205-251, 2011.

ARROW, K. Economic Welfare and the allocation of resources for invention. In: MIROWSKI, P.; SENT, E-M. (Ed.). Science bought and sold: essays in the economics of science. Chicago: University of Chicago, 2002.

AVELLAR, A. P.; BOTELHO, M. Políticas de apoio à inovação em pequenas empresas: evidências sobre a experiência brasileira recente. Economia e Sociedade, v. 24, n. 2 (54), p. 379-417, ago. 2015.

BEINHOCKER, E. D. The origin of wealth: evolution, complexity and the radical remaking of economics. US: Random House Business Books, 2007.

CALZOLAIO, A. E.; DATHEIN, R. Políticas fiscais de incentivo à inovação: uma avaliação da Lei do Bem. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Ciências Econômicas, 2012 (Texto para discussão, n.15/2012).

CAMPOS, B.; URRACA RUIZ, A. Padrões setoriais de inovação na indústria brasileira. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, n. 1, p. 167-210, 2009.

CARRIJO, M.; BOTELHO, M. Cooperação e inovação: uma análise dos resultados do Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas (Pappe). Revista Brasileira de Inovação, v. 12, n. 2, p. 417-448, 2013.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 34-45, jan./mar. 2005.

CGGE – Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Programa RHAE – Pesquisador na empresa. Diretório de projetos – Chamadas 67/2008 e 62/2009. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2011.

COHEN,W.; NELSON, R. R.; WALSH, J. P. The influence of public research on industrial R&D. Management Science, v. 48, n. 1, p. 1-23, 2002.

FLORIDA R.; COHEN, W. Engine or infrastructure? The university role on economic development. In: BRASCOMBS, L. et al. (Org.). Industrializing knowledge, MIT Press, 1999. p. 589-610.

FREEMAN, C. The “National System of Innovation” in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, v. 19, p. 5-24, 1995.

GOLDFARB, B.The effect of government contracting on academic research: does the source the funding affect scientific output? Research Policy, v. 37, p. 41-58, 2008.

GREENE, W. H. Econometric analysis. Prentice Hall: New Jersey, 5th ed., 2002.

GULBRANDSEN, M.; SMEBY, J. Industry-funding and university professor’s research performance. Research Policy, v. 34, p. 932-950, 2005.

JENSEN, R.; THURSBY J.; THURSBY, M. C. University-industry spillovers, government funding, and industrial consulting. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, 2010 (NBER Working Paper, n. 15732).

KANNEBLEY JR., S.; CAROLO, M. D.; DE NGRI, F. Impacto dos fundos setoriais sobre a produtividade acadêmica de cientistas universitários. Estudos Econômicos, v. 43, n. 4, p. 647-685, 2013.

KLEVORICK, A. K.; LEVIN, R.; NELSON, R.; WINTER, S. On the sources and significance of inter-industry differences in technological opportunities. Research Policy, v. 24, n. 2, p. 185-205, 1995

LUNDVALL, B. A. National Systems of Innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Printer Publishers, 1992.

MANSFIELD, E.; LEE, J. The modern university: contributor to industrial innovation and recipient of industrial P&D support. Research Policy, v. 25, n. 7, p. 1047-1058, 1996.

MEYER-KRAMER, F.; SCHMOCH, U. Science-based technologies: university-industry interactions in four fields. Research Policy, v. 27, p. 835-851, 1998.

MILES, I. Research and development (R&D) beyond manufacturing: the strange case of services R&D. R&D Management, v. 37, n. 3, p. 249-268, 2007.

MINGOTI, S. A. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

MOWERY, D. C.; SAMPAT, B. N. Universities in national innovation systems. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D. C.; NELSON, R. R. (Org.) The Oxford handbook of innovation. Oxford: Oxford University Press, 2005.

MUSCIO, A.; QUAGLIONE, D.; VALLANTI, G. Does government funding complemente or substitute private research funding to universities. Research Policy, v. 42, p. 63-75, 2013.

NARIN, F.; HAMILTON, K. S.; OLIVASTRO, D. The increasing linkage between U.S. technology and public science. Research Policy, v. 26, n. 3, p. 317-330, 1997.

NELSON, R. Capitalism as an engine of progress. Research Policy, v. 19, p. 193-214, 1990.

NELSON, R. The simple economics of basic scientific research (1959). In: MIROWSKI, P.; SENT, E-M. (Ed.). Science bought and sold: essays in the economics of science. Chicago: University of Chicago, 2002.

NELSON, R. National innovation systems: a comparative analysis. New York: Oxford University, 1993.

PACHECO, C. A. As reformas da política nacional de ciência, tecnologia e inovação no Brasil (1999-2002). Santiago de Chile: Cepal, dic. 2007.

PEREIRA, N. Fundos setoriais: avaliação das estratégias de implementação e gestão. Brasília: Ipea, 2005 (Texto para discussão, n. 1136).

PERKMANN, M.; WALSH, K. The two faces of collaboration: impacts of university-industry relations on public research. Industrial and Corporate Change, v. 18, n. 6, p.1033-1065, 2009.

RAPINI, M.; OLIVEIRA, V.; SILVA NETO, F. A natureza do financiamento influencia na interação universidade-empresa no Brasil? Revista Brasileira de Inovação, v. 13, n. 1, p. 77-108, 2014.

REDDY, P. The evolving role of university in economic development: the case of university-industry linkages. In: GORANSON, B.; BRUDENIUS, C. University in transition: the changing role and challenges for academic institutions. Ottawa: Canada: IDRC, 2011.

SCHARTINGER, D.; RAMMER, C.; FISHER, M. M.; FRÖHLICH, J. Knowledge interactions between universities and industry in Austria: sectoral patterns and determinants. Research Policy, v. 31, n. 3, p. 303-328, 2002.

TEIXEIRA, C.; MENEZES, J. H. Resultados do RHAE Pesquisador na Empresa. In: XV CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO LATINO-IBEROAMERICANA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA. Anais... Porto, Portugal: Altec, 27 a 31 outubro 2013.

VAN LOOY, B.; CALLAERT, J.; DEBACKERERE, K. Publications and patent behavior of academic researchers: conflicting, reinforcing or merely co-existing. Research Policy, v. 35, v. 4, p. 596-608, 2004.

VELHO, L.; SAENZ, T. R&D in the public and private sectors in Brazil: complements or substitutes? Maastricht: The United Nations University, 2002 (UNU/INTECH Discussion Papers Series, 2002-8).

VIOTTI, E. Brasil: de política de C&T para política de inovação? Evolução e desafios das políticas brasileiras de ciência, tecnologia e inovação. In: VELHO, L.; SOUZA-PAULA, M. C. (Org.). Avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação: diálogo entre experiências internacionais e brasileiras. Brasília: CGEE, 2008. p. 137-174.

Publicado
2016-08-28
Como Citar
Rapini, M. S., Oliveira, V. P. de, & Silva, T. C. (2016). Como a interação universidade-empresa é remunerada no Brasil: evidências dos grupos de pesquisa do CNPq. Revista Brasileira De Inovação, 15(2), 219-246. https://doi.org/10.20396/rbi.v15i2.8649129
Seção
Artigos