Mudanças recentes nas relações intersetoriais: um exame das atividades de serviço e industriais

  • Vinicius Cardoso de Barros Fornari Universidade Estadual de Campinas
  • Rogério Gomes Universidade Estadual Paulista
  • Celio Hiratuka Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Relações intersetoriais. Atividades industriais e de serviços. Análise de redes. Matriz insumo-produto.

Resumo

Este estudo examina as mudanças ocorridas nas últimas décadas nos vínculos entre as diferentes atividades da economia, especialmente nos elos entre as industriais e de serviços. Para tanto, analisam-se os vínculos (direções) e as intensidades (valor) das relações intersetoriais na economia brasileira e de outros países em 1995 e 2010. A pesquisa está estruturada em dois pontos básicos: revisão das abordagens teóricas sobre a evolução e os vínculos entre as atividades industriais e de serviços na economia; e indicadores estimados a partir da combinação da metodologia de análise de redes (software Pajek) com dados da matriz insumo-produto (WIOD, 2014). Os resultados indicam que existe uma relação sistêmica entre a indústria e os serviços nos países que adensaram a estrutura produtiva.

Biografia do Autor

Vinicius Cardoso de Barros Fornari, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em Ciências Econômicas (2010) pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Mestrado em Economia (2013) pela UNESP e Doutorado em Economia (2017) pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é Especialista em Políticas e Indústria na Confederação Nacional da Indústria (CNI). 


Rogério Gomes, Universidade Estadual Paulista
Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1979), graduação em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Campinas, mestrado em Matemática Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, coordenador do Grupo de Estudos em Economia Industrial (GEEIN/UNESP), coordenador adjunto da Fapesp e presidente da Associação Brasileira de Economia Industrial e Inovação (ABEIN)
Celio Hiratuka, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1992), mestrado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Professor do Instituto de Economia (IE-UNICAMP) e pesquisador do NEIT-IE-UNICAMP.

Referências

ARBACHE, J. Por que serviços? In: BARBOSA, N.; MARCONINI, N.; PINHEIRO, M. C.; CARVALHO, L. (Org.). Indústria e desenvolvimento produtivo no Brasil. São Paulo: Elsevier e FGV, 2015.

BAUMOL, W. J. The cost disease: why computers get cheaper and health care doesn’t. New Haven, CT: Yale University Press, 2012.

BAUMOL, W. J. Paradox of the services: exploding costs, persistent demand. In: TEN RAA, T.; SCHETTKAT, R. (Ed.) The growth of service industries: the paradox of exploding costs and persistent demand. Cheltenham: Edward Elgar, 2001. p. 3-28.

BAUMOL, W. J. Macroeconomics of unbalanced growth: the anatomy of urban crisis. American Economic Review, v. 57, p. 415-426, 1967.

BAUMOL, W. J.; BOWEN, W. G. Performing arts: the economic dilemma. New York: Twentieth Century Fund, 1966.

BAUMOL, W. J.; BLACKMAN, S. A. B.; WOLFF, E. N. Unbalanced growth revisited: asymptotic stagnancy and new evidence. American Economic Review, v. 75, p. 806-817, 1985.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; MARCONI, N. Existe doença holandesa no Brasil? In: BRESSER-PEREIRA, L. C. (Org.). Doença holandesa e indústria. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

CANO, W. A desindustrialização no Brasil. Campinas: IE/Unicamp, 2012 (Texto para discussão, n. 200).

CERINA, F.; ZHU, Z.; CHESSA, A.; RICCABONI, M. World input-output network. PLoS ONE, v. 10, n. 7, 2015.

CLARK, C. The conditions of Economic Progress. London: MacMillan & Co. Ltd., [1940] 1951.

FEIJÓ, C. A.; CARVALHO, P. G. M. Desindustrialização e os dilemas do crescimento econômico recente. São Paulo: Iedi, 2007. Mimeografado.

FISHER, A. G. B. The clash of progress and security. London: MacMillan & Co. Ltd., 1935.

FUCHS, V. R. The service economy. New York and London: Colombia University Press, 1968.

GOYAL, S. Connections: an introduction to the economics of networks. Princeton and Oxford: Princeton University Press, 2007.

HAUSMANN, R. et al. The atlas of economic complexity: mapping paths to prosperity. Cambridge, MA: Mit Press, 2014.

HIRSCHMAN, A. O. Desenvolvimento por efeitos em cadeia: uma abordagem generalizada. In: SORJ, B.; CARDOSO, F. H.; FONT, M. Economia e movimentos sociais na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 31-79.

HIRSCHMAN, A. The strategy of economic development. Haven, CT: Yale University Press, 1958.

KALDOR, N. Problems of industrialization in underdeveloped countries. Ithaca: Cornell University Press, 1967.

KATOUZIAN, M. A. The development of the service sector: a new approach. Oxford Economic Papers, v. 22, n. 3, p. 362-382, 1970.

KONGSAMUT, P.; REBELO, S. E.; XIE, D. Beyond balanced growth. Review of Economic Studies, v. 68, n. 4, p. 869-882, 2001.

KUZNETS, S. Quantitative aspects of the economic growth of nations: II. Industrial distribution of national product and labour force. Economic Development and Cultural Change, v. 5, n. 4 (supplement), p. 3-111, 1957.

KUZNETS, S. Modern Economic growth: rate, structure, and spread. New Haven, CT: Yale University Press, 1966.

NASSIF, A. Há evidência de desindustrialização no Brasil? Revista de Economia Política, v. 28, n. 1, p. 72-96, jan./mar. 2008.

OCDE. Interconnected economies: benefiting from global value chains. New York and Geneva: United Nations, 2013.

PALMA, J. G. Quatro fontes de industrialização e um novo conceito de doença holandesa. In: CONFERÊNCIA DE INDUSTRIALIZAÇÃO, DESINDUSTRIALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Anais... São Paulo: Fiesp/Iedi, 2005.

PREBISCH, R. O desenvolvimento da América Latina e seus principais problemas. Revista Brasileira de Economia, ano 3, n. 3, set. 1949.

ROWTHORN, R.; RAMASWAMY, R. Growth, Trade, and Deindustrialization. IMF Staff Papers, v. 46, n. 1, p. 18-41, mar. 1999.

SAVIOTTI, P. P. Knowledge networks: structure and dynamics. In: PYKA, A.; SCHARNHORST, A. (Ed.). Innovation networks, understanding complex systems. Springer-Verlag Berlin Heidelberg, 2009.

SCHETTKAT, R.; YOCARINI, L. The shift to services employment: a review of the literature. Structural Change and Economic Dynamics, v. 17, n. 2, p. 127-147, 2006.

SCHWEITZER, F.; FAGIOLO, G.; SORNETTE D.; VEGA-REDONDO, F.; WHITE, D. Economic networks: what do we know and what do we need to know? Advances in Complex Systems, v. 12, n. 4/5, p. 407-422, August & October 2009.

SEMITIEL-GARCÍA, M.; NOGUERA-MÉNDEZ, P. The structure of inter-industry systems and the diffusion of innovations: the case of Spain. Technological Forecasting & Social Change, v. 79, n. 8, p. 1548-1567, 2012.

SINGH, A. Manufacturing and de-industrialization. In: EATWELL, J.; MILGATE, M.; NEWMAN, P. (Org.). The new Palgrave: a dictionary of economics. London: Macmillan. 1987. v. 3.

SUMMERS, R. Services in the international economy. In: INMAN, R. P. (Ed.). Managing the service economy. Cambridge: CUP, 1985. p. 27-48.

THIRLWALL, A. P. A natureza do crescimento econômico: um referencial alternativo para compreender o desempenho das nações. Brasília: Ipea, 2005.

TREGENNA, F. Characterising deindustrialisation: an analysis of changes in manufacturing employment and output internationally. Cambridge Journal of Economics, n. 33, p. 433-466, 2009.

WIOD. World Input-Output Database. 2014. Disponível em: http://www.wiod.org/new_site/home.htm.

Publicado
2017-02-21
Como Citar
Fornari, V. C. de B., Gomes, R., & Hiratuka, C. (2017). Mudanças recentes nas relações intersetoriais: um exame das atividades de serviço e industriais. Revista Brasileira De Inovação, 16(1), 157-188. https://doi.org/10.20396/rbi.v16i1.8649143
Seção
Artigos