Competitividade internacional do Brasil à luz da fragmentação da produção e das cadeias globais de valor

Camila do Carmo Hermida, Clésio Lourenço Xavier

Resumo


Este artigo desenvolve uma análise pioneira da competitividade das exportações brasileiras no período 1995-2011, ao considerar o fenômeno das cadeias globais de valor (CGV). Calcularam-se os índices de competitividade market share e vantagem comparativa revelada (VCR) pelas vias tradicionais e por meio de medidas de valor adicionado, assim como índices de participação e posicionamento nas CGV. Para tanto, utilizou-se uma nova metodologia de decomposição matemática das exportações (KOOPMAN et al., 2014) e indicadores estimados por meio da matriz de insumo-produto global World Input Output Tables (WIOT). As análises demonstram que os índices tradicionais tendem a subestimar o desempenho de países localizados a montante nas CGV, como o Brasil, mas nas categorias “produtos primários” e “manufaturas de baixa-tecnologia” percebem-se uma superestimação dos índices tradicionais e uma queda das vantagens comparativas reveladas do país.


Palavras-chave


Valor adicionado. Vantagem comparativa revelada. Fragmentação. Cadeias globais de valor. Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


CALFAT, G; FLÔRES JR, R. G. The insertion of Mercosul into the World Fragmentation of Production. Paris, Chaire Mercosur de l’Institu d’Etudes Politiques (Sciences Po), 2008.

CASTILHO, M. A inserção do Brasil em um mundo fragmentado: uma análise da estrutura de comércio exterior brasileiro. In: Acioly, L. e Macedo Cintra. M.A. (Org.). Inserção Internacional Brasileira: temas de economia internacional. 1 ed. Brasília: IPEA, v. 2, p. 369-396, 2010.

FERRAZ, L.; GUTIERRE, L.; CABRAL, R. A indústria brasileira na era das cadeias globais de valor. Prêmio CNI de Economia – Categoria: Competitividade e Comércio Exterior, 2014.

FLÔRES, R. G. Jr. A Fragmentação Mundial da Produção e Comercialização: Conceitos e Questões Básicas. In: ALVAREZ, R.; BAUMANN, R.; WOHLERS, M. (Org.) Integração produtiva: caminhos para o Mercosul. Brasília: ABDI, 2010 (Série Cadernos da Indústria ABDI, v. XVI), 2010.

GUILHOTO, J.J.M.; IMORI, D. Brazilian Role in the Global Value Chains. In Fan Y.; B. Meng; T. Yuan; Y. Hashiguchi (2014) (eds). Brics Economy and its Linkage with Global Markets: The Current Situation and Future Challenges. Tokyo: IDE-JETRO. 2014.

HERMIDA, C. C.; XAVIER, C. L. Competitividade da indústria brasileira no período recente: desempenho de categorias selecionadas a partir da taxonomia de Pavitt. Revista Brasileira de Inovação, Campinas (SP), 11 (2), p. 365-396, julho/dezembro, 2012.

HUMMELS, D., ISHII, J., YI, K. The Nature and Growth of Vertical Specialization in World Trade. Journal of International Economics 54, p.75–96, 2001.

JOHNSON, R.C.; NOGUERA. G. Accounting for Intermediates: Production Sharing and Trade in Value Added. Journal of International Economics 86(2), p. 224-236, 2012.

KOOPMAN, R., WANG W., WEI, S.J. Tracing Value-Added and Double Counting in Gross Exports. American Economic Review, 104(2), p. 459-94, 2014.

LEMOINE, F.; UNAL-KESENCI, D. Assembly trade and technology transfer: the case of China. World Development, 32(5), p. 829-850, 2004.

OECD/ WTO. Interconnected economies: benefiting from global value chains. Report, 272p. 2013.

QUAST, B.A.; KUMMRITZ, V. decompr: Global Value Chain decomposition in R. CTEI Working Papers, 1, 2015.

REIS, C. F. DE B. E ALMEIDA, J. S. G. A inserção do Brasil nas cadeias globais de valor comparativamente aos BRIICS. Texto para Discussão nº 233. Campinas: Instituto de Economia, Unicamp, 2014.

TIMMER, M.; ERUMBAN, A.; LOS, B.; STEHRER, R.; DE VRIES, G. Fragmentation, incomes and jobs: an analysis of European competitiveness. Preliminary version of a paper prepared for the 57th Panel Meeting of Economic Policy, 2012a.

TIMMER, M. New measures of European competitiveness: a global value chain perspective. World Input Output Database, 2012b. (Working Paper 9).

UNCTAD. World Investment Report 2013. Global Value Chains: Investment and Trade for Development. United Nations: New York/Geneva, p.1-264, 2013.




DOI: https://doi.org/10.20396/rbi.v17i2.8649881

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil

(c) Rev. Bras. Inov. / Braz. Inov. J., Campinas (SP) – e-ISSN  2178-2822