A indústria brasileira no contexto das cadeias globais de valor: um estudo empírico de especialização vertical para os complexos eletroeletrônico e metal-mecânico

Juliane Regina Rörig, Orlando Martinelli Júnior, Paulo Ricardo Feistel

Resumo


O artigo objetiva contribuir para o estudo empírico da inserção de segmentos da indústria brasileira em cadeias globais de valor (CGVs), com ênfase no comércio de especialização vertical dos complexos eletroeletrônico e metal-mecânico, em 2000, 2005 e 2009. Para isso, utilizou-se a metodologia de especialização vertical proposta por Hummels et al. (2001). Os resultados mostraram que a inserção de tais complexos em CGVs foi decrescente ao longo dos anos 2000. A maior internacionalização produtiva, a partir da abertura comercial, não garantiu a integração desses complexos em CGVs de forma mais dinâmica e competitiva em setores relevantes do ponto de vista industrial.

Palavras-chave


Cadeias globais de valor. Complexo metal mecânico. Complexo eletroeletrônico

Texto completo:

PDF

Referências


ABINEE – Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Disponível em: http://www.abinee.org.br/. Acesso em: 15/08/2015.

BACKER, K.; YAMANO, N. International comparative evidence on global value chains. Paris: OECD, 2012 (OECD Science, Technology and Industry Working Paper, n. 3). Disponível em: http://www.oecd.org/officialdocuments/publicdisplaydocumentpdf/?cote=DSTI/DOC(2012)3&docLanguage=En. Acesso em: 15 nov. 2015.

CARDOSO JR., J. Geração e apropriação de valor adicionado na economia brasileira: um estudo da dinâmica distributiva no período 1990/96. Rio de Janeiro: IPEA, 2000. (Texto para discussão, n. 733). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=4002. Acesso em: 05 maio 2015.

FERRAZ, F. C. Crise financeira global: impactos na economia brasileira, política econômica e resultados. 2013. 104 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

FIEPR – Federação das Indústrias do Estado do Paraná. Complexo automotivo. S.d. Disponível em: http://www.fiepr.org.br/fomentoedesenvolvimento/cadeiasprodutivas/uploadAddress/Complexoautomotivo[19591].pdf. Acesso em: 10 nov. 2015.

FURTADO, A.; CAMILLO, E. V.; DOMINGUES, S. A. Metodologia do IBI permite classificar setores que mais inovam. Inovação Uniemp, Campinas, v. 3, n. 2, p. 26-27, mar./abr. 2007. Disponível em: http://inovacao.scielo.br/pdf/inov/v3n2/a14v03n2.pdf. Acesso em 06 nov. 2015.

FURTADO, J. O comportamento inovador das empresas industriais no Brasil. In: MINI FÓRUM EM HOMENAGEM AOS 40 ANOS DO IPEA, 2004, Rio de Janeiro. Anais...Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Altos Estudos, 2004. p. 01-14.

FURTADO, J. E de M. P. Cadeias produtivas globalizadas: a emergência de um sistema de produção integrado hierarquicamente no plano internacional. In: FURTADO, J. E de M. P. Globalização das cadeias produtivas do Brasil. São Carlos: Edufscar, 2003.

GEREFFI, G. The organisation of buyer-driven global commodity chains: how U.S. retailers shape overseas production networks. In: GEREFFI, G.; KORZENIEWICZ, M. Commodity chains and global capitalism. Westport, CT: Praeger, 1994. p. 95-122.

GUILHOTO, J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estimação da matriz insumo-produto utilizando dados preliminares das Contas Nacionais: aplicação e análise de indicadores econômicos para o Brasil em 2005. Revista Economia & Tecnologia, Paraná, v. 6, n. 4, p. 53-62, 2010.

HAGUENAUER, L.; GUIMARAES, E. A. A.; ARAUJO, J. R.; PROCHNIK, V. Complexos industriais na economia brasileira. Rio de Janeiro: Instituto de Economia Industrial, 1984 (Texto para discussão, n. 62).

HIRATUKA, C.; SARTI, F. Investimento direto e internacionalização de empresas brasileiras no período recente. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2011 (Texto para discussão, n. 1610). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=9607. Acesso em: 05 dez. 2016.

HUMMELS, D.; ISHII, J.; YI, K. The nature and growth of vertical specialization in world trade. Journal of International Economics, Chicago, v. 54, n. 1, p. 75-96, 2001.

HUMPHREY, J.; SCHMITZ, H. How does insertion in global value chains affect upgrading in industrial clusters? Regional Studies, v. 36, n. 9, p. 1017-1027, 2002.

IPEADATA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx. Acesso em: 06 ago. 2014.

LAPLANE, M.; SARTI, F. Investimento direto estrangeiro e a retomada do crescimento sustentado nos anos 90. Economia e Sociedade, Campinas, n. 8, p.143-181, 1997.

MILBERG, W.; WINKLER, D. Economic and social upgrading in global production networks: problems of theory and measurement. International Labour Review, v. 150, n. 3-4, p. 341-365, 2011.

MILBERG, W. Outsourcing economics: global value chains in capitalist development. New York: Cambridge University Press, 2013.

MIROUDOT, S.; RAGOUSSIS, A. Vertical trade, trade costs and FDI. Paris: OECD, 2009 (OECD Trade Policy Working Papers, n. 89). Disponível em: https://www.oecd.org/tad/benefitlib/43401560.pdf. Acesso em: 05 mar. 2016.

NEREUS – Núcleo de Economia Regional e Urbana da Universidade de São Paulo. Matrizes de insumo-produto. S.d. Disponível em: http://www.usp.br/nereus/?fontes=dados-matrizes. Acesso em: 06 ago. 2015.

OECD. Trade In Value Added (TIVA) Indicators. 2015. Disponível em: http://stats.oecd.org/. Acesso em: 11/08/2015.

OECD. Interconnected economies: benefiting from global value chains. Synthesis report. 2013. Disponível em: https://www.oecd.org/sti/ind/interconnected-economies-GVCs-synthesis.pdf. Acesso em: 10 out. 2015.

PEREIRA, E.A. Complexos industriais: discussão metodológica e aplicação à economia brasileira (1970-1975). 1985. 140 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1985.

PIETROBELLI, C.; RABELLOTTI, R. Global value chains meet innovation systems: are there learning opportunities for developing countries? World Development, v. 39, n. 7, p. 1261-1269, 2011.

PORTER, M. Competition in global industries. Boston: Harvard Business School Press, 1986.

PROCHNIK, V. A inserção das indústrias eletrônicas brasileiras nas cadeias globais de valor. In: PROCHNIK, V. et al. La inserción de América Latina en las cadenas globales de valor. Montevideu: Red Mercosur de Investigaciones Económicas, 2010 (Serie Red Mercosur, n. 19).

PROCHNIK, V. Industrial complexes revisited. Austria: International Joseph A. Schumpeter Society, 1998. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/cadeiasprodutivas/pdfs/industrial_complexes_revisited.pdf. Acesso em: 01 maio 2015.

RIBEIRO, E. J. J.; SILVA FILHO, E. B. da. Investimento externo direto no brasil no período 2003-2012: aspectos regionais e setoriais. Boletim de Economia e Política Internacional, n. 14, p. 29-46, 2013.

ROCHA, I. L. Reestruturação industrial no Brasil: uma análise da dinâmica comercial e produtiva da economia. 2011. 124 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.

STURGEON, T.; GEREFFI, G. Measuring success in the global economy: international trade, industrial upgrading, and business function outsourcing in global value chains. Transnational Corporations, v. 18, n. 2, p. 1-36, 2009.

STURGEON, T.; GEREFFI, G.; GUINN, A.; ZYLBERBERG, E. O Brasil nas cadeias globais de valor: implicações para a política industrial e de comércio. Revista Brasileira de Comércio Exterior, Rio de Janeiro, n. 115, p. 26-41, 2013.

UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development. Disponível em: http://unctadstat.unctad.org/EN/. Acesso em: 20 ago. 2015.

UNCTAD. Global value chains and development. United Nations Publication, 2013. Disponível em: http://unctad.org/en/PublicationsLibrary/diae2013d1_en.pdf. Acesso em: 06 nov. 2015.




DOI: https://doi.org/10.20396/rbi.v16i2.8650108

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil

(c) Rev. Bras. Inov. / Braz. Inov. J., Campinas (SP) – e-ISSN  2178-2822