A indústria brasileira no contexto das cadeias globais de valor: um estudo empírico de especialização vertical para os complexos eletroeletrônico e metal-mecânico

Palavras-chave: Cadeias globais de valor. Complexo metal mecânico. Complexo eletroeletrônico

Resumo

O artigo objetiva contribuir para o estudo empírico da inserção de segmentos da indústria brasileira em cadeias globais de valor (CGVs), com ênfase no comércio de especialização vertical dos complexos eletroeletrônico e metal-mecânico, em 2000, 2005 e 2009. Para isso, utilizou-se a metodologia de especialização vertical proposta por Hummels et al. (2001). Os resultados mostraram que a inserção de tais complexos em CGVs foi decrescente ao longo dos anos 2000. A maior internacionalização produtiva, a partir da abertura comercial, não garantiu a integração desses complexos em CGVs de forma mais dinâmica e competitiva em setores relevantes do ponto de vista industrial.

Biografia do Autor

Juliane Regina Rörig, Universidade Federal de Santa Maria
Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). É Mestre em Economia e Desenvolvimento também pela Universidade Federal de Santa Maria. Tem experiência na área de Economia, atuando principalmente nos seguintes temas: Comércio Internacional, Microeconomia e Economia Industrial. Atualmente trabalha no Banco do Estado do Rio Grande do Sul.
Orlando Martinelli Júnior, Universidade Federal de Santa Maria
Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1981), mestre em Economia pela Universidade de São Paulo (1987) e doutor em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1997). Atualmente é professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais (DERI), e do Programa de Pós Graduação em Economia do Desenvolvimento da Universidade Federal de Santa Maria. Seus trabalhos de pesquisa estão inseridos na área de Economia, com ênfase em Microeconomia Heterodoxa, Economia Industrial e da Tecnologia. Linhas de pesquisa: economia da tecnologia e da inovação; estratégias e políticas industriais e tecnológicas; estudos setoriais. É editor-associado da Revista Brasileira de Inovação.
Paulo Ricardo Feistel, Universidade Federal de Santa Maria
Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (1985), mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (1997) e doutor em Economia na Área de Concentração: Economia Internacional pela Universidade Federal de Pernambuco (2006). Atualmente é professor adjunto do Departamento de Economia e do Programa de Pós-Graduação em Economia e Desenvolvimento (PPGE&D) da Universidade Federal de Santa Maria. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Relações do Comércio Internacional; Política Comercial; Integração Econômica, atuando principalmente nos seguintes temas: comércio internacional-integração regional.

Referências

ABINEE – Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Disponível em: http://www.abinee.org.br/. Acesso em: 15/08/2015.

BACKER, K.; YAMANO, N. International comparative evidence on global value chains. Paris: OECD, 2012 (OECD Science, Technology and Industry Working Paper, n. 3). Disponível em: http://www.oecd.org/officialdocuments/publicdisplaydocumentpdf/?cote=DSTI/DOC(2012)3&docLanguage=En. Acesso em: 15 nov. 2015.

CARDOSO JR., J. Geração e apropriação de valor adicionado na economia brasileira: um estudo da dinâmica distributiva no período 1990/96. Rio de Janeiro: IPEA, 2000. (Texto para discussão, n. 733). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=4002. Acesso em: 05 maio 2015.

FERRAZ, F. C. Crise financeira global: impactos na economia brasileira, política econômica e resultados. 2013. 104 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

FIEPR – Federação das Indústrias do Estado do Paraná. Complexo automotivo. S.d. Disponível em: http://www.fiepr.org.br/fomentoedesenvolvimento/cadeiasprodutivas/uploadAddress/Complexoautomotivo[19591].pdf. Acesso em: 10 nov. 2015.

FURTADO, A.; CAMILLO, E. V.; DOMINGUES, S. A. Metodologia do IBI permite classificar setores que mais inovam. Inovação Uniemp, Campinas, v. 3, n. 2, p. 26-27, mar./abr. 2007. Disponível em: http://inovacao.scielo.br/pdf/inov/v3n2/a14v03n2.pdf. Acesso em 06 nov. 2015.

FURTADO, J. O comportamento inovador das empresas industriais no Brasil. In: MINI FÓRUM EM HOMENAGEM AOS 40 ANOS DO IPEA, 2004, Rio de Janeiro. Anais...Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Altos Estudos, 2004. p. 01-14.

FURTADO, J. E de M. P. Cadeias produtivas globalizadas: a emergência de um sistema de produção integrado hierarquicamente no plano internacional. In: FURTADO, J. E de M. P. Globalização das cadeias produtivas do Brasil. São Carlos: Edufscar, 2003.

GEREFFI, G. The organisation of buyer-driven global commodity chains: how U.S. retailers shape overseas production networks. In: GEREFFI, G.; KORZENIEWICZ, M. Commodity chains and global capitalism. Westport, CT: Praeger, 1994. p. 95-122.

GUILHOTO, J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estimação da matriz insumo-produto utilizando dados preliminares das Contas Nacionais: aplicação e análise de indicadores econômicos para o Brasil em 2005. Revista Economia & Tecnologia, Paraná, v. 6, n. 4, p. 53-62, 2010.

HAGUENAUER, L.; GUIMARAES, E. A. A.; ARAUJO, J. R.; PROCHNIK, V. Complexos industriais na economia brasileira. Rio de Janeiro: Instituto de Economia Industrial, 1984 (Texto para discussão, n. 62).

HIRATUKA, C.; SARTI, F. Investimento direto e internacionalização de empresas brasileiras no período recente. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2011 (Texto para discussão, n. 1610). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=9607. Acesso em: 05 dez. 2016.

HUMMELS, D.; ISHII, J.; YI, K. The nature and growth of vertical specialization in world trade. Journal of International Economics, Chicago, v. 54, n. 1, p. 75-96, 2001.

HUMPHREY, J.; SCHMITZ, H. How does insertion in global value chains affect upgrading in industrial clusters? Regional Studies, v. 36, n. 9, p. 1017-1027, 2002.

IPEADATA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx. Acesso em: 06 ago. 2014.

LAPLANE, M.; SARTI, F. Investimento direto estrangeiro e a retomada do crescimento sustentado nos anos 90. Economia e Sociedade, Campinas, n. 8, p.143-181, 1997.

MILBERG, W.; WINKLER, D. Economic and social upgrading in global production networks: problems of theory and measurement. International Labour Review, v. 150, n. 3-4, p. 341-365, 2011.

MILBERG, W. Outsourcing economics: global value chains in capitalist development. New York: Cambridge University Press, 2013.

MIROUDOT, S.; RAGOUSSIS, A. Vertical trade, trade costs and FDI. Paris: OECD, 2009 (OECD Trade Policy Working Papers, n. 89). Disponível em: https://www.oecd.org/tad/benefitlib/43401560.pdf. Acesso em: 05 mar. 2016.

NEREUS – Núcleo de Economia Regional e Urbana da Universidade de São Paulo. Matrizes de insumo-produto. S.d. Disponível em: http://www.usp.br/nereus/?fontes=dados-matrizes. Acesso em: 06 ago. 2015.

OECD. Trade In Value Added (TIVA) Indicators. 2015. Disponível em: http://stats.oecd.org/. Acesso em: 11/08/2015.

OECD. Interconnected economies: benefiting from global value chains. Synthesis report. 2013. Disponível em: https://www.oecd.org/sti/ind/interconnected-economies-GVCs-synthesis.pdf. Acesso em: 10 out. 2015.

PEREIRA, E.A. Complexos industriais: discussão metodológica e aplicação à economia brasileira (1970-1975). 1985. 140 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1985.

PIETROBELLI, C.; RABELLOTTI, R. Global value chains meet innovation systems: are there learning opportunities for developing countries? World Development, v. 39, n. 7, p. 1261-1269, 2011.

PORTER, M. Competition in global industries. Boston: Harvard Business School Press, 1986.

PROCHNIK, V. A inserção das indústrias eletrônicas brasileiras nas cadeias globais de valor. In: PROCHNIK, V. et al. La inserción de América Latina en las cadenas globales de valor. Montevideu: Red Mercosur de Investigaciones Económicas, 2010 (Serie Red Mercosur, n. 19).

PROCHNIK, V. Industrial complexes revisited. Austria: International Joseph A. Schumpeter Society, 1998. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/cadeiasprodutivas/pdfs/industrial_complexes_revisited.pdf. Acesso em: 01 maio 2015.

RIBEIRO, E. J. J.; SILVA FILHO, E. B. da. Investimento externo direto no brasil no período 2003-2012: aspectos regionais e setoriais. Boletim de Economia e Política Internacional, n. 14, p. 29-46, 2013.

ROCHA, I. L. Reestruturação industrial no Brasil: uma análise da dinâmica comercial e produtiva da economia. 2011. 124 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.

STURGEON, T.; GEREFFI, G. Measuring success in the global economy: international trade, industrial upgrading, and business function outsourcing in global value chains. Transnational Corporations, v. 18, n. 2, p. 1-36, 2009.

STURGEON, T.; GEREFFI, G.; GUINN, A.; ZYLBERBERG, E. O Brasil nas cadeias globais de valor: implicações para a política industrial e de comércio. Revista Brasileira de Comércio Exterior, Rio de Janeiro, n. 115, p. 26-41, 2013.

UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development. Disponível em: http://unctadstat.unctad.org/EN/. Acesso em: 20 ago. 2015.

UNCTAD. Global value chains and development. United Nations Publication, 2013. Disponível em: http://unctad.org/en/PublicationsLibrary/diae2013d1_en.pdf. Acesso em: 06 nov. 2015.

Publicado
2017-08-21
Como Citar
Rörig, J. R., Martinelli Júnior, O., & Feistel, P. R. (2017). A indústria brasileira no contexto das cadeias globais de valor: um estudo empírico de especialização vertical para os complexos eletroeletrônico e metal-mecânico. Revista Brasileira De Inovação, 16(2), 267-298. https://doi.org/10.20396/rbi.v16i2.8650108
Seção
Artigos