O impacto do motor flex no mercado brasileiro de motocicletas e na liderança da Honda

Palavras-chave: Mercado brasileiro de motocicletas. Motor flex. Avaliação de impacto. Controle sintético

Resumo

Em 2009 a Honda incorporou o motor flex em parte de suas motocicletas, o que ocorreu sob um contexto peculiar, já que a empresa poderia ter sua liderança ameaçada por novos concorrentes e o mercado estava retraído. O artigo contextualiza e analisa o impacto da inovação, estimando por controle sintético que as vendas contrafactuais da Honda seriam até 27% menores no quadriênio 2009-2012. Associado ao fato que a Honda ganhou cinco pontos percentuais em parcela de mercado, isso aponta a relevância da inovação para manter sua liderança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Signor, Universidade Federal de Santa Catarina
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (2012). É mestre em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal de Santa Catarina (2015) e doutorando em economia desde 2015 pela mesma instituição.
Francis Carlo Petterini, Universidade Federal de Santa Catarina
Especialista em microeconometria aplicada e avaliação de políticas públicas, com formação na UFRGS, UFC, Banco Mundial, PUC-RJ e Universidade do Colorado (EUA). Trabalhou como economista e professor no governo estadual do Ceará, UFC e Fundação Itaú Social. Desde 2012 é professor na UFSC.

Referências

ABADIE, A.; DIAMOND, A.; HAINMUELLER, J. Synthetic control methods for comparative case studies: estimating the effect of California’s Tobacco Control Program. Journal of the American Statistical Association, v. 105, n. 490, p. 493-505, 2010.

ABADIE, A. Synth: an R Package for synthetic control methods in comparative case studies. Journal of Statistical Software, v. 42, n. 13, p. 1-17, 2011.

ABADIE, A. Comparative politics and the synthetic control method. American Journal of Political Science, v. 59, n. 2, p. 495-510, 2015.

ABRACICLO – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares. 40 anos da ABRACICLO e do polo duas rodas de Manaus. Manaus, 2016. Disponível em: http://www.abraciclo.com.br. 2016.

AMATUCCI, M.; SPERS, E. E. Institutional, technological and commercial innovations in the Brazilian ethanol and automotive industries. In: CALABRESE, G. The greening of the automotive industry. London: Palgrave Macmillan UK, 2012. p. 164-184.

ANDERSON, L. G. Ethanol fuel use in Brazil: air quality impacts. Energy & Environmental Science, v. 2, p. 1015-1037, 2009.

BOSCH, R. Bosch automotive handbook. 6. ed. Plochingen, Alemanha, 2004.

BNDES. Bioetanol de cana-de-açúcar: energia para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: BNDES, 2008.

BRILHANTE, O. M. Brazil’s Alcohol Programme: from an attempt to reduce oil dependence in the seventies to the green arguments of the nineties. Journal of Environmental Planning and Management, v. 40, n. 4, p. 435-449, 1997.

CARRASCO, V.; MELLO, J. M. P.; DUARTE, I. A década perdida: 2003-2012. Rio de Janeiro: Departamento de Economia da PUC-RIO, 2014 (Texto para discussão, n. 626).

COHEN, W. M. Fifty years of empirical studies of innovative activity and performance. Handbook of the Economics of Innovation. Elsevier, 2010. p. 129-213.

CONSONI, F. L. Da tropicalização ao projeto de veículos: um estudo das competências em Desenvolvimento de produtos nas montadoras de automóveis no Brasil. 2004. 269 f. Tese. (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

DAHAB, S. S.; MULLER, H. Difusão de novos produtos: o caso do carro a álcool no Brasil. In: XIV ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA. Anais... Brasília: Anpec, 1986. p. 533-559.

DESOUZA, S. A.; PETTERINI, F. C.; MIRO, V. H. A Tributação nas vendas de automóveis no Brasil: quem paga a maior parte da conta? Revista EconomiA, v. 11, n. 3, p. 559-596, set./dez. 2010.

HIRA, A.; OLIVEIRA, L. G. No substitute for oil? How Brazil developed its ethanol industry. Energy Policy, v. 37, n. 6, p. 2450-2456, 2009.

IMBENS, G. W.; WOOLDRIDGE, J. M. Recent developments in the econometrics of program evaluation. Journal of Economic Literature, v. 47, n. 1, p. 5-86, 2009.

LIMA, P. C. R. Os carros flex-fuel no Brasil. Consultoria Legislativa, Nota Técnica (sem número) da área de Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos, 2009.

MACIEIRA, F. D. Motocicleta: a evolução das máquinas que conquistaram o mundo. São Paulo: Editora Alaúde, 2009.

MAIRESSE, J.; MOHNEN, P. Using innovation surveys for econometric analysis. Handbook of the Economics of Innovation. Elsevier, 2010. p. 1129-1155.

MELLO, A. M.; MARX, R. Innovative capacity maintenance by automakers in a product development outsourcing scenario: the case of VW in Brazil. International Journal of Automotive Technology and Management, v. 7, n. 2/3, p. 200-215, 2007.

MELO, E. L.; VALLE, I.; FALCÃO, C. M. Novas formas de organização da produção e do trabalho: formação de redes de produção na Honda. Novos Cadernos NAEA, v. 11, n. 2, p. 139-154, 2008.

MELO, A.; SAMPAIO, Y. Impactos dos preços da gasolina e do etanol sobre a demanda de etanol no Brasil. Revista de Economia Contemporânea, v. 18, n. 1, p. 56-83, 2014.

MORAES, M. L.; BACCHI, M. R. Etanol: do início às fases atuais de produção. Revista de Política Agrícola, v. 23, n. 4, p. 1-24, 2014.

NASCIMENTO, P. T.; JUNIOR, W. G.; YU, A. S.; NIGRO, F. E. Suppliers involvement strategies in flex fuel vehicle development. Journal of Operations and Supply Chain Management, v. 5, n. 2, p. 2-12, 2012.

NASCIMENTO, P. T.; YU, A. S.; QUINELLO, R.; RUSSO, R.; NIGRO, F. Exogenous factors in the development of flexible fuel cars as a local dominant technology. Journal of Technology Management & Innovation, v. 4, n. 4, p. 110-119, 2009.

NICHOLS, R. J. The metanol story: a sustainable fuel for the future. Journal of Scientific & Industrial Research, v. 62, n. 1, p. 97-105, 2003.

OLIVA, F. L.; SOBRAL, M. C.; DAMASCENO, F.; TEIXEIRA, H. J.; GRISI, C. C. Risks and strategies in a Brazilian innovation – flexfuel technology. Journal of Manufacturing Technology Management, v. 25, n. 6, p. 916-930, 2014.

PASCALE, R. T. The Honda effect. California Management Review, v. 38, n. 4, p. 80-91, 1996.

PERA, M. Q. Injeção eletrônica: 20 anos de Brasil. All The Cars. 2008. Disponível em: https://allthecars. wordpress.com/2008/06/02/injecao-eletronica-20-anos-de-brasil/. Acesso em: 12 ago. 2016.

POSSAS, M. L. Estruturas de mercado em oligopólios. São Paulo: Hucitec, 1990.

ROGERS, E. M.; OLAGUERA, N. S. Diffusion of innovations. 5. ed. Free Press, 2003.

RIZZI, C. A. Expansão das viagens de moto em São Paulo entre 1987 e 1997: aspectos econômicos e sociais. Revista Transporte y Territorio, n. 4, p. 118-132, 2011.

RUBIN, D. B. Causal inference using potential outcomes. Journal of the American Statistical Association, v. 100, n. 469, p. 322-331, 2005.

RUSSO, R. F. S. M.; SBRAGIA, R. Sensemaking na inovação: o caso da tecnologia flexfluel na indústria automotiva brasileira. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 16., 2010, Vitória. Anais... Vitória: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 2010.

SAMANEZ, C. P.; FERREIRA, L. R.; NASCIMENTO, C. C. Avaliação da opção de troca de combustível no carro brasileiro flex: um estudo por região geográfica usando teoria de opções reais e simulação estocástica. Production, v. 24, n. 3, p. 628-643, 2014.

SERAPHIM, L. A. A motocicleta. Revista dos Transportes Públicos, ano 25, p. 209-218, 2003.

SILVA, E. R.; CARDOSO, B. C.; SANTOS, M. P. O aumento da taxa de motorização de motocicletas no Brasil. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 2, n. 2, p. 49-63, 2011.

VAZZOLÉR, L. F.; BONACELLI, M. B.; CARNEIRO, A. M. O desenvolvimento de motores a álcool e bicombustível: concentração territorial e risco de perda das vantagens de first commer. Revista Economia & Tecnologia, v. 8, n. 2, p. 157-166, 2012.

VASCONCELLOS, E. A. O custo social da motocicleta no Brasil. Revista dos Transportes Públicos, ano 30/31, p. 127-142, 2008.

VOLPATO, O.; THEUNISSEN, F.; COLLI, G.; LIU, X. Flex fuel engine management for small motorcycles. SAE Technical, 2008 (SAE Technical paper, 01-2729). Disponível em: http://papers.sae.org/2007-01-2729/.

WILLINGER, M. Designing economic experiments for evaluation purposes. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, número especial, p. 219-238, 2012.

Publicado
2017-08-21
Como Citar
Signor, D., & Petterini, F. C. (2017). O impacto do motor flex no mercado brasileiro de motocicletas e na liderança da Honda. Revista Brasileira De Inovação, 16(2), 351-380. https://doi.org/10.20396/rbi.v16i2.8650115
Seção
Artigos