Escola Politécnica de São Paulo: engenharias políticas no ensino superior paulista nos inícios republicanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v17i1.8651950

Palavras-chave:

Memória

Resumo

A Escola Politécnica, origem da instituição que desde 1934 integra a Universidade de São Paulo, foi organizada pelo governo paulista e instaurada em 1893. Este estudo analisa os significados associados a essa instituição que se articula ao prestígio desfrutado pelas ciências matemáticas no século XIX. Identificam-se, na fundação da Escola e nas ações dos engenheiros no período, as aproximações entre os projetos políticos liberais e os saberes e práticas da engenharia, tidos como científicos e de perfil predominantemente pragmático. Considerando o projeto da Politécnica e seus meios de difusão de conhecimentos – anuários e periódicos – discutem-se os efeitos imaginados a partir da criação da Politécnica, também pelo sensível potencial de inovação e atualidade a ela associados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josianne Francia Cerasoli, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Professora e pesquisadora, tem na área de história a base de sua formação acadêmica (graduação e pós-graduação na Unicamp), com doutorado na área de Política, Memória e Cidade (2004), marcado por aberturas de diálogos com outros campos, como o da arquitetura e do urbanismo. A trajetória docente abrange os diferentes níveis de ensino: na educação básica entre 1991 e 2000, no ensino superior desde 2004 (no Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia-UFU e, desde 2012, no Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas-Unicamp), nos cursos de graduação e pós-graduação (mestrado acadêmico e profissional e doutorado).

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. História da normalização brasileira. Rio de Janeiro: ABNT, 2011.

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA POLITÉCNICA. Escola Politécnica: 100 anos. Pesquisa, iconografia e redação de José Luiz Aidar, Roney Cytrynowicz e Judith Zuquim. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1993.

BONTEMPI JR., Bruno. Escola politécnica de São Paulo: produção da memória e da identidade social dos engenheiros paulistas. História da Educação, Santa Maria, v. 19, n. 46, p. 223-242, maio/ago. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_

arttext&pid=S2236-34592015000200223&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 3 dez. 2017.

CAMPOS, Cristina de. Ferrovias e saneamento em São Paulo. O engenheiro Antonio Francisco de Paula Souza e a construção da rede de infraestrutura territorial e urbana paulista, 1870-1893. Campinas: Pontes ed., 2010.

CARONE, Edgard, O pensamento industrial no Brasil (1880-1945). Rio de Janeiro, São Paulo: Difel, 1977 (Coleção Corpo e Alma do Brasil).

CERASOLI, Josianne Francia. A grande cruzada: os engenheiros e as engenharias de poder na Primeira República. Dissertação (Mestrado em História Social) – IFCH-Unicamp, Campinas, 1998.

________. Títulos e braços: ensino politécnico e projetos políticos no Brasil. Revista Comunicações, v. 14, n. 2, 2007. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/

comunicacoes.v14n2p87-99>. Acesso em: 2 set. 2017.

CORDEIRO, Simone Lucena (Org.). Os cortiços de Santa Ifigênia: sanitarismo e urbanização (1893). São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, Imprensa Oficial, 2010.

ESCOLA POLYTECHNICA DE SÃO PAULO. Annuário da Escola Polytechnica de São Paulo para o anno de 1900. São Paulo: Typographia do Diario Official, 1900.

________. Relatório do ano de 1908 apresentado ao Exmo. Dr. Dr. Carlos Augusto Pereira Guimarães, d.d. Secretário do Estado dos Negócios do Interior pelo diretor engenheiro civil Antonio Francisco de Paula Souza. 1908. Disponível em: <http://memoria.poli.usp.br/handle/123456789/176?discover?rpp=10&etal=0&query=regulamentos#page/31/mode/1up>.Acesso em: 2 jun. 2017.

ESCOSTEGUY, Jorge (Ed.). Escola Politécnica: cem anos de tecnologia brasileira. Colaboração de José Luiz Vitú do Carmo e Wagner Barreira. São Paulo: Grifo Projetos Históricos e Editoriais, 1994.

GITAHY, Maria Lucia Caira. Adaptando e inovando: o Laboratório de Ensaios de Materiais da Escola Politécnica e a tecnologia do concreto em São Paulo. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 675-690, fev. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702001000600006&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 3 set. 2017.

GITAHY, Maria Lucia Caira; PEREIRA, Paulo César Xavier (Org.). O complexo industrial da construção e a habitação econômica moderna (1930-1964). São Carlos: Rima, 2002.

MOTOYAMA, Shozo (Org.). Escola Politécnica, 110 anos construindo o futuro. São Paulo: Edusp, 2004.

________ (Org.). Tecnologia e industrialização no Brasil: uma perspectiva histórica. São Paulo: Ed. da Unesp e Ceeteps, 1994.

PUJOL JR., Hippolyto Gustavo. O manual de resistência de materiais. Revista Polytechnica

– orgam do Gremio Polytechnico, São Paulo, v. II, 1905.

SANTOS, Maria Cecília Loschiavo dos. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo: 1894-1984. São Paulo: Escola Politécnica e Fundação para o Desenvolvimento Técnico da Engenharia, 1985.

SÃO PAULO (ESTADO). Annaes da Sessões Ordinarias da Camara dos Deputados. 1891, 1892, 1893, 1912.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. História sem fim... Inventário da saúde pública, São Paulo – 1880-1930. São Paulo: Ed. Unesp, 1993.

SOUZA, Ana Cláudia Ribeiro de. Escola Politécnica e suas múltiplas relações com a cidade de São Paulo, 1893-1933. Tese (Doutorado em História) – PUC-SP, São Paulo, 2006.

STENGERS, Isabelle. Quem tem medo da ciência? Ciência e poderes. Trad. Eloisa de Araújo Ribeiro. São Paulo: Siciliano, 1990.

Downloads

Publicado

2018-03-14

Como Citar

FRANCIA CERASOLI, J. Escola Politécnica de São Paulo: engenharias políticas no ensino superior paulista nos inícios republicanos. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 201–220, 2018. DOI: 10.20396/rbi.v17i1.8651950. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8651950. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Memória