Terra devastada: persistências de uma imagem

  • Eduardo Sterzi Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Persistence. Medieval. T. S. Eliot. Modernity.

Resumo

In this article, we study the persistence of waste land topos (a medieval topos recovered by T. S. Eliot for modernity, through his 1922 poem) in some Brazilian contemporary poets.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Sterzi, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994), mestrado em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2000) e doutorado em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (2006). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria da Literatura, atuando principalmente nos seguintes temas: poesia medieval, poesia brasileira moderna e contemporânea, crítica, teoria e história literária, Dante Alighieri, Gianfranco Contini, Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes, Augusto de Campos. Desde 2012, é professor de Teoria e História Literária no Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Il Regno e la Gloria. Per una genealogia teologica dell’economia e del governo (Homo sacer, II, 2). Vicenza: Neri Pozza, 2007.

ALIGHIERI, Dante. La Commedia secondo l’antica vulgata (1321). Org. Giorgio Petrocchi. 2ª ed. rev. Florença: Le Lettere, 1994. [A divina comédia. Trad. Vasco Graça Moura. São Paulo: Landmark, 2004.]

ALVIM, Francisco. O metro nenhum. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ASCHER, Nelson. Parte alguma. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

AZEVEDO, Carlito. Brinde-lamentação para Edmond Jabès. In: As banhistas. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

AZEVEDO, Carlito. Collapsus linguæ (poemas). Rio de Janeiro: Lynx, 1991 (2ª ed. rev.: Rio de Janeiro: Sette Letras, 1998).

AZEVEDO, Carlito. Sublunar (1991-2001). Rio de Janeiro: 7Letras, 2001.

AZEVEDO, Carlito. [Texto sem título na orelha de Tarso de Melo]. Carbono: poemas. São Paulo: Nankin; Santo André: Alpharrabio, 2002.

AZEVEDO, Carlito. 3 variações cabralinas. In: Sob a noite física: poemas. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1997.

AZEVEDO, Carlito. Uma outra prosa: Maurice Roche. In: Collapsus linguae (poemas). Rio de Janeiro: Lynx, 1991.

BARBOSA, Frederico. Nada feito nada. São Paulo: Perspectiva, 1993.

BRITTO, Paulo Henriques. Formas do nada. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CABRAL DE MELO NETO, João. A Augusto de Campos. In: Agrestes (1985). Hoje em Poesia completa e prosa. Org. Marly de Oliveira com assistência do autor. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

CABRAL DE MELO NETO, João. A educação pela pedra. In: A educação pela pedra (1966). Hoje em Poesia completa e prosa cit.

CABRAL DE MELO NETO, João. Congresso no Polígono das Secas. In: Dois parlamentos (1960). Hoje em Poesia completa e prosa cit.

CABRAL DE MELO NETO, João. Fábula de Anfion. In: Psicologia da composição com a Fábula de Anfion e Antiode (1947a). Hoje em Poesia completa e prosa cit.

CABRAL DE MELO NETO. Morte e vida severina (1956a). Hoje em Poesia completa e prosa cit.

CABRAL DE MELO NETO. O rio, ou Relação da viagem que faz o Capibaribe de sua nascente à cidade do Recife (1954). Hoje em Poesia completa e prosa cit.

CABRAL DE MELO NETO. Paisagens com figuras (1956b). Hoje em Poesia completa e prosa cit.

CABRAL DE MELO NETO. Psicologia da composição. In: Psicologia da composição com a Fábula de Anfion e Antiode (1947b) cit.

CABRAL DE MELO NETO. Quaderna (1960). Hoje em Poesia completa e prosa cit.

CAMPOS, Augusto de. Despoesia. São Paulo: Perspectiva, 1994.

CAMPOS, Augusto de. Não: poemas. São Paulo: Perspectiva, 2003.

CAMPOS, Augusto de. O anticrítico. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CAMPOS, Augusto de. O rei menos o reino (1950). In: Viva vaia cit.

CAMPOS, Augusto de. Viva vaia: poesia 1949-1979 (1979). Cotia: Ateliê, 2001.

CANDIDO, Antonio. La figlia che piange (1948). In: Brigada ligeira e outros escritos. 2ª ed. São Paulo: Editora UNESP, 1992.

CANDIDO, Antonio. Notas de crítica literária («T. S. Eliot» I, II, III, IV, V) (1945). Inimigo Rumor, 9 (nov. 2000).

CARVALHO, Age de. Arquitetura dos ossos (1980). In: ROR (1980-1990). São Paulo: Duas Cidades e Secretaria de Estado da Cultura, 1990.

CARVALHO, Age de. Caveira 41. Rio de Janeiro: 7Letras; São Paulo: Cosac Naify, 2003.

CASTELLO, José. João Cabral de Melo Neto. O homem sem alma. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

CECHINEL, André. O personagem por vir: João Cabral e seu Adão Pernambucano. Letra Magna, 5 (2º sem. 2006).

CECHINEL, André. Os limites da visão em Eliot e Cabral: apontamentos iniciais sobre a questão do vaticínio. Anuário de Literatura, 13, 1 (2008).

ChrÉtien de Troyes. Le Conte du Graal, ou Le roman de Perceval, édition du manuscrit 354 de Berne (ca. 1180-1191). Ed. Charles Méla. Paris: Livre de Poche, 1990.

COSTA LIMA, Luiz. O princípio-corrosão na poesia de Carlos Drummond de Andrade (1966). In: Lira e antilira. Mário, Drummond, Cabral. 2ª ed. revista. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995.

COSTA PINTO, Manuel da. Tarso de Melo. In: Literatura brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2004.

Didi-Huberman, Georges. Ninfa moderna. Essai sur le drapé tombé. Paris: Gallimard, 2002.

DRUMMOND DE ANDRADE, Carlos. A máquina do mundo. In: Claro enigma (1951). Hoje em Poesia 1930-62. Ed. crítica Júlio Castañon Guimarães. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

ELIOT, T. S. Four Quartets (1943). In: The Complete Poems and Plays: 1909-1950. Nova York, San Diego e Londres: Harcourt Brace, 1980. [Quatro quartetos. In: Poesia. Trad. Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.]

ELIOT, T. S. Il paese guasto. Trad. Angiolo Bandinelli. Roma e Viterbo: Stampa Alternativa, 1996a.

ELIOT, T. S. La Terre Gaste. Trad. Michèle Pinson. Limoges: Adélie; Ivoy-le-Pré: Le Tailleur d’Images, 1996b.

ELIOT, T. S. The Waste Land (1922). In: The Complete Poems and Plays: 1909-1950 cit. [A terra desolada. In: Poesia cit.]

ELIOT, T. S. Ulysses, Order, and Myth (1923). In: ELLMANN, Richard e FEIDELSON, Jr., Charles (org.). The Modern Tradition. Nova York: Oxford University Press, 1977.

FERRAZ, Paulo. De novo nada. São Paulo: Sebastião Grifo, 2007.

FERRAZ MELLO, Heitor. Um a menos. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

FREITAS, Angélica. Um útero é do tamanho de um punho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

GALVÃO, Donizete. Mundo mudo. São Paulo: Nankin, 2003.

HILLIER, Bevis. Borrowings of a Second-Rater. The Spectator, 277, 8773 (7 set. 1996), pp. 30-31.

LIMA, Carlos Augusto. Objetos. Santo André: Alpharrabio, 2002.

LIMA, Manoel Ricardo de; TESSLER, Elida. Falas inacabadas – Objetos e um poema. Porto Alegre: Tomo, 2000.

LINS, Vera. A poesia em tempos de guerra: uma tentativa de ler a poesia brasileira contemporânea no contexto da violência. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio; GINZBURG, Jaime e FOOT HARDMAN, Francisco (org.). Escritas da violência. v. 1: O testemunho. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

LINS, Vera. Poesia e tempos sombrios: alguma poesia hoje (2002). In: Poesia e crítica: uns e outros. Rio de Janeiro: 7Letras, 2005.

LINS, Vera. Poesia recente: uns e outros (2004). In: Poesia e crítica: uns e outros cit.

MALORY, Thomas. Le Morte Darthur. Ed. H. Oskar Sommer. Londres: David Nutt, 1889.

MASSI, Augusto. Negativo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

MELO, Tarso. Deserto. Santo André: Alpharrabio, 2001.

MELO, Tarso. Carbono: poemas. São Paulo: Nankin; Santo André: Alpharrabio, 2002.

MELO, Tarso. Lugar algum. Santo André: O Graphico Experimental, 2005.

OSSOLA, Carlo. Dante nel Novecento europeo. In: PELUFFO, Paolo e SERIANNI, Luca (org.). Il mondo in italiano. Annuario della Società Dante Alighieri 2005. Roma: Società Dante Alighieri, 2005.

POGGIOLI, Renato. Notarella aneddotica su un titolo. Letteratura, III, 17-18 (set.-dez. 1955).

POLITO, Ronald. Terminal. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006.

RIZZO, Ricardo. País em branco. Cotia: Ateliê, 2007.

ROQUETTE-PINTO, Cláudia. Zona de sombra (1997). Rio de Janeiro: 7Letras, 2000.

SARMATZ, Leandro. Logocausto. Florianópolis: Editora da Casa, 2009.

SISCAR, Marcos. A terra inculta (1991-1994). In: Metade da arte (1991-2002). Rio de Janeiro: 7Letras; São Paulo: Cosac e Naify, 2003.

SISCAR, Marcos. Não se diz. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1999.

STERZI, Eduardo. Gestos infinitesimais. Cult, jun. 2008.

STERZI, Eduardo. Incipit. A Vita Nova e a irrupção da lírica moderna. Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem/UNICAMP, 2006a. Tese de doutorado.

STERZI, Eduardo. O mito dissoluto. Jandira, 1 (2004).

STERZI, Eduardo. O reino e o deserto. A inquietante medievalidade do moderno. Letterature d’America, 125 (2010).

STERZI, Eduardo. Presença de estrelas. Rodapé, 2 (ago. 2002).

STERZI, Eduardo. Sinal de menos. In: id. (org.). Do céu do futuro. Cinco ensaios sobre Augusto de Campos. São Paulo: Marco, 2006b.

Stigger, Veronica. Delírio de damasco. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, 2012.

Stigger, Veronica. O esvaziamento: Mira Schendel e a poesia da destruição. Marcelina, 2 (2009).

VERUNSCHK, Micheliny. Geografia íntima do deserto. São Paulo: Landy, 2003.

Weintraub, Fabio. Baque. São Paulo: 34, 2007.

Weintraub, Fabio. Novo endereço. São Paulo: Nankin; Juiz de Fora: Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage, 2002.

WESTON, Jessie L. From Ritual to Romance (1920). Mineola: Dover, 1997.

Publicado
2014-04-28
Como Citar
Sterzi, E. (2014). Terra devastada: persistências de uma imagem. Remate De Males, 34(1), 95-111. https://doi.org/10.20396/remate.v34i1.8635834