La palabra poética y la (re)invención de América

Autores

  • Diana Araujo Pereira Universidade Federal da Integração Latino-Americana

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v34i1.8635841

Palavras-chave:

Novo mundo. Invenção da América. Século XX e XXI.

Resumo

O processo de "invenção da América", como foi denominado pelo historiador mexicano Edmundo O’ Gorman em seu célebre livro de 1958, tem seu início no século XV com a chegada de Cristovão Colombo à América. O discurso construído através dos relatos, cartas e crônicas da Conquista criam as imagens que serão determinantes para o nascimento – a condenação – da América como "Novo Mundo" (Octavio Paz). Este processo deixa profundas marcas no imaginário coletivo e na memória histórica do continente e alcança os séculos XX e XXI. A poesia, neste contexto, configura-se como um importante território onde é possível que tais metáforas e imagens negociem sua vigência e permanência através de continuidades e rupturas que alcançam, inclusive, o âmbito sócio-político. As artes ganham, portanto, um papel fundamental na representação, ruptura e/ou manutenção da memória histórica do continente. Um exemplo emblemático é o poema do cubano Eliseo Diego - "Cristóbal Colón inventa el nuevo mundo" -, em cujo texto veremos surgir uma escritura que processa a criação e a recriação verbal do continente, como indica o seu próprio título.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diana Araujo Pereira, Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Professora de Literatura Latino-Americana. Coordenadora do curso de Letras - Artes e Mediação Cultural, do Instituto Interdisciplinar de Arte, Cultura e História da UNILA

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o Contemporâneo? E outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

AINSA, Fernando. Del Topos al Logos. Propuestas de Geopoética. Madrid: Iberoamericana, 2006.

CARPENTIER, Alejo. Visión de América. Buenos Aires: Losada, 1999.

COBO BORDA, Juan Gustavo. América Ladina. Germán Arciniegas. México: FCE, 1993.

DIEGO, Eliseo. Entre la dicha y la tiniebla. Antología poética 1949-1985. México: FCE, 1986.

FUENTES, Carlos. Tiempos y espacios. Madrid: FCE, 1998.

GALEANO, Eduardo. A descoberta da América (que ainda não houve). Trad. Eric Nepomuceno. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1990.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas. Trad. Heloísa P. Cintrão e Ana Regina Lessa. SP: EDUSP, 2000.

GRUZINSKI, Serge. La guerra de las imágenes. México: FCE, 1994.

HOPENHAYN, Martín. Ni apocalípticos ni integrados. Aventuras de la Modernidad en América Latina. Santiago de Chile: FCE, 1995.

LIZCANO, Emmánuel. Metáforas que nos piensan. Sobre ciencia, democracia y otras poderosas ficciones. Ediciones Bajo Cero/Traficantes de Sueños, 2006.

O’ GORMAN, Edmundo. A Invenção da América. Trad. de Ana Maria M. Correa e Manoel Lelo Bellotto. SP: UNESP, 1992.

ORTEGA Y GASSET, José. Obras. Madrid: Espasa Calpe, 1932.

ORTEGA Y GASSET, José. Obras completas. Madrid, Revista de Occidente, 1952.

PAZ, Octavio. El arco y la lira. México: FCE, 1998.

PAZ, Octavio. Puertas al Campo. Barcelona: Seix Barral, 1989.

RESTALL, Matthew. Sete Mitos da Conquista Espanhola. Tradução: Cristiana de Assis Serra. RJ: Civilização Brasileira, 2006.

SUBIRATS, Eduardo. El Continente vacío. La conquista del Nuevo Mundo y la conciencia moderna. Madrid: Anaya & Mario Muchnik, 1994.

USLAR PIETRI, Arturo. La invención de América Mestiza. México: FCE, 1996.

Downloads

Publicado

2014-04-28

Como Citar

PEREIRA, D. A. La palabra poética y la (re)invención de América. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 1, p. 194–211, 2014. DOI: 10.20396/remate.v34i1.8635841. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635841. Acesso em: 26 set. 2022.