Reflexões em torno da confabulação e da fabricação da memória: Continuidade ou ruptura entre real e imaginário

Autores

  • Edwiges Maria Morato Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v32i2.8635882

Palavras-chave:

Memória. Confabulação. Pathos.

Resumo

De fato, o termo confabulação tem se prestado a muitos entendimentos, seja no contexto das práticas linguísticas cotidianas, seja no da pesquisa clínica. Neste, a confabulação tem sido associada às síndromes mnésicas e demenciais, subsidiando a partir da segunda metade do século XX estudos sobre memória autobiográfica, falsificação de memória e julgamento da realidade.

Nesse contexto, a memória humana – falível, inconsistente, imperfeita – envolve de forma constitutiva um pathos por excelência: o esquecimento e seus  tantos derivados e formas de expressão, como as fabricações de memórias, próprias e alheias.

Para o desenvolvimento da reflexão sobre a memória a partir das relações entre ficção e realidade, pretendemos focalizar o que no terreno dos estudos neuropsicológicos/neuropatológicos se convencionou chamar de confabulação – a fabricação ou invenção defalsas memórias sem intenção de iludir - tomada ora como uma espécie de “mentira honesta” (posto que sua produção seria involuntária ou inconsciente em indivíduos com alterações neurológicas ou psíquicas), ora como reação humana às injunções ético-discursivas decorrentes da falibilidade constitutiva da memória, ora como resultado da possibilidade dereformatação (artificial) de lembranças e esquecimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edwiges Maria Morato, Universidade Estadual de Campinas

É professora associada (Livre-Docente) do Departamento de Lingüística do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BADDELEY, D.; WILSON, B. Amnesia, autobiographical memory, and confabulation. In: RUBIN, D. C. (Ed.) Autobiographical memory. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

BERLYNE, N. Confabulation. British Journal of Psychiatry, v.120, p.31-39, 1972.

BRANDÃO, C.R. O sentimento do Mundo: memória, destino e cenários da vida entre errantes mineiros. In: BRANDÃO, C. (Org.). As faces da memória. Campinas: CMU, Coleção Seminários, pp.61-84. 1995

BURGESS, P. W.; SHALLICE, T. The relationship between prospective and retrospective memory: neuropsychological evidence. In: CONWAY, M. A. (Org.) Cognitive models of memory. Cambridge (Mass.): MIT Press, 1997. p.247-273.

CANDAU, J. Antropologie de la mémoire. Paris: PUF, 1996.

DALLA BARBA, G. Different patterns of confabulation. Cortex, v.29, p.567-581,1993.

EHRENBERG, A. Le cerveau ‘social’: Chimère epistemologique et verité sociologique. Espirit, 341:79-103, 2008.

FORTUNATI,V. http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/junho2009/capa431. php

FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. Lisboa: Forense Universitária, 1963.

GUILLAUMIN, J. La genèse du souvenir. Paris: PUF, 1968.

HARTOG, F. Tempo e História: como escrever a história da França hoje? História Social. 3: 127-154.

IZQUIERDO, I. A arte de esquecer – cérebro, memória e esquecimento. Rio de Janeiro: Vieira Y Lent, 2004.

JOHNSON, M. Reality monitoring: evidence from confabulation in organic brain disease patients. In: PRIGATANO, G. P.; SCHACTER, D. L. (Ed.) Awareness of deficit brain injury. New York and Oxford: Oxford University Press, 1991

LE GOFF, J. História e memória. Campinas, SP: Unicamp, 1990.

LEIBING, A. In: LEIBING, A. & BENNINGHOFF, S. (Orgs). Devorando o tempo: Brasil, um país sem memória. São Paulo: Mandarim, 2001.

KERN, R. G.; CUMMINGS, J.; BROWN, W.; OSATO, S. Confabulation in Alzheimer’s disease. Brain and cognition, v.19, p.172-182, 1992.

MARCUSE, H. Eros e civilização: Uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 1978 (Originalmente publicado em 1959).

MERCER, B.; WAPNER, W.; GARDNER, H.; BENSON, D. F. A study of confabulation. Archives of neurology, v.34, p.429-433, 1977.

MORATO, E. M. Um estudo da confabulação no contexto neuropsicológico: o discurso à deriva ou as sem-razões do sentido. Tese (Doutorado) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas (SP), 1995.

MORATO, E. M.; CRUZ, F. M. Os embates da memória. Horizontes, v.23, n.1, p.29-38, jan.-jun. 2005.

MORATO, E. M.; CRUZ, F. M. Confabulação: quando faltar à verdade não equivale a mentir. In: Morato, E.M. (Org.). A semiologia das afasias – perspectivas linguísticas. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2010, p. 102-137.

MOSCOVITCH, M. Confabulation and the frontal systems: strategic versus retrieval in neuropsychological theories of memory. In: ROEDIGER, H. L.; CRAIK, F. I. M. (Ed.) Varieties of memory and consciousness: essays in honour of Endel Tulving. Hillsdale (NJ): Erlbaum, 1989.

PRADO Jr., B. Não dizer a verdade equivale a mentir? Cadernos de estudos linguísticos, v.9, p.81-88, 1985.

SHALLICE, T. How neuropsychology helps us to understand normal function. Behavioral and brain sciences, v.14, p.457-469, 1989.

WEINRICH, H. Lete, arte e crítica do esquecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

WEINSTEIN, E. A.; KAHN, R. L. Denial of illness. Springfields: Charles C. Thomas, 1955.

Downloads

Publicado

2012-12-19

Como Citar

MORATO, E. M. Reflexões em torno da confabulação e da fabricação da memória: Continuidade ou ruptura entre real e imaginário. Remate de Males, Campinas, SP, v. 32, n. 2, p. 195–210, 2012. DOI: 10.20396/remate.v32i2.8635882. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635882. Acesso em: 1 dez. 2022.