Considerações sobre a formação do Modernismo brasileiro

Autores

  • Marcia Regina Jaschke Machado Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v33i1-2.8636445

Palavras-chave:

Teoria Literária. Crítica literária. Semana de Arte Moderna.

Resumo

Tradicionalmente, o início do Modernismo brasileiro costuma ser interpretado como um acontecimento ímpar que transformou logo em seu princípio a vida intelectual brasileira. Entretanto, vale sugerir que essa transformação não aconteceu logo nesse momento. O que se percebe é que o começo do Modernismo se configurou pela construção de espaços de atuação e de visibilidade para inovações artísticas, por parte de um pequeno grupo de intelectuais, em um ambiente ainda dominado por um “parnasianismo tardio”. Diante de um contexto social favorável ao surgimento dessas inovações, tal grupo fez uso de uma série de articulações pessoais e políticas para buscar a legitimação do Modernismo. Tendo isso em vista, este artigo tem como objetivo trazer algumas considerações sobre o início desse movimento. Para isso, parte da perspectiva de que sua primeira fase – final dos anos de 1910 e a década de 1920 – apresenta aspectos muito distintos da fase seguinte, os anos de 1930. Ela se caracteriza pelos esforços de intelectuais que visavam à transformação da vida literária, conquista esta que será legitimada apenas a partir de 1930.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Regina Jaschke Machado, Universidade de São Paulo

Doutora em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo

Referências

ANDRADE, Mário de. Entrevistas e depoimentos. Organização Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: T. A. Queiroz, 1983.

ANDRADE, Mário de. Cartas de Mário de Andrade a Prudente de Moraes, neto. Organização Georgina Koifman. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

ANDRADE, Mário de. De São Paulo: cinco crônicas de Mário de Andrade, 1920-1921. Organização, introdução e notas Telê Ancona Lopez. São Paulo: Editora SENAC, 2004.

ANDRADE, Mário de; BANDEIRA, Manuel. Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira. Organização, introdução e notas Marcos Antonio de Moraes. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2001.

ANDRADE, Oswald de. Os dentes do dragão: entrevistas. Organização, introdução e notas Maria Eugenia Boaventura. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Globo, 2009.

ARANHA, Graça. Espírito moderno. São Paulo: Cia. Graphico - Editora Monteiro Lobato, 1925.

ARANHA, Luís. Cocktails. Organização, apresentação, pesquisa e notas Nelson Ascher; pesquisa Rui Moreira Leite. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BATISTA, Marta Rossetti. Anita Malfatti no tempo e no espaço: biografia e estudo da obra. São Paulo: Editora 34, Edusp, 2006.

BOAVENTURA, Maria Eugenia (org.). 22 por 22: a Semana de Arte Moderna vista pelos seus contemporâneos. 2ª ed. revista e ampliada. São Paulo: Edusp, 2008.

BOSI, Alfredo. Moderno e modernista na literatura brasileira. In: BOSI, Alfredo. Céu, inferno. 2ª ed. São Paulo: Duas Cidades, Editora 34, 2003. p. 209-226.

BRITO, Mário da Silva. História do modernismo brasileiro: antecedentes da Semana de Arte Moderna. 6ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

CAMARGOS, Marcia. Villa Kyrial. Crônica de Belle Époque paulistana. 2ª ed. São Paulo: Editora Senac, 2001.

CAMARGOS, Marcia. Semana de 22. Entre vaias e aplausos. São Paulo: Boitempo, 2002.

CANDIDO, Antonio. A Revolução de 1930 e a cultura. In:______. A educação pela noite. 5ª ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006. p. 219-240.

CASCUDO, Luís da Câmara; ANDRADE, Mário de. Câmara Cascudo e Mário de Andrade: cartas 1924-1944. Pesquisa documental, iconográfica, estabelecimento de texto e notas Marcos Antonio de Moraes. São Paulo: Global, 2010.

CASTELLO, José Aderaldo. A literatura brasileira: origens e unidade (1500-1960). São Paulo: Edusp, 1999. Vol. 2.

GUASTINI, Mário. A hora futurista que passou e outros escritos. Seleção, apresentação e notas Nelson Schapochnik. São Paulo: Boitempo, 2006.

JOHNSON, Randal. A dinâmica do campo literário brasileiro. Tradução Antonio Dimas. Revista USP, São Paulo, n. 26, p. 164-181, jun./ago. 1995.

LAFETÁ, João Luiz. A representação do sujeito lírico na Paulicéia desvairada. In: LAFETÁ, João Luiz. A dimensão da noite e outros ensaios. Organização Antonio Arnoni Prado. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2004. p. 348-371.

LOPEZ, Telê Porto Ancona. Arlequim e modernidade. In: LOPEZ, Telê Porto Ancona. Mariodeandradiando. São Paulo: Editora Hucitec, 1996. p. 17-35.

NOGUEIRA, Maria Guadalupe Pessoa. Edição anotada da correspondência Mário de Andrade e Renato de Almeida. Dissertação de mestrado, Programa de Teoria Literária e Literatura Comparada, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2003.

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do riso. A representação humorística na história brasileira: da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

SALIBA, Elias Thomé. A hora modernista que não passou. Entre livros, São Paulo, ano 2, n. 23, p. 56-59, mar. 2007.

SALIBA, Elias Thomé. Piadas impressas e formatos da narrativa humorística brasileira. In: PIRES, Francisco Murari (org.). Antigos e modernos: diálogos sobre a (escrita da) história. São Paulo: Alameda, 2009. p. 231-248.

Downloads

Publicado

2015-06-17

Como Citar

MACHADO, M. R. J. Considerações sobre a formação do Modernismo brasileiro. Remate de Males, Campinas, SP, v. 33, n. 1-2, p. 31–50, 2015. DOI: 10.20396/remate.v33i1-2.8636445. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8636445. Acesso em: 2 out. 2022.