Armas e letras: nota sobre os usos do panegírico na sociedade de corte

Autores

  • Valeria Pereira Silva de Novais Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Cássio Borges Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v37i1.8649236

Palavras-chave:

Soneto. Panegírico. Distinção.

Resumo

O presente estudo examina um soneto encomiástico, “A Fernão Teles, General da Beira, Governador do Porto”, atribuído, na Fênix renascida, a Antônio Barbosa Bacelar. O subgênero é lido como mecanismo de distinção que, ao exornar lugares de poder e valores áulicos, opera na construção e na difusão de princípios basilares da Razão de Estado católica. Ao retomar as noções de “figuração social” e de “status”, formuladas por Norbert Elias em A sociedade de corte, o presente trabalho empenha-se em refletir sobre os efeitos particulares de sentido suscitados pelo texto examinado, sem, contudo, perder de vista as convenções letradas de longa duração que se manifestam tanto na formalização do soneto quanto na codificação dos hábitos de conversação na corte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valeria Pereira Silva de Novais, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Possui graduação em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB, campus de Vitória da Conquista). Mestrado em Letras: Cultura, Educação e Linguagens pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB, Campus Vitória da Conquista). Participa do gupo de pesquisa: Práticas, escritas e narrativas, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Cássio Borges, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual de Campinas (1999), mestrado em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (2002) e doutorado em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (2008). Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Referências

AULETE, Caldas. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. 5ª ed. Rio de Janeiro: Delta, 1985.

CAMÕES, Luís de. Rimas várias de Luís de Camões. Comentários de Manuel de Faria e Sousa. Lisboa: Theotônio Dámaso de Mello, 1685.

CASTIGLIONE, Baldassare. O cortesão. Trad. Carlos Nilson Moulin Louzada. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Trad. Maria de Lourdes Menezes; rev. téc. Arno Vogel. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

CHARTIER, Roger. Formação social e economia psíquica: a sociedade de corte no processo civilizador (Prefácio). In: ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Trad. Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Trad. Maria Manuela Galhardo. 2ª ed. Algés: Difel, 2002.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Trad. Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: formação do estado e civilização. Trad. Ruy Jungmann. Revisão, apresentação e notas: Renato Janine Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

FARIA E SOUSA, Manuel de. Discurso acerca de los versos de que constan los poemas […]. In: CAMÕES, Luís de. Rimas várias de Luís de Camões. Comentários de Manuel de Faria e Sousa. Lisboa: Theotônio Dámaso de Mello, 1685.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Baeta Neves. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GRAZIANI, Françoise. Le concetto dans le sonnet. In: BELLENGER, Yvonne (org.). Le sonnet a la renaissance: des origines au XVII siècle. Paris: Aux Amateurs de Livres, 1986.

HANSEN, João Adolfo. Agudezas seiscentistas. Floema Especial, Ano II, nº 2, out. 2006, pp. 85-109.

HERRERA, Fernando de. Anotaciones a la poesía de Garcilaso. Edición de Inoria Pepe y José María Reyes. Madrid: Cátedra, 2001.

KANTOROWICZ, Ernst H. Os dois corpos do rei: um estudo sobre teologia política medieval. Trad. Cid Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das letras, 1998.

LAUSBERG, Heinrich. Manual de retórica literária. Trad. José Pérez Riesco. Madrid: Editorial Gredos, 1976.

PÉCORA, Alcir. Razão e prazer da civilidade (prefácio). In: DELLA CASA, Giovanni. Galateo ou dos costumes. Trad. Edileine Vieira Machado. São Paulo: Martins Fontes, 1999, pp. XV-XXXI.

PÉCORA, Alcir. Teatro do sacramento: a unidade teológico-retórico-política dos sermões de Antônio Vieira. São Paulo: Edusp, 1994.

SARAIVA, Maria de Lourdes. Ao leitor. In: CAMÕES, Luís de. Lírica completa II. Prefácio e notas de Maria de Lourdes Saraiva. 2ª ed. rev. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1994, pp. 13-22.

SYLVA, Mathias Pereira da (org.). A fênix renascida ou obras poéticas dos melhores engenhos portugueses. Segunda vez impresso e acrescentado. Lisboa: Officina dos Herdeiros de Antonio Pedrozo Galram, 1746.

SUÁREZ, Francisco. De legibus. Edición Crítica Bilingüe por Luciano Pereña. Madrid: C.S.I.C., 1971.

TASSO, Torquato. Lezione del Sig. Torquato Tasso sopra il sonetto LIX di monsignor Giovanni de la Casa. In: DELLA CASA, Giovanni. Opere di Monsignor Giovanni Della Casa. 3º vol. Milano: Dalla Società Tipografica De’Classici, 1806, pp. 299-327.

Downloads

Publicado

2017-08-28

Como Citar

NOVAIS, V. P. S. de; BORGES, C. Armas e letras: nota sobre os usos do panegírico na sociedade de corte. Remate de Males, Campinas, SP, v. 37, n. 1, p. 307–321, 2017. DOI: 10.20396/remate.v37i1.8649236. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8649236. Acesso em: 28 maio. 2022.