Câmara ardente: um livro?

Francine Fernandes Weiss Ricieri

Resumo


Este texto se divide em três seções. A primeira, “Algumas considerações sobre livros simbolistas” recupera indicações da fortuna crítica dedicada à poesia brasileira de final do século XIX no que diz respeito à concepção de livro, entendido não como recolha aleatória de poemas, mas como unidade criativa e/ou unidade de significação. Percorrem-se, também, indicações contidas em livros específicos ou documentos daquele período, alusivos a tal concepção, com algumas conclusões parciais: livros simbolistas podem recorrer, na formulação de seus princípios de coesão, a critérios temáticos, a títulos que coordenam poemas mais ou menos relacionáveis, ao estabelecimento de ciclos ou estruturas cíclicas, à implicitação ou explicitação de estruturas narrativas, à adoção nostálgica de elementos unificadores de natureza genérica ou formal como o trágico ou o épico, à hibridização de gêneros, bem como à relação intertextual com outros livros, que passam, em alguns casos, a estabelecer matrizes estruturais para um volume em específico. Um livro simbolista, nesse sentido, significa por aquilo que nele é mescla, não só de gêneros, mas também de modalidades estéticas, de posturas enunciativas, de perspectivas e registros díspares. A segunda seção “Alphonsus de Guimaraens: livros, projetos, experimentos” explora a produção daquele autor, recuperando dados documentais relativos a seu processo de criação e publicação de livros, no sentido em discussão. São analisados seus diferentes projetos editorais, bem como processos de reformulação que parecem levar ao estabelecimento de constantes temático-formais que organizam diferentes livros, com a recorrente adoção de estruturas litúrgicas como matrizes estruturais. Nesse sentido, suas publicações de 1899 parecem constituir um ponto de chegada, um momento de maturidade que se sucede a um cuidadoso trabalho de busca estética. A última seção, “Câmara ardente: um livro?”, a partir das considerações anteriores, dedica-se a explorar aspectos da organização temático-formal de Câmara ardente. 

Palavras-chave


Alphonsus de Guimaraens. Câmara ardente. estrutura litúrgica.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE MURICY. Panorama do movimento simbolista brasileiro. 2ª ed. 2v. Brasília: INL, 1962.

BAUDELAIRE, Charles. A modernidade. In: BAUDELAIRE, Charles. Poesia e prosa: volume único. Ed. organizada por Ivo Barroso (vários tradutores). Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

BERNARDI, Mansueto. Vida e poesia de Eduardo Guimaraens. Porto Alegre: Globo, 1944.

CAMARGOS, Marcia. Villa Kyrial: crônica da Belle Époque paulistana. São Paulo: SENAC, 2001.

CAROLLO, Cassiana Lacerda. Documentos: um apêndice à obra completa de Alphonsus de Guimaraens. Estudos brasileiros, Curitiba, v. 2, nº 3, p. 191, 1977.

CAROLLO, Cassiana Lacerda. Decadismo e simbolismo no Brasil: crítica e poética. 2 v. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos / Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1980-1981.

CAWS, Mary-Ann. Poème long, poème court: le sujet en cloture. In: RABATÉ, Dominique; SERMET, Joëlle de; VADÉ, Yves. Modernités 8: Le sujet lyrique en question. Bordeaux: Presses Universitaires de Bordeaux, 1996.

COMBE, Dominique. Poésie et récit: une rhétorique des genres. Paris: José Corti, 1989.

COMBE, Dominique. Les genres littéraires. Paris: Hachette, 1992.

COMBE, Dominique. Aimé Césaire et “la quête dramatique de l’identité”. In: RABATÉ, Dominique; SERMET, Joëlle de; VADÉ, Yves. Modernités 8: Le sujet lyrique en question. Bordeaux: Presses Universitaires de Bordeaux, 1996.

COMBE, Dominique. L’épopée à l’époque moderne. In: PEDROSA, Celia; ALVES, Ida (org.). Subjetividades em devir: estudos de poesia moderna e contemporânea. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008, pp. 51-62.

DUTRA, Waltensir & CUNHA, Fausto. Biografia crítica das letras mineiras: esboço de uma história da literatura de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1956.

GUIMARAENS, Alphonsus de. Salmos da noite. Um caderno de Alphonsus. A manhã, Rio de Janeiro, 8 nov. 1942. Autores e livros, ano 2, v. 3, nº 13, pp. 210, 211 e 218.

GUIMARAENS, Alphonsus de. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1960.

GUIMARAENS FILHO, Alphonsus de. O manuscrito de Câmara ardente. O Diário, Suplemento literário, Belo Horizonte, 2 ago. 1953, p. 2.

GUIMARAENS, Eduardo (1910). Discurso sobre a arte. In: SILVA, Maria Luiza Berwanger da. Paisagens reinventadas: traços franceses no simbolismo sul-rio-grandense. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS, 1999, pp. 305-307.

LINS, Vera. Livro simbolista, o livro a mais. In: SUSSEKIND, Flora & DIAS, Tânia (org.). A historiografia literária e as técnicas da escrita. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa; Vieira e Lent, 2004, pp. 489-495.

LISBOA, Henriqueta. A poesia de Alphonsus de Guimaraens. Revista do livro, Órgão do INL/MEC, Rio de Janeiro, ano XIII, nº 41, 2º trimestre 1970, pp. 22-30.

PAZ, Octavio. Cantar e contar (sobre o poema extenso). In: PAZ, Octavio. A outra voz. Trad. Waldir Dupont. São Paulo: Siciliano, 1993, pp. 11-31.

PEIXOTO, Sérgio Alves. A consciência criadora na poesia brasileira: do barroco ao simbolismo. São Paulo: Annablume, 1999.

SILVA, Maria Luiza Berwanger da. Paisagens reinventadas: traços franceses no simbolismo sul-rio-grandense. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS, 1999.

VERAS, Eduardo Horta Nassif. O oratório poético de Alphonsus de Guimaraens. Uma leitura do Setenário das Dores de Nossa Senhora. Belo Horizonte: Relicário edições, 2016.




DOI: https://doi.org/10.20396/remate.v37i1.8649242

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Remate de Males

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

(c) Remate de Males, Campinas (SP) - ISSN 2316-5758.