Câmara ardente: um livro?

  • Francine Fernandes Weiss Ricieri Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Alphonsus de Guimaraens. Câmara ardente. estrutura litúrgica.

Resumo

Este texto se divide em três seções. A primeira, “Algumas considerações sobre livros simbolistas” recupera indicações da fortuna crítica dedicada à poesia brasileira de final do século XIX no que diz respeito à concepção de livro, entendido não como recolha aleatória de poemas, mas como unidade criativa e/ou unidade de significação. Percorrem-se, também, indicações contidas em livros específicos ou documentos daquele período, alusivos a tal concepção, com algumas conclusões parciais: livros simbolistas podem recorrer, na formulação de seus princípios de coesão, a critérios temáticos, a títulos que coordenam poemas mais ou menos relacionáveis, ao estabelecimento de ciclos ou estruturas cíclicas, à implicitação ou explicitação de estruturas narrativas, à adoção nostálgica de elementos unificadores de natureza genérica ou formal como o trágico ou o épico, à hibridização de gêneros, bem como à relação intertextual com outros livros, que passam, em alguns casos, a estabelecer matrizes estruturais para um volume em específico. Um livro simbolista, nesse sentido, significa por aquilo que nele é mescla, não só de gêneros, mas também de modalidades estéticas, de posturas enunciativas, de perspectivas e registros díspares. A segunda seção “Alphonsus de Guimaraens: livros, projetos, experimentos” explora a produção daquele autor, recuperando dados documentais relativos a seu processo de criação e publicação de livros, no sentido em discussão. São analisados seus diferentes projetos editorais, bem como processos de reformulação que parecem levar ao estabelecimento de constantes temático-formais que organizam diferentes livros, com a recorrente adoção de estruturas litúrgicas como matrizes estruturais. Nesse sentido, suas publicações de 1899 parecem constituir um ponto de chegada, um momento de maturidade que se sucede a um cuidadoso trabalho de busca estética. A última seção, “Câmara ardente: um livro?”, a partir das considerações anteriores, dedica-se a explorar aspectos da organização temático-formal de Câmara ardente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francine Fernandes Weiss Ricieri, Universidade Federal de São Paulo
Professora de Literatura Brasileira na Universidade Federal de São Paulo / UNIFESP

Referências

ANDRADE MURICY. Panorama do movimento simbolista brasileiro. 2ª ed. 2v. Brasília: INL, 1962.

BAUDELAIRE, Charles. A modernidade. In: BAUDELAIRE, Charles. Poesia e prosa: volume único. Ed. organizada por Ivo Barroso (vários tradutores). Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

BERNARDI, Mansueto. Vida e poesia de Eduardo Guimaraens. Porto Alegre: Globo, 1944.

CAMARGOS, Marcia. Villa Kyrial: crônica da Belle Époque paulistana. São Paulo: SENAC, 2001.

CAROLLO, Cassiana Lacerda. Documentos: um apêndice à obra completa de Alphonsus de Guimaraens. Estudos brasileiros, Curitiba, v. 2, nº 3, p. 191, 1977.

CAROLLO, Cassiana Lacerda. Decadismo e simbolismo no Brasil: crítica e poética. 2 v. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos / Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1980-1981.

CAWS, Mary-Ann. Poème long, poème court: le sujet en cloture. In: RABATÉ, Dominique; SERMET, Joëlle de; VADÉ, Yves. Modernités 8: Le sujet lyrique en question. Bordeaux: Presses Universitaires de Bordeaux, 1996.

COMBE, Dominique. Poésie et récit: une rhétorique des genres. Paris: José Corti, 1989.

COMBE, Dominique. Les genres littéraires. Paris: Hachette, 1992.

COMBE, Dominique. Aimé Césaire et “la quête dramatique de l’identité”. In: RABATÉ, Dominique; SERMET, Joëlle de; VADÉ, Yves. Modernités 8: Le sujet lyrique en question. Bordeaux: Presses Universitaires de Bordeaux, 1996.

COMBE, Dominique. L’épopée à l’époque moderne. In: PEDROSA, Celia; ALVES, Ida (org.). Subjetividades em devir: estudos de poesia moderna e contemporânea. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008, pp. 51-62.

DUTRA, Waltensir & CUNHA, Fausto. Biografia crítica das letras mineiras: esboço de uma história da literatura de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1956.

GUIMARAENS, Alphonsus de. Salmos da noite. Um caderno de Alphonsus. A manhã, Rio de Janeiro, 8 nov. 1942. Autores e livros, ano 2, v. 3, nº 13, pp. 210, 211 e 218.

GUIMARAENS, Alphonsus de. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1960.

GUIMARAENS FILHO, Alphonsus de. O manuscrito de Câmara ardente. O Diário, Suplemento literário, Belo Horizonte, 2 ago. 1953, p. 2.

GUIMARAENS, Eduardo (1910). Discurso sobre a arte. In: SILVA, Maria Luiza Berwanger da. Paisagens reinventadas: traços franceses no simbolismo sul-rio-grandense. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS, 1999, pp. 305-307.

LINS, Vera. Livro simbolista, o livro a mais. In: SUSSEKIND, Flora & DIAS, Tânia (org.). A historiografia literária e as técnicas da escrita. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa; Vieira e Lent, 2004, pp. 489-495.

LISBOA, Henriqueta. A poesia de Alphonsus de Guimaraens. Revista do livro, Órgão do INL/MEC, Rio de Janeiro, ano XIII, nº 41, 2º trimestre 1970, pp. 22-30.

PAZ, Octavio. Cantar e contar (sobre o poema extenso). In: PAZ, Octavio. A outra voz. Trad. Waldir Dupont. São Paulo: Siciliano, 1993, pp. 11-31.

PEIXOTO, Sérgio Alves. A consciência criadora na poesia brasileira: do barroco ao simbolismo. São Paulo: Annablume, 1999.

SILVA, Maria Luiza Berwanger da. Paisagens reinventadas: traços franceses no simbolismo sul-rio-grandense. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS, 1999.

VERAS, Eduardo Horta Nassif. O oratório poético de Alphonsus de Guimaraens. Uma leitura do Setenário das Dores de Nossa Senhora. Belo Horizonte: Relicário edições, 2016.

Publicado
2017-08-28
Como Citar
Ricieri, F. F. W. (2017). Câmara ardente: um livro?. Remate De Males, 37(1), 9-36. https://doi.org/10.20396/remate.v37i1.8649242
Seção
1. O livro como organismo poético-musical