Borges leitor de Dante

Autores

  • Heloísa Abreu de Lima Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v38i1.8650122

Palavras-chave:

Nueve ensayos dantescos. Jorge Luis Borges. Dante Alighieri.

Resumo

Um dos aspectos mais comumente sublinhados nos Nueve ensayos dantescos é o seu desvio do que seria a impostação predominante na prática da crítica literária – o que é frequentemente traduzido em termos de uma oposição entre Borges e a crítica dantesca. Entretanto, embora Borges de fato se afaste do tom geral dos estudos dantescos, tal polarização, cujos termos parecem indevidamente simplificados, corre o risco de permanecer à margem do verdadeiro problema presente nas suas leituras sobre a Commedia. Não obstante as formulações de Borges possam parecer respostas de um leitor inocente diante de uma obra que guarda infinitas complexidades, a verdade é que elas encobrem uma trama de expedientes de leitura – muitas vezes contraditórios entre si –, que dificilmente poderiam ser caracterizados como “inocentes”. A chave de leitura de Borges, que busca frequentemente encontrar falhas e incoerências em um dos textos clássicos por excelência, pode ser vista como a maneira pela qual o autor se confronta com as chamadas “leituras totalizantes”, às quais as obras canônicas são constantemente submetidas. Por isso, sua atitude não deixa de ser crítica: como bem observou Italo Calvino, os Ensayos dantescos são uma recriação de elementos do poema, marcando, assim, o posicionamento de Borges diante da tradição. Isso posto, a proposta deste estudo é reconhecer, sempre mantendo contato direto com o texto de Dante, os diferentes procedimentos de leitura de Borges e as suas implicações críticas ao longo dos Nueve ensayos dantescos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloísa Abreu de Lima, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referências

ALIGHIERI, Dante. A divina comédia. Texto crítico italiano da Società Dantesca Italiana; ilustrado com 136 gravuras por Gustavo Dore; trad. José Pedro Xavier Pinheiro. São Paulo: Edigraf, 1946.

ARCE, Joaquín. Presentación: Borges, lector de la Divina comedia. In: BORGES, Jorge Luis. Nueve ensayos dantescos. Intr. Marcos Ricardo Barnatán. 3. ed. Madrid: Espasa-Calpe, 1998, pp. 75-80.

ARDAVÍN, Carlos. Hacia una definición borgeana de la literatura: Dante y la Divina Comédia. Chasqui, v. 25, n. 2, 1996, pp. 81-88.

BARNATÁN, Marcos Ricardo. Introducción. In: BORGES, Jorge Luis. Nueve ensayos dantescos. Intr. Marcos Ricardo Barnatán. 3. ed. Madrid: Espasa-Calpe, 1998a, pp. 13-73.

BARNATÁN, Marcos Ricardo. Noticia Preliminar. In: BORGES, Jorge Luis. Nueve ensayos dantescos. Intr. Marcos Ricardo Barnatán. 3. ed. Madrid: Espasa-Calpe, 1998b, pp. 9-11.

BORGES, Jorge Luis. La divina comedia. In: Siete noches. Madrid: Fondo de Cultura Económica, 1993, pp. 7-32. (Terra Firme)

BORGES, Jorge Luis. O aleph. 10. ed. São Paulo: Globo, 1996.

BORGES, Jorge Luis. Nueve ensayos dantescos. Intr. Marcos Ricardo Barnatán. 3. ed. Madrid: Espasa-Calpe, 1998a.

BORGES, Jorge Luis. Sobre os clássicos. In: Outras inquisições. Obras completas. V. 2. Trad. Sérgio Molina. São Paulo: Globo, 1998b, pp. 167-169.

BORGES, Jorge Luis. O fazedor. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BORGES, Jorge Luis. Nove ensaios dantescos & a memória de Shakespeare. Trad. Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CALVINO, Italo. Jorge Luis Borges. In: Narratori, poeti, saggisti. In: Saggi, 1945-1985. Mario Barenghi (Ed.). 3. ed. Milão: Arnoldo Mondadori, 2001, pp. 757-1.465.

DANTE. La commedia, secondo l’antica vulgata. A cura di Giorgio Petrocchi. Milão: Arnoldo Mondadori (Società Dantesca Italiana), 1966-1967.

FRESKO, Susanna. Borges, Dante e l’ambiguo tempo dell’arte. Doctor Virtualis. Rivista online di storia della filosofia medievale, v. III, 2003, pp. 33-44. Disponível em: http://riviste.unimi.it/index.php/DoctorVirtualis/article/view/39/58. Acesso em: 3 jun. 2017.

GIORDANO, Alberto. Borges: la ética e la forma del ensayo. In: Modos del ensayo: de Borges a Piglia. Rosario: Beatriz Viterbo, 2005a, pp. 9-26.

GIORDANO, Alberto. Borges: la forma del ensayo. In: Modos del ensayo: de Borges a Piglia. Rosario: Beatriz Viterbo, 2005b, pp. 27-52.

GIORDANO, Alberto. Borges y la ética del lector inocente (Sobre los Nueve ensayos dantescos). In: Modos del ensayo: de Borges a Piglia. Rosario: Beatriz Viterbo, 2005c, pp. 53-67.

LAGORIO, Gina. Borges e Dante. Doctor Virtualis. Rivista online di storia della filosofia medievale, v. III, 2003, pp. 25-32. Disponível em: http://riviste.unimi.it/index.php/DoctorVirtualis/article/view/38/56. Acesso em: 3 jun. 2017.

MENOCAL, María Rosa. Writing in Dante’s Cult of Truth: From Borges to Boccaccio. Durham/Londres: Duke University Press, 1991.

NÚÑES FARACO, Humberto. Dante, precursor de Borges. Neophilologus, 2015, pp. 419-132.

SESSA, Lucio. Borges e Dante: una sintonia “sospetta”. In: CERBO, Anna (Org.). Lectura Dantis 2002-2009: omaggio a Vincenzo Placella per i suoi settanta anni. T. II. Napoli: Università degli Studi di Napoli “L’Orientale”, 2011, pp. 731-745.

VALENCIA, Norman. Borges y el texto clásico como institución: lecturas contra-canónicas del Quijote y la Commedia. Bulletin of Hispanic Studies, v. 92, n. 8, 2015, pp. 933-947.

Downloads

Publicado

2018-06-07

Como Citar

LIMA, H. A. de. Borges leitor de Dante. Remate de Males, Campinas, SP, v. 38, n. 1, p. 370–397, 2018. DOI: 10.20396/remate.v38i1.8650122. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8650122. Acesso em: 1 out. 2022.