Vozes de papel, tinta, luz: reflexões sobre a materialidade das palavras na literatura

Palavras-chave: Poesia concreta brasileira, poesia figurada, poesia visual, intermedialidade.

Resumo

A história da literatura costuma dar pouco destaque às produções textuais que erigem sua voz na fronteira entre as artes e as Letras. No entanto, desde fins do século XIX, a materialidade das palavras foi posta em relevo por Mallarmé e, posteriormente, expoentes da vanguarda europeia como Apollinaire, Zdanovitch e Marinetti. Essa ênfase no aspecto visual do texto foi recuperada, em solo nacional, pela poesia concreta. Ancorados na teorização de seus pressupostos, os poetas concretos foram alvo tanto de admiração quanto de rechaço por parte da crítica literária. Como estratégia de resistência a essa vocação polemista, seus próceres objetivaram suas ideias com a ajuda do conceito poundiano de paideuma, estabelecendo critérios para seu trabalho a partir da identificação de procedimentos criativos em um rol seleto de autores que os precederam. Devemos acatar essa linhagem autoestabelecida de uma poesia de invenção ou seria melhor inserí-los no legado de uma textualidade expandida, que caminhou em paralelo à história literária canônica e antecipou potencialidades intermidiáticas?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Catrópa da Silva, Universidade Anhembi Morumbi

Escritora e atualmente realiza pesquisa de pós-doutorado sobre a relação da literatura com as outras artes e com o meio digital.

Referências

BOHN, Willard. Modern Visual Poetry. Newark: University of Delaware Press, 2001

CHARTIER, Roger. A aventura do livro – do leitor ao navegador. Trad. Reginaldo C. C. de Moraes. São Paulo: Editora UNESP e Imprensa Oficial, 2009.

DE CAMPOS, Augusto; PIGNATARI, Décio; DE CAMPOS, Haroldo. Teoria da poesia concreta – textos críticos e manifestos 1950-1960. Cotia, Ateliê Editorial, 2006.

DENCKER, Klaus Peter. Da poesia concreta à poesia visual: um olhar para o futuro dos meios eletrônicos. In: VIEIRA, André Soares; DINIZ, Thais F.N. (Org.) Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. v. 2. Belo Horizonte: Rona, 2012.p. 131-151.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DRUCKER, Johanna. The Visible Word – Experimental Typography and Modern Art, 1909-1923. Chicago and London: The University of Chicago Press, 1994.

E CASTRO, E.M.de Melo. Poética do ciborgue – Antologia de textos sobre tecnopoiesis. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.

HIGGINS, Dick. Pattern Poetry – Guide to an Unknown Literature. Albany, SUNY Press, 1987.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. Trad. Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PAES, José Paulo. O ovo; O Ovo, por dentro e por fora. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/2/27/mais!/16.html>. Data de acesso 18/05/2017.

REED, Marcia. The book in general: some new definitions. In: REED, Marcia; PHILLIPS, Glenn (Org.). Artists and their Books – Books and their Artists. Los Angeles: Getty Publications, 2018

VIRILIO, Paul. O espaço crítico. Trad. Paulo Roberto Pires. São Paulo: Ed. 34, 1993.

ZUMTHOR, Paul. “Carmina figurata”. Revista USP, n. 16, p. 69-75, 1993.

Publicado
2019-07-10
Como Citar
Catrópa da Silva, A. (2019). Vozes de papel, tinta, luz: reflexões sobre a materialidade das palavras na literatura. Remate De Males, 39(1), 149-170. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8653997